segunda-feira 6 de dezembro de 2021
Home / DESTAQUE / ‘Fins não justificam os meios’, diz Zuckerberg após vazamento de memorando

‘Fins não justificam os meios’, diz Zuckerberg após vazamento de memorando

sábado 31 de março de 2018 às 11:04h

Os problemas do Facebook aumentaram na última quinta-feira (29) com o vazamento de um memorando escrito há dois anos por um alto executivo, que aponta que a rede social estava determinada a crescer apesar dos riscos para seus usuários.

O texto de 2016, publicado pelo site de notícias Buzzfeed, foi escrito por Andrew Bozworth, considerado integrante do círculo íntimo de Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook. “A verdade nua e crua é que acreditamos tanto em conectar as pessoas que qualquer coisa que nos permita conectar mais pessoas de maneira mais frequente é ‘de fato’ boa”, afirma o memorando.

O texto aponta que conectar as pessoas pode levar a resultados positivos, como encontrar o amor ou evitar o suicídio, mas também pode ter consequências negativas, destacou Bozworth. “Talvez possa custar uma vida ao expor alguém aos bullies”, afirma o memo. “Talvez alguém morra em um ataque terrorista coordenado em nossas ferramentas”. Bozworth é conhecido por ser um grande defensor do Facebook e sem receio de expressar o que pensa.

“Não concordo com o texto hoje e não concordava mesmo quando o escrevi”, afirmou Bozworth em um comunicado enviado à imprensa. “O propósito do texto, como muitos outros que escrevi internamente, era trazer à superfície assuntos que considerava que mereciam mais discussão dentro da empresa”.

Em resposta a uma solicitação da imprensa internacional, Zuckerberg se referiu a Bozworth como um líder talentoso que diz coisas provocativas, como as mencionadas no texto em questão. “Esta foi uma com a qual a maioria das pessoas no Facebook, eu inclusive, discordou de modo veemente”, disse Zuckerberg. “Nunca acreditamos que os fins justificam os meios”, completou.

O vazamento do memorando acontece no momento em que o Facebook enfrenta o escândalo de dados usados pela britânica Cambridge Analytica, uma empresa consultoria vinculada à campanha presidencial de Donald Trump.

O Facebook enfrenta investigações dos dois lados do Atlântico pelo uso indevido dos dados de 50 milhões de usuários por parte da empresa.

Veja também

De olho em 2022, Moro adianta as principais promessas de governo

O ex-juiz Sergio Moro planeja uma campanha engajada em 2022, e confortmer entrevista ao jornal …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!