domingo 23 de junho de 2024
Home / EDUCAÇÃO / Número de jovens que não trabalham nem estudam aumentou 35% em um ano, mostra pesquisa
terça-feira 28 de maio de 2024 às 18:57h

Número de jovens que não trabalham nem estudam aumentou 35% em um ano, mostra pesquisa

EDUCAÇÃO, NOTÍCIAS


O número de jovens que não trabalham, não estudam e nem procuram emprego aumentou 35% em um ano, segundo uma pesquisa divulgada nesta terça-feira (28) pelo CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) e pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

O levantamento, baseado em dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), revelou que a população de 14 e 24 anos que se enquadra nessa estatística passou de 4 milhões no primeiro trimestre de 2023 para 5,4 milhões no mesmo período de 2024, representando 17% do total de jovens no Brasil.

Impacto social

Gisele Matos Teixeira, de 19 anos, é um exemplo vivo desses dados. Após concluir o Ensino Médio em 2023, ela deixou de estudar e trabalhar para cuidar de sua mãe e irmão, ambos diagnosticados com esquizofrenia.

“Parei um ano de estudar para me dedicar à minha família, o que é a realidade de muitos”, afirmou Gisele.

Apesar dos desafios, ela não desistiu de seu sonho de cursar direito. “A esperança que eu tenho é ajudar outras pessoas. Não vou desistir desse sonho, não é porque tenho uma dificuldade na minha vida que vou parar por causa disso”, disse a jovem.

Desafios e esperança

A pesquisa também destacou que os grupos mais afetados são os pobres, negros e mulheres. Paula Montagner, subsecretária de estatísticas e estudos do Ministério do Trabalho e Emprego, disse que há uma necessidade de fornecer ferramentas adequadas para esses jovens ingressarem no mercado de trabalho.

“A maioria dos jovens concluiu o Ensino Médio. O que precisamos é dar ferramentas para o mundo do trabalho, que vêm do ensino técnico e podem eventualmente se transformar em um caminho para o ensino superior”, explicou Montagner.

Desigualdade de gênero

As mulheres enfrentam dificuldades adicionais, segundo o levantamento: muitas assumem tarefas domésticas e cuidados familiares, que não são remunerados, liberando outros membros da família para buscar emprego.

Este cenário contribui para perpetuar a desigualdade de gênero no mercado de trabalho.

Caminhos para o futuro

Para reverter a alta de jovens “nem-nem”, é crucial investir em educação técnica e superior, promover políticas inclusivas de emprego e apoiar iniciativas que valorizem o trabalho não remunerado, apontam os estudos do CIEE.

Além disso, é fundamental oferecer orientação e suporte para que jovens possam equilibrar responsabilidades familiares com oportunidades de estudo e trabalho.

Veja também

Alckmin comemora dados de produção agroindustrial em abril

O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) comemorou neste último sábado (22) dados divulgados pelo Centro de …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!