domingo 26 de maio de 2024
Foto: Reprodução
Home / CURIOSIDADES / Você sonha? Cientistas descobrem benefício inédito em se lembrar dos sonhos
quarta-feira 15 de maio de 2024 às 08:21h

Você sonha? Cientistas descobrem benefício inédito em se lembrar dos sonhos

CURIOSIDADES, NOTÍCIAS, SAÚDE


Desde análises psicológicas até conotações místicas, os sonhos têm sido sempre um alvo de intenso interesse da sociedade. E entre a comunidade científica não é diferente: pesquisadores do Laboratório de Sono e Cognição da Universidade da Califórnia em Irvine, nos Estados Unidos, buscaram identificar possíveis funções atreladas ao ato de sonhar. O estudo, publicado na revista científica Scientific Reports, revelou resultados surpreendentes.

“Descobrimos que as pessoas que relatam ter sonhado apresentam maior processamento de memória emocional, o que sugere que os sonhos nos ajudam a lidar com nossas experiências emocionais”, diz a professora de Ciências Cognitivas da universidade e diretora do laboratório, Sara Mednick, em comunicado. Ela acrescenta:

“Isso é significativo porque sabemos que os sonhos podem refletir nossas experiências quando estamos acordados, mas essa é a primeira evidência de que eles desempenham um papel ativo na transformação de nossas respostas a essas experiências, priorizando as memórias negativas em detrimento das neutras e reduzindo nossa resposta emocional a elas no dia seguinte”.

De forma resumida, os cientistas observaram que pessoas que se lembram de seus sonhos tiveram uma melhor regulação emocional e consolidação de memória, passaram a reagir melhor a experiências negativas do dia anterior do que aquelas que não sonharam. O trabalho envolveu 125 mulheres de em média 30 anos que já participavam de um outro estudo maior sobre ciclos menstruais.

O experimento começou às 19h30, quando elas realizavam uma tarefa de analisar uma série de imagens que mostravam experiências negativas ou neutras, como um acidente de carro e um campo de grama, e assinalavam para cada uma pontuação de 0 a 9 numa escala de intensidade do sentimento em relação àquela foto.

Logo em seguida, elas recebiam um novo conjunto de imagens com fotografias novas e outras repetidas. Elas precisavam assinalar novamente a pontuação de sentimento e indicar quais fotos estavam aparecendo de novo. As tarefas tinham como objetivo medir o padrão da memória de cada voluntária e a resposta emocional a cada experiência retratada.

Elas, então, iam dormir – ou em suas casas ou no próprio laboratório da universidade – e utilizavam um anel que monitorava os padrões de sono. No dia seguinte, elas relatavam se sonharam ou não. Aquelas que disseram ter sonhado escreviam num diário o relato do que aconteceu em sua imaginação, com detalhes, e diziam qual o humor geral do sonho dentro de uma escala de sete pontos que vai de negativo para positivo. Depois, todas repetiam o teste das imagens feito na noite anterior.

Como resultado, as participantes que relataram ter sonhado tiveram melhores desempenhos de memória ao relembrar as fotos e foram menos reativas às imagens consideradas negativas, algo que não foi observado naquelas que não se lembraram de ter sonhado. Além disso, quanto mais positivo era o sonho, também mais positiva era a classificação das imagens no dia seguinte.

“Nosso trabalho fornece o primeiro suporte empírico para o envolvimento ativo do sonho no processamento da memória emocional dependente do sono, sugerindo que sonhar após uma experiência emocional pode nos ajudar a nos sentirmos melhor pela manhã”, diz um dos autores do estudo, que atualmente faz pós-doutorado na Universidade de Harvard, Jing Zhang.

“Essa pesquisa nos dá uma nova visão do papel ativo que os sonhos desempenham na forma como processamos naturalmente nossas experiências cotidianas e pode levar a intervenções que aumentem o sonho para ajudar as pessoas a superar experiências difíceis na vida”, acrescenta Mednick.

Veja também

‘No Brasil, eu tenho direito à herança, eles não podem me excluir’, diz filha de Olavo de Carvalho

Excluída do testamento do autointitulado filósofo Olavo de Carvalho, sua filha Heloísa de Carvalho afirmou …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!
Pular para a barra de ferramentas