terça-feira 16 de julho de 2024
Eleições municipais de 2024: prefeitos registram melhora de avaliação frente a 2020 — Foto: Andre Mello
Home / ELEIÇÕES 2024 / Pesquisas eleitorais batem recorde, e alta no financiamento pelos próprios institutos acende alertas no TSE e no Congresso
quarta-feira 8 de maio de 2024 às 14:00h

Pesquisas eleitorais batem recorde, e alta no financiamento pelos próprios institutos acende alertas no TSE e no Congresso

ELEIÇÕES 2024, JUSTIÇA, NOTÍCIAS


A cinco meses das eleições municipais, o número de pesquisas eleitorais registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) neste ano é o maior da série histórica da Corte, iniciada em 2012. De janeiro a abril, foram 1.127 levantamentos, quatro vezes mais do que no último pleito para prefeito e vereador, em 2020, quando houve 296 no mesmo período.

Segundo reportagem de Daniel Gullino e Eduardo Gonçalves, do O Globo, esses dados mostram que quase metade, 500 (44,4%), foram autofinanciadas — ou seja, pagas pela mesma empresa que realizou a sondagem. Nesse formato, ao informarem que realizaram o levantamento com verba própria, os responsáveis não precisam prestar contas sobre a origem do dinheiro, o que acende o alerta em entidades e gera debate no Congresso.

Os números da Corte Eleitoral mostram que essa modalidade já havia sido maioria em 2020, respondendo por 74% dos levantamentos, mas caiu na eleição seguinte, de 2022 (36%). Na ocasião, a Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep) chegou a pedir uma investigação sobre a proliferação de CNPJs que registravam pesquisas eleitorais bancadas pela própria empresa.

Comparativo sobre número de pesquisas realizadas neste ano até abril — Foto: Editoria de arte
Comparativo sobre número de pesquisas realizadas neste ano até abril — Foto: Editoria de arte
 — Empresas de pesquisa não são atividades beneficentes. Se surgem empresas que se dedicam a uma prática reincidente de levantamentos feitos com recursos próprios, isso pode ser um indicativo de que está acontecendo um financiamento implícito, que não aparece — afirmou o presidente do Conselho de Opinião Pública da Abep, João Meira, que também é diretor e fundador do Vox Populi.

Projeto no Senado

A proibição de pesquisas autofinanciadas é um dos pontos do projeto que trata do Código Eleitoral, já aprovado na Câmara dos Deputados, mas ainda sem consenso no Senado. O relator, senador Marcelo Castro (MDB-PI), defende acabar com essa modalidade.

— O que um instituto ganha em fazer a pesquisa de um candidato? É como se fosse uma loja que não vende as suas mercadorias. Isso serve para esconder quem o contratou, geralmente com dinheiro vivo — disse Marcelo Castro.

Em fevereiro, o TSE aprovou uma resolução para dar mais transparência às pesquisas autofinanciadas. Neste ano, as empresas são obrigadas a mandar à Corte o Demonstrativo de Resultado de Exercício (DRE) do ano anterior para comprovar que tem capacidade financeira para custear os seus próprios levantamentos.

Especialistas em eleições e representantes de empresas do setor também atribuem a alta à popularização dos métodos de coletas de dados. Se antes os levantamentos eram feitos pessoalmente, hoje, com processos automatizados, é possível enviar uma série de perguntas somente com uma base de e-mails ou telefones.

Maurício Moura, presidente do Instituto Big Data, avalia que a proliferação dos institutos de pesquisas permite que os levantamentos não fiquem restritos aos grandes centros urbanos.

— O mercado começa dialogar com mercados com mais oferta e competição como Europa, México e Estados Unidos. Nesses países o grau de especialização local e regional explica a maior oferta de institutos. Isso vem acontecendo no país. Estamos saindo de um regime duopolista e ampliando oferta de institutos — afirmou Moura.

Pesquisas contratadas

Parte dos levantamentos é contratada pelos próprios partidos políticos, que testam o potencial eleitoral de seus quadros antes de oficializar as candidaturas. A sigla que mais gastou até agora com pesquisas foi o PL, do ex-presidente Jair Bolsonaro, que investiu R$ 199 mil em municípios nos quais pretende disputar a prefeitura. A legenda, por exemplo, contratou dois levantamentos, em Santos (SP) e em Londrina (PR), cada um por R$ 40 mil.

Na cidade do litoral paulista, a legenda avalia lançar a deputada federal Rosana Valle. Já na cidade do norte paranaense, ainda não há consenso se o nome da urna será o do deputado Filipe Barros ou o do presidente da Companhia de Habitação (Cohab), Bruno Ubiratan.

A segunda legenda que mais gastou com pesquisas foi o PSD, 18 ao todo, apenas em cidades do interior do Piauí. O custo total foi de R$ 66,5 mil — cada levantamento variou entre R$ 3,5 mil a R$ 5,5 mil — financiados por meio do Fundo Partidário da sigla comandada por Gilberto Kassab. O Republicanos piauiense também contratou quatro pesquisas, três delas na capital, Teresina, gastando ao todo R$ 34 mil. Já o PT, partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, registrou apenas uma sondagem, em São João do Arraial, também no interior do Piauí.

O estado que mais teve pesquisas registradas, contudo, foi Goiás, com 157 levantamentos até o momento. A de maior valor foi contratada pelo PL, que vive um racha na definição de quem será candidato na capital, Goiânia. O partido gastou R$ 34 mil para checar a viabilidade do deputado Gustavo Gayer (PL-GO), que já se lançou como pré-candidato, mas enfrenta resistências internas.

Para o cientista político Carlos Pereira, da Fundação Getulio Vargas (FGV), com a polarização eleitoral das últimas disputas, houve uma corrida para que os candidatos testem quais são suas chances.

— A pesquisa não determina o voto do eleitor, mas influencia principalmente na sua decisão de votar de acordo com suas convicções políticas e ideológicas (voto sincero) ou estrategicamente (voto útil) — afirmou.

Há ainda uma percepção de que os pré-candidatos precisam gerar constantemente conteúdo para as suas redes sociais — e uma pesquisa favorável serve de material para ele divulgar ao seu eleitor.

— Uma parte da luta política hoje é feita por meio de convencimento da opinião pública. Isso é uma consequência das redes sociais e da ampliação da circulação dessas informações e da maneira como elas impactam o debate político — afirmou Rafael Cortez, do Instituto de Direito Público (IDP).

Veja também

Após atentado patrimônio de Donald Trump cresce 22% e vai a R$ 6,5 bilhões

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, viu seu patrimônio crescer significativamente na segunda-feira, 15, dias …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!