segunda-feira 24 de junho de 2024
Sentados à mesa, a partir da esquerda, ACM Neto, Antônio Rueda e Ronaldo Caiado em reunião da executiva do União Brasil — Foto: Brenno Carvalho/O Globo
Home / DESTAQUE / Disputas no União Brasil seguem após Bivar e minam federação com PP e Republicanos
segunda-feira 27 de maio de 2024 às 07:13h

Disputas no União Brasil seguem após Bivar e minam federação com PP e Republicanos

DESTAQUE, NOTÍCIAS, POLÍTICA


Após a retirada de Luciano Bivar da presidência do União Brasil, processo que contou com o endosso de quase toda a cúpula da legenda, integrantes do partido ainda enfrentam divergências e disputas de influência pelos rumos da sigla nas disputas municipais de 2024 e na eleição de 2026. A falta de unidade provocou ainda segundo Lauriberto Pompeu, do O Globo, o afastamento de Republicanos e PP, esfriando a viabilidade de uma federação, que era uma das principais apostas de Antonio Rueda ao assumir a sigla.

— Eu não defendo a federação. É momento das eleições municipais, qualquer antecipação sobre federação é uma precipitação. Não vejo o porquê de a gente discutir isso agora, não vejo vantagem — afirma o deputado Mendonça Filho (União-PE), que, além de não ser do mesmo grupo do PP e do Republicanos em seu estado, enfrenta divergência com colegas do União.

O líder do PP na Câmara, Doutor Luizinho (RJ), evitou apontar culpados pela falta de acordo sobre a aliança, mas também declarou que não é o momento de discutir o assunto.

— Qualquer acordo será após as eleições municipais.

Disputa nos estados

Em outra frente, o partido vive quedas de braço sobre a posição em capitais importantes do país, como Rio de Janeiro, São Paulo e Recife. Nas duas primeiras, o União tem pré-candidatos — Rodrigo Amorim e Kim Kataguiri — mas líderes ainda conversam com Eduardo Paes (PSD) e Ricardo Nunes (MDB), que buscam reeleição.

Em Salvador, o ex-prefeito ACM Neto, secretário-geral da sigla e vice-presidente a partir de junho, e o deputado Elmar Nascimento tiveram uma discordância em relação a um projeto de interesse do governador Jerônimo Rodrigues (PT). Mirando a presidência da Câmara, Elmar tem feito acenos ao petista e mobilizou sua base de deputados estaduais para aprovar um empréstimo pedido pelo governo.

Isso gerou a reação de Neto, que enfrentou Jerônimo em 2022 e é adversário histórico do PT. O dirigente reuniu o partido em nível local e anunciou que quem apoiasse o pedido teria o fundo eleitoral cortado pela legenda. Em resposta, Elmar disse à imprensa baiana que “não se constrói partido na base da intimidação e ameaça”. Procurado, o líder do União na Câmara reconheceu as divergências, mas minimizou o impacto delas.

— Até os dedos da mão são diferentes, a gente não tem obrigação de pensar igual em tudo. Até meu irmão pensa diferente. Eu também sou oposição (ao PT na Bahia), só que de forma diferente.

ACM Neto reconhece as discordâncias, diz ainda o colunista Lauriberto Pompeu, mas ressaltou que entende que o processo de aproximação com o PT é importante para o deputado.

— Ele tem integral apoio meu para ser presidente da Câmara, assim como do União, inclusive com a nossa compreensão de todas as articulações políticas que precisa fazer, o diálogo que ele precisa fazer com o governo — disse o ex-prefeito, ressaltando, porém, que é preciso separar — Uma coisa é a política nacional e outra é a da Bahia.

Voo presidencial

Em meio às divergências locais, há também uma discordância em relação à eleição presidencial de 2026. Antonio Rueda, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, e ACM Neto têm discutido, com integrantes do PP, Republicanos e PL, a possibilidade de ter uma candidatura de oposição ao PT. De outro lado, o senador Davi Alcolumbre (AP) e os ministros da legenda Celso Sabino (Turismo) e Juscelino Filho (Comunicações) não descartam uma composição com o atual governo.

Caiado, que se apresenta como pré-candidato a presidente, disse que em 2026 não haverá disputa porque os deputados do União Brasil não terão votos dos eleitores petistas e que, por isso, não haverá aliança com Lula.

— Os deputados do União Brasil não têm votos de petistas. (O apoio a Lula dentro do União é) quadro febril, que em 2026 desaparece.

Veja também

Pesquisadores ouvem comunidades sobre avanço da água salgada no São Francisco

Agentes da Embrapa promoveram, na última quarta-feira (19), em Brejo Grande, Sergipe, uma reunião para …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!