quinta-feira 30 de maio de 2024
Home / Mundo / MUNDO / Senado dos EUA chega a acordo de última hora e evita paralisação parcial do governo
sábado 23 de março de 2024 às 14:37h

Senado dos EUA chega a acordo de última hora e evita paralisação parcial do governo

MUNDO, NOTÍCIAS


O Congresso dos Estados Unidos aprovou, na manhã deste sábado (23), uma lei orçamentária para fornecer financiamento às agências federais até setembro, e evitar uma paralisação parcial das atividades do governo.

O Senado ultrapassou o prazo estabelecido até meia-noite de sexta-feira, mas depois de chegar a um acordo entre democratas e republicanos, votou a favor do valor de 1,2 trilhão de dólares (cerca de R$ 6 bilhões), depois de a Câmara dos Representantes ter aprovado o plano.

“Não foi fácil, mas esta noite a nossa perseverança valeu a pena (…). É bom para o povo americano que tenhamos chegado a um acordo bipartidário para terminar o trabalho”, declarou o líder da maioria democrata, Chuck Schumer.

 Um ano de caos

Estas manobras de última hora retratam o caos que prevalece no Congresso americano.

Ao longo destes 12 meses, a instituição destituiu um dos líderes das câmaras, não conseguiu chegar a acordo sobre um novo pacote de ajuda à Ucrânia e evitou por pouco a quebra da principal economia mundial.

Em pleno ano eleitoral, este orçamento foi alvo de um longo confronto entre o partido do presidente democrata Joe Biden e os republicanos.

Os negociadores da Casa Branca e do Congresso finalmente chegaram a um acordo sobre um texto, revelado na noite de quarta-feira.

Mas esta proposta foi imediatamente criticada por congressistas simpatizantes do ex-presidente republicano Donald Trump, que enfrentará Biden nas eleições de novembro.

Na manhã de sexta-feira, a votação do orçamento do Estado federal na Câmara dos Representantes também teve sua dose de entusiasmo.

A congressista republicana Marjorie Taylor Greene apresentou uma “moção” para destituir o presidente da Câmara, o republicano Mike Johnson, a quem acusa de “traição ao povo americano”.

O anúncio caiu como uma bomba política em Washington, apesar de Greene não ter definido um calendário para a votação da destituição, que ela descreveu mais como uma “advertência”.

A adoção dos orçamentos gerou enorme tensão nos Estados Unidos.

A lista de possíveis consequências de uma paralisia orçamentária é longa: militares e agentes de segurança de transportes sem salário, parques naturais fechados e ajuda alimentar congelada.

 Nada para a UNRWA

Esta lei prolongará o orçamento dos EUA até o final do ano fiscal, 30 de setembro.

O texto, de 1.012 páginas, contém medidas com forte repercussão no exterior.

O texto proíbe qualquer financiamento direto dos Estados Unidos à agência da ONU para os refugiados palestinos, UNRWA, envolvida em uma controvérsia desde que Israel acusou, em janeiro, 12 de seus 13 mil funcionários de estarem envolvidos no ataque do movimento islamista palestino Hamas, em 7 de outubro, em território israelense.

A medida foi amplamente criticada pela ala esquerda do Partido Democrata. Centenas de milhões de dólares também são atribuídos a Taiwan, mas não desbloqueia nenhum dinheiro para a Ucrânia.

O projeto também contém diversas medidas relacionadas à migração, um tema explosivo em plena campanha presidencial. Prevê, entre outras coisas, a contratação de dezenas de milhares de agentes de fronteira.

Por último, contém uma série de medidas, não necessariamente ligadas ao orçamento, como a proibição das embaixadas dos EUA de hastearem a bandeira do arco-íris da comunidade LGBTQIA+ durante o “Mês do Orgulho”.

Um texto aprovado em 9 de março já permitiu garantir outra parte do orçamento de 2024.

Veja também

João Campos indica a Lula que não escolherá vice do PT

Pré-candidato à reeleição, o prefeito do Recife, João Campos (PSB), indicou ao presidente Lula da …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!
Pular para a barra de ferramentas