segunda-feira 17 de junho de 2024
Foto: Freepik
Home / Mundo / MUNDO / Ouro: para onde ele deve ir este ano
sábado 20 de abril de 2024 às 18:07h

Ouro: para onde ele deve ir este ano

MUNDO, NOTÍCIAS


Os movimentos do preço do ouro sempre foram objeto de fascínio e curiosidade dos investidores. Tema que ganha intensidade em momentos como o atual — a alta vem desde outubro de 2023 e atingiu um pico na série histórica. Para entender essa dinâmica, e prever seu futuro (as perspectivas para 2024), é preciso entender seu passado (o padrão ouro, o padrão ouro-dólar) e seu presente (os determinantes do preço do metal). Em termos históricos, diversos países do mundo em diferentes períodos, adotaram o padrão ouro, em que a moeda era igual a ouro. Era um sistema de câmbio fixo, no qual o valor das moedas nacionais era fixo em relação a uma quantidade específica de ouro. Os governos precisavam manter reservas em ouro suficientes para atender à demanda por conversões. Em termos de comércio internacional, um país com déficit comercial teria um escoamento de ouro, resultando na contração da oferta monetária, o que levava à deflação e igualmente ao aumento da competitividade das exportações, corrigindo assim o déficit. Os países que tinham déficits comerciais eram forçados a enviar ouro para os países superavitários.

Nos Estados Unidos, o padrão ouro foi restaurado em 1920 e estava ativo na crise de 29. Naquele ano, o déficit comercial americano exigiu que houvesse envio de ouro, o que significou consequentemente na queda da oferta da moeda e alta de juros. No mecanismo automático de ajuste do padrão ouro, a redução da oferta monetária durante um período de deflação deveria ter ajudado a estabilizar a economia. Mas na prática isso não aconteceu. À medida que os bancos entraram em colapso e as corridas bancárias começaram, o público começou a trocar moeda por ouro, esgotando as reservas de ouro e contraindo com mais força a oferta monetária. Isso levou a uma deflação ainda mais severa, diminuindo os preços e aumentando o peso real das dívidas, exacerbando os problemas econômicos. Os Estados Unidos saíram de tal sistema em 1933 e passaram a adotar o padrão ouro-dólar — formalizado em Bretton Wood, em 1944.

Neste sistema, as moedas dos países participantes (quase meia centena) eram atreladas ao dólar americano, que por sua vez era conversível em ouro a uma taxa fixa, estabelecida em US$ 35 por onça de ouro. As outras moedas eram fixadas ao dólar em taxas de câmbio estáveis, que podiam ser ajustadas apenas com a aprovação do Fundo Monetário Internacional (FMI), criado na ocasião. Com isso, o dólar americano tornou-se a principal moeda de reserva do mundo e a unidade padrão para o comércio internacional. O sistema buscava oferecer estabilidade monetária e impedir desvalorizações competitivas.

O padrão ouro-dólar funcionou como a base do sistema financeiro internacional até o início dos anos 1970. Ao longo das décadas de 1950 e 1960 já começaram a surgir problemas. O déficit do balanço de pagamentos dos Estados Unidos (e a impossibilidade de desvalorizar o dólar) exigiu que o país imprimisse moeda para financiar tal déficit. Isso levantou preocupações entre os detentores de dólares fora dos Estados Unidos quanto à capacidade do governo americano de manter a paridade fixa do ouro. O sistema finalmente entrou em colapso em 1971, quando o presidente Richard Nixon anunciou que os Estados Unidos não mais converteriam dólares em ouro a uma taxa fixa, dando início à era das taxas de câmbio flutuantes que conhecemos hoje.

O ouro enquanto ativo é considerado um ‘safe haven asset’. Em tempos de crises financeiras e inflação alta as pessoas compram ouro e dólar. Ou seja, nesses episódios, o preço do ouro aumenta sobretudo devido à maior demanda pelo ativo. Em geral, o ouro é referenciado em dólar. Assim, sempre que o dólar sobe o preço do ouro (em dólar) cai (e vice-versa).

A alta recorde do ouro desde outubro passado é devida a três fatores.

• O primeiro deles deve-se ao fato de os países estarem trocando suas reservas em dólar por ouro devido à piora quanto aos rumos futuros da política fiscal americana.
• O segundo está relacionado à guerra no Oriente Médio.
• O terceiro aspecto relevante é a queda do dólar devido às expectativas do mercado de que o Federal Reserve deva baixar a taxa de juros ainda este ano.

Em parte, porque esperamos a prevalência destes fatores até o final deste ano, apostamos na continuidade da alta do metal.

Veja também

Soldados russos continuam matando ao voltar da Ucrânia

Muitos militares que retornam do front apresentam sinais de estresse pós-traumático. Problema pode impactar sociedade …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!