segunda-feira 17 de junho de 2024
Home / GERAL / MPF aciona município do norte baiano por firmar contrato ilegal; leia mais
domingo 13 de outubro de 2019 às 12:19h

MPF aciona município do norte baiano por firmar contrato ilegal; leia mais

GERAL


Justiça quer suspender os efeitos do contrato e evitar o uso ilícito de créditos de precatórios 

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública contra o município de Chorrochó no norte da Bahia, representado pelo prefeito, Humberto Gomes Ramos, e o escritório de advogacia Caymmi, Dourado, Marques, Moreira e Costa Advogados Associados, pela sua contratação ilegal pelo município, em abril de 2017.

O MPF requer medida liminar para suspender os efeitos do contrato e evitar o uso ilícito de créditos de precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) para pagar os honorários dos advogados, no valor de R$ 2.363.283,65.

De acordo com a ação, de autoria do procurador da república Edson Abdon, em 19 abril de 2017 a prefeitura firmou de maneira ilegal o contrato 048/2017, alegando inexigibilidade de licitação. A intenção da contratação era que o escritório movesse ação de execução pedindo o cumprimento de sentença em que a União foi condenada a pagamento dos valores repassados a menor na complementação do Fundef a diversos municípios do Brasil. A ação foi movida pelo MPF, e teve seu trânsito em julgado em 2015.

Contudo, segundo os documentos analisados pelo MPF, a contratação do escritório não poderia ter sido feita de forma direta, por inexigibilidade de licitação, já que não cumpria os requisitos previstos pela Lei 8666/93 para isso. No caso, o MPF constatou que não é possível considerar o serviço como de natureza singular, uma vez que somente na Bahia 43 advogados e 11 escritórios de advocacia diferentes propuseram ação semelhante em relação aos precatórios do Fundef.

Veja também

Agricultores baianos fecham parceria para recuperar estrada no oeste do estado

Os agricultores baianos, por meio da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), participaram na …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!