domingo 7 de agosto de 2022
Home / NOTÍCIAS / Revisão do Sistema S é ‘decisão definitiva’, diz Carlos Da Costa
sábado 22 de dezembro de 2018 às 10:14h

Revisão do Sistema S é ‘decisão definitiva’, diz Carlos Da Costa

NOTÍCIAS


O futuro secretário-geral de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, disse que a revisão do Sistema S é uma “decisão definitiva” e será “profunda”. Desde que a medida foi anunciada pelo futuro ministro Paulo Guedes, empresários criticaram a proposta e ensaiaram uma reação à ideia.

“É uma decisão definitiva. Vamos rever o papel do Sistema S no país, mas junto com o sistema, não contra ele”, afirmou Carlos Da Costa. Ele fez questão de destacar que o governo Bolsonaro reconhece a importância do sistema para treinamento e qualificação de trabalhadores, mas que ele precisa ser reformulado dentro de uma nova visão de aumentar a produtividade e a competitividade do país.

Segundo ele, o governo Bolsonaro vai discutir conjuntamente com os dirigentes como será feita a revisão. “Mas ela será feita e será profunda, as empresas já fizeram seu ajuste, o governo está fazendo e vai aprofundar o seu, o Sistema S também precisa entrar com sua cota de sacrifício”, afirmou o futuro secretário.

Carlos Da Costa disse que ainda não é possível definir o tamanho desta revisão, ou seja, quanto será retirado de verba do sistema para desonerar a folha de pagamento das empresas. “O ministro Paulo Guedes deu uma referência, de 30% a 50%, a depender do caso, mas isso só será definido depois de uma análise técnica que será feita por nós, ouvindo os dirigentes”, afirmou.

O futuro secretário cita que o Sistema S, financiado com contribuições cobradas sobre a folha de pagamento, tem hoje um orçamento de cerca de R$ 24 bilhões. A ideia do governo é cortar uma boa parte destas contribuições para reduzir o custo das empresas e, com isso, estimular a geração de empregos.

“Será um processo com bastante profundidade, mas vamos preservar aqueles programas que realmente qualificam o trabalhador brasileiro, não queremos tirar dinheiro destes projetos”, afirmou.

Por outro lado, destacou que há casos de federações de empresários que usam mal e de forma indevida os recursos. Isso, afirmou, será atacado. Ele citou “estruturas físicas suntuosas”, que não fazem o menor sentido.

Em relação às reações contrárias de parte do empresariado, Costa repetiu que o objetivo do governo é discutir a revisão “em parceria” com os dirigentes do Sistema S e que eles continuarão à frente dos programas que serão preservados. “Não queremos tirar o protagonismo de quem hoje é responsável por programas eficientes”, acrescentou.

A revisão do Sistema S já foi defendida em outros governos, mas sempre esbarrou na oposição do empresariado que comanda o sistema, formado por nove instituições que desenvolvem programas de treinamento e qualificação de mão-de-obra, entre outros serviços. Entre elas, Sesi e Senai, da indústria, Sesc e Senac, do comércio, Sebrae, de micro e pequenas empresas, e Sest e Senat, dos transportes.

Especialistas criticam que, em vários casos, a verba é utilizada com fins políticos, ajudando nas campanhas de empresários que decidem disputar eleições. E, também, para que dirigentes se perpetuem em seus cargos nas entidades empresariais.

Veja também

Maíza Leão torna-se oficialmente candidata a deputada estadual

Maiza Leão foi oficializada como candidata a deputada estadual na convenção do Partido Progressista que …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!