segunda-feira 24 de junho de 2024
Imagem: Fábio Black / Midjourney/Quatro Rodas)
Home / CURIOSIDADES / Revestimento tecnológico ajuda a controlar incêndio de carros elétricos
sábado 25 de maio de 2024 às 17:42h

Revestimento tecnológico ajuda a controlar incêndio de carros elétricos

CURIOSIDADES, NOTÍCIAS


Em geral, veículos elétricos trazem recursos de condução autônoma que, de maneira ativa, evitam vários acidentes. A falta de combustível líquido também diminui as chances de incêndio, mostram dados dos EUA e da Austrália, mas, quando pegam fogo, os EVs dão imenso trabalho aos bombeiros, diz Eduardo Passos, da revista Quatro Rodas.

Segundo a reportagem, a culpa é da avalanche (ou fuga) térmica: é o processo no qual as células das baterias liberam calor e geram uma química que produz mais calor e aumenta a reação num processo descontrolado.

Brigadistas chegam a utilizar 170.000 litros d’água para socorrer um carro elétrico (até 90 vezes mais do que seria gasto num equivalente a gasolina), e já há protocolos para que simplesmente deixem o veículo queimar e cuidem de proteger as imediações. É algo que ajuda a explicar tantos incêndios catastróficos de EVs que vemos na internet.

Para evitar que se chegue a esse ponto, a norte-americana PPG desenvolveu um produto, batizado de Corachar SE 4000B, que já vem sendo oferecido para montadoras no Brasil. Ele consiste numa resina epóxi que é colocada logo acima do compartimento de baterias do carro. Seu papel é conter a avalanche térmica, de modo que o fogo até danifique as células, mas não destrua o veículo.

Pensado no ritmo de uma fábrica, o Corachar pode ser aplicado por robôs, que o borrifam em spray sobre a peça. O revestimento tem apenas 0,06 cm de espessura e pesa menos de 1 kg, mas promete aguentar até 1.200 oC por 30 minutos, permitindo uma resposta segura dos ocupantes e socorristas.

Além da fórmula química da PPG, o truque está na propriedade intumescente do material, que se expande quando aquecido e, assim, melhora seu isolamento térmico. Há compatibilidade com diferentes tipos de baterias e até um efeito colateral positivo: a maior estabilidade da temperatura permite carregamento mais rápido.

Brigada antifogo

Diferentes fatores contribuem para as chances de incêndios em carros elétricos. Como o resultado é quase sempre catastrófico, a prevenção do fogo se torna ainda mais importante

Troca fácil – O Corachar, depois de exposto ao fogo, tem possibilidade de ser trocado. Inclusive apenas nas células incendiadas.

Aplicação rápida – Montadoras precisam só de um aplicador-robô para, em segundos, instalar o Corachar em seus carros elétricos.

Perigo iminente

Conheça os principais fatores de risco de incêndio num EV:

  • ÁGUA: a água salgada ou com impurezas conduz bem a eletricidade e é suspeita de ter favorecido incêndios em navios que levavam carros elétricos. Há relatos de EVs que pegaram fogo enquanto submersos em enchentes nos EUA.
  • BATIDAS: choques mecânicos podem causar vazamentos nas células e, assim, permitir uma reação em cadeia. Motivo para os engenheiros reforçarem as estruturas que protegem a bateria, nos projetos.
  • CONEXÃO: baterias de baixa qualidade e falhas no sistema de gerenciamento térmico são fatores de risco. Foi o que aconteceu com o Chevrolet Bolt EV, cuja ocorrência de incêndios motivou recall de 140.000 unidades.

Veja também

Pesquisadores ouvem comunidades sobre avanço da água salgada no São Francisco

Agentes da Embrapa promoveram, na última quarta-feira (19), em Brejo Grande, Sergipe, uma reunião para …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!