terça-feira 16 de julho de 2024
Foto: Divulgação/Avibras
Home / DESTAQUE / China pode comprar a metade da Avibras
domingo 23 de junho de 2024 às 15:54h

China pode comprar a metade da Avibras

DESTAQUE, NOTÍCIAS


A Avibras, uma das principais empresas de defesa do Brasil, está passando por uma crise financeira severa que coloca em risco o futuro da tecnologia militar brasileira. A empresa, fundada por engenheiros do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), é reconhecida pelo desenvolvimento do sistema de lançamento de foguetes Astros II, usado por vários países. No meio desta crise, a empresa estatal chinesa Norinco ofereceu comprar 49% das ações da Avibras, o que levanta preocupações sobre a soberania e a continuidade das operações no Brasil. As informações são da Revista Sociedade Militar.

A Norinco, uma gigante da indústria de defesa com uma ampla gama de produtos militares, vê na Avibras uma oportunidade estratégica para expandir sua presença na América Latina. No entanto, essa possível aquisição levanta questões sobre os riscos de transferência de tecnologia e deslocalização da produção para a China, o que poderia comprometer a capacidade do Brasil de desenvolver e produzir sistemas de defesa localmente.

A decisão sobre essa oferta precisa ser analisada cuidadosamente pelo governo brasileiro, pesando os benefícios financeiros e os riscos à autonomia tecnológica e à segurança nacional. Entenda os impactos da proposta da Norinco para adquirir 49% da Avibras, uma das maiores empresas de defesa do Brasil.

Foto: Divulgação/Avibras

A Avibras desempenha um papel vital no desenvolvimento de tecnologias e produtos para a defesa e o setor aeroespacial brasileiro. Um dos seus principais produtos é o Astros II, um lançador múltiplo de foguetes que ganhou destaque internacional desde os anos 80. Este sistema foi inicialmente desenvolvido para atender a uma demanda do Iraque durante a guerra contra o Irã e se tornou um sucesso devido ao seu desempenho em combate.

O Astros II é operado por vários países, incluindo Arábia Saudita, Angola e Iêmen, acumulando uma valiosa experiência real de combate em quatro guerras. Além disso, outros países como Bahrein, Malásia e Indonésia também utilizam este sistema. Ao longo dos anos, a Avibras se concentrou no desenvolvimento de foguetes com maior alcance e precisão, tornando-se uma referência no setor.

Apesar do sucesso técnico e operacional, a Avibras está enfrentando uma grave crise financeira. A diminuição dos contratos governamentais, atrasos nos pagamentos dos clientes e dificuldades na obtenção de financiamentos colocaram a empresa em uma situação crítica, a ponto de atrasar os salários dos funcionários por mais de um ano.

Neste contexto, a proposta da Norinco surge como uma potencial solução. A empresa estatal chinesa, fundada em 1980, é uma gigante da indústria de defesa, com mais de 215.000 funcionários e um faturamento bruto de 82 bilhões de dólares. A Norinco é conhecida por produtos como o Tipo 56, uma variante do fuzil AK47, e o MBT 3000, um veículo blindado de combate com alta mobilidade e poder de fogo.

A proposta da Norinco envolve a compra de 49% das ações da Avibras, mantendo as linhas de produção no Brasil e usando as fábricas como base para a produção, manutenção e venda de equipamentos chineses na América Latina. Se a proposta for sincera, a Avibras poderia continuar suas operações, garantindo a continuidade de uma das mais importantes empresas de defesa do Brasil.

Apesar das vantagens aparentes, é crucial analisar os potenciais riscos dessa aquisição. A Norinco pode estar interessada apenas nos projetos e tecnologias da Avibras, podendo, a longo prazo, desativar as fábricas brasileiras e transferir a produção para a China. Tal movimento poderia comprometer a capacidade do Brasil de produzir localmente sistemas como o Astros II.

No entanto, a proposta também apresenta benefícios significativos. Com o apoio financeiro da Norinco, a Avibras poderia resolver suas dívidas, estimadas em pouco mais de 150 milhões de dólares, e continuar desenvolvendo tecnologias de ponta. Além disso, a parceria poderia fortalecer a base industrial brasileira, ampliando a produção de equipamentos de defesa.

A aquisição de 49% das ações da Avibras pela Norinco é uma questão complexa que envolve considerações estratégicas, financeiras e tecnológicas. A parceria pode representar uma oportunidade de revitalização para a Avibras, garantindo sua continuidade e potencial expansão. No entanto, os riscos de uma possível deslocalização da produção e perda de autonomia tecnológica não podem ser ignorados.

Em última análise, a decisão sobre essa aquisição deve ser cuidadosamente avaliada pelo governo brasileiro, considerando os benefícios a curto e longo prazo para a indústria de defesa nacional. A Avibras, com seu legado de inovação e excelência, merece uma solução que preserve e potencialize suas capacidades, garantindo sua contribuição contínua para a defesa e segurança do Brasil.

Veja também

Alexandre de Moraes retira sigilo de áudio de “Abin paralela” de Bolsonaro; ouça

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (15) a …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!