quinta-feira 22 de fevereiro de 2024
Lula chegou a Riade, capital da Arábia Saudita, no início da tarde (início da manhã em Brasília) - Foto: Ricardo Stuckert/PR
Home / DESTAQUE / Lula começa na Arábia Saudita último giro internacional do ano
terça-feira 28 de novembro de 2023 às 07:32h

Lula começa na Arábia Saudita último giro internacional do ano

DESTAQUE, NOTÍCIAS


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dá início nesta terça-feira (28) a uma viagem internacional pela Arábia Saudita após indicar o ministro da Justiça, Flavio Dino, para o Supremo Tribunal Federal (STF), e o vice-procurador-geral eleitoral Paulo Gonet para a Procuradoria Geral da República (PGR). Em oito dias, passará por quatro países: Arábia Saudita, Catar, Emirados Árabes e Alemanha.

É, provavelmente, a última viagem internacional do ano de Lula e a primeira depois que se submeteu a uma cirurgia de quadril, há dois meses — desde que tomou posse para seu terceiro mandato, em 1º de janeiro, o presidente já viajou ao exterior 15 vezes, conforme registra Daniel Gallas, da BBC News.

Quando retornar ao Brasil, em 5 de dezembro, terá passado mais de 60 dias fora do país e visitado 25 países.

Mesmo convidado para a posse do recém-eleito presidente da Argentina, Javier Milei, em 10 de dezembro, o petista não deve comparecer à cerimônia.

Apesar de o principal mote da viagem ser apresentar as credenciais climáticas do Brasil ao mundo — com o retorno de Lula à conferência climática da ONU (COP28) como chefe de Estado pela primeira vez em 13 anos — os primeiros passos dessa viagem serão dedicados às relações comerciais e políticas do Brasil com o mundo árabe.

Lula embarcou com uma grande comitiva de ministros — como Fernando Haddad (Fazenda), Rui Costa (Casa Civil), Alexandre Silveira (Minas e Energia), Carlos Fávaro (Agricultura), além de autoridades como Aloizio Mercadante (presidente do BNDES), Jean Paul Prates (Petrobras), Jorge Viana (Apex-Brasil) e Rodrigo Pacheco (presidente do Senado).

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, deve se juntar à Lula em Dubai, para a COP28 e também no giro pela Alemanha.

Recentemente, houve uma aproximação diplomática do Brasil com a Arábia Saudita, única nação do Oriente Médio a participar do G20 e um forte aliada dos Estados Unidos na região.

Em agosto, durante uma cúpula em Johanesburgo, na África do Sul, a Arábia Saudita foi convidada a aderir ao Brics, o grupo de potências emergentes que inclui Brasil, Índia, China, Rússia e África do Sul.

A terça-feira — primeiro dia do giro internacional de Lula — será dedicada à política externa na Arábia Saudita.

Lula chegou por volta das 12h em Riade (6h no horário de Brasília) e vai se encontrar no Palácio Real Al Yamamah com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salman, considerado o líder de facto da Arábia Saudita (cujo chefe de Estado oficial é seu pai, o rei Salman bin Abdulaziz Al Saud, de 87 anos).

Salman, de 38 anos, é hoje um dos maiores líderes do mundo árabe e ocupa o cargo de primeiro-ministro do país.

Ao final do dia, Lula e o príncipe jantarão juntos.

Em julho deste ano, Lula cancelou um jantar que teria com bin Salman em Paris, alegando cansaço após dias de intensa agenda internacional.

Nesta quarta-feira (29), a comitiva brasileira passará o dia em reuniões de interesse econômico.

A Arábia Saudita é o principal parceiro comercial do Brasil no Oriente Médio. A corrente bilateral foi de mais de US$ 8 bilhões em 2022 e somou mais de US$ 5,5 bilhões até outubro deste ano.

Segundo o Itamaraty, “há potencial para aumentar e diversificar esse fluxo, incluindo produtos de maior valor agregado. A Arábia Saudita é importante fornecedor de hidrocarbonetos e fertilizantes químicos para o Brasil, enquanto as exportações brasileiras se concentram em produtos alimentícios”.

O governo brasileiro tem interesse em receber investimentos do Saudi Arabia Public Investment Fund, um fundo soberano de US$ 775 bilhões — onde há poucos projetos brasileiros. Na visão brasileira, há espaço para colaboração nas áreas de tecnologia e defesa.

Na quarta-feira, Lula participará de uma Mesa Redonda Brasil-Arábia Saudita e também de um seminário da Embraer.

“Há a possibilidade de incremento dos investimentos sauditas no Brasil. Já houve [em outubro de 2019] um anúncio da intenção de se investir [no Brasil] algo em torno de US$ 10 bilhões, parte dos quais já vêm sendo investidos, mas há ainda uns bons passos para se desenvolver mais esta relação”, diz o embaixador Carlos Sérgio Sobral Duarte, secretário do Itamaraty para África e Oriente Médio.

Uma das possibilidades é captar investimentos do país árabe em obras do Novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

A relação Brasil-Arábia Saudita vem se estreitando nos últimos anos, mas também há polêmicas.

Viagens oficiais à Arábia Saudita durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) são atualmente tema de inquérito da Polícia Federal (PF) no Brasil.

As autoridades brasileiras investigam três estojos de joias dados à família Bolsonaro. O primeiro foi dado em 2019, quando Bolsonaro viajou ao país árabe e está avaliado em R$ 500 mil. Ele continha joias como um relógio da marca Rolex cravejado de brilhantes, uma caneta e uma espécie de rosário islâmico.

O segundo e o terceiro, avaliados em mais de R$ 16 milhões, foram dados à família Bolsonaro em 2021, durante uma viagem do então ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque ao Oriente Médio.

O ex-presidente e seus advogados negam qualquer irregularidade no caso, que está em andamento.

Catar, COP28 e Alemanha

Na quarta-feira pela tarde, Lula segue para o Catar, o segundo país no seu giro internacional.

Em Doha, o petista novamente participará de fórum com empresários e se encontrará encontro com o emir do Catar e líder máximo do país, Tamim bin Hamad al-Thani.

Recentemente, o Catar ajudou a mediar uma trégua no conflito entre Israel e o Hamas, com troca de reféns por prisioneiros palestinos.

Espera-se que a crise em Gaza seja tema da discussão entre Lula e al-Thani.

“O Catar é um país que tem uma interlocução com as partes e com o qual o Brasil tem mantido um canal de diálogo aberto. Ultimamente, na questão da repatriação dos brasileiros que se encontravam em Gaza, o ministro [das Relações Exteriores] Mauro Vieira se referiu ao Catar, mais de uma vez, como sendo um interlocutor importante neste processo”, disse Sobral Duarte.

Na sexta-feira (1/12) e no sábado (2/12), Lula participa da COP28 em Dubai.

A agenda ambiental tem sido uma das principais marcas da política externa do governo, cujo lema internacional é “o Brasil voltou”.

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, disse que o governo pretende mostrar na cúpula resultados no combate ao desmatamento.

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o desmatamento na Amazônia caiu 22% em um ano.

A comitiva brasileira também deve apresentar uma proposta para um novo mecanismo de captação de recursos para países com florestas.

Um dos principais temas da COP deste ano será a mudança da matriz energética mundial para fontes mais limpas. Lula deve discursar em plenária de líderes mundiais.

Lula encerra seu giro internacional do domingo e segunda-feira com visita à Alemanha, onde se encontrará com o chanceler Olaf Scholz.

“As principais áreas [de interesse da viagem] são meio ambiente; mudança climática; desenvolvimento global; agricultura; bioeconomia; energia; saúde; ciência e tecnologia e inovação. Além disso, a Alemanha é um dos países que defendem [a assinatura do] acordo [comercial] Mercosul-União Europeia”, diz a embaixadora Maria Luisa Escorel de Moraes, secretária para Europa e América do Norte do Itamaraty.

Há expectativa de que o acordo comercial entre os dois blocos possa finalmente ser firmado no próximo mês.

Recentemente, diplomatas manifestaram preocupação com a possibilidade de o acordo Mercosul-União Europeia sofrer um revés com a eleição do novo presidente argentino, Javier Milei.

As autoridades trabalham para tentar assinar o acordo antes da posse de Milei. Em dezembro, haverá uma cúpula no Rio de Janeiro, onde o tratado pode vir a ser firmado.

Veja também

Investimentos em infraestrutura e sustentabilidade são pautas que unem Brasil e Países Baixos

Ampliar o diálogo com parceiros internacionais para trazer mais investimentos aos portos e aeroportos brasileiros …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement

Advertisement

error: Content is protected !!
Pular para a barra de ferramentas