quarta-feira 29 de junho de 2022
Home / DESTAQUE / Nova pesquisa Exame/Ideia mostra avanço de Lula e Bolsonaro
sexta-feira 22 de abril de 2022 às 05:59h

Nova pesquisa Exame/Ideia mostra avanço de Lula e Bolsonaro

DESTAQUE, NOTÍCIAS, POLÍTICA


Uma nova pesquisa do instituto Ideia, em parceria com a revista Exame, derruba a narrativa de que o ex-presidente Lula estaria perdendo votos.

Lula ganhou dois pontos, consolidando-se como líder, com até 43%, 9 pontos à frente de Bolsonaro. A sondagem traz dois cenários, cenário 1 com João Dória, cenário 2 com Eduardo Leite.

Lula tem 42% a 43%, Bolsonaro, de 33% a 34%.

Ciro Gomes fica em terceiro lugar, com 10% em ambos os cenários.

Em princípio, não se deve comparar com a pesquisa anterior, por que os candidatos mudaram (saiu Moro). Mas, de maneira informal, não machuca ninguém, então fizemos um gráfico.

Além disso, fizemos um gráfico com a evolucão dos números da pesquisa espontânea: essa é perfeitamente comparável!

Análise

A pesquisa é boa para Lula, que é líder e continua crescendo. Esses números ajudam a neutralizar um jogo de pressão, por parte de setores da imprensa corporativa. Tenta-se emplacar a narrativa de que a campanha do ex-presidente Lula estaria passando por enormes dificuldades, e que a razão seria a falta de concessões mais claras a setores liberais da economia e conservadores da política.

É boa também para Bolsonaro, que herdou a maior parte dos votos de Moro, e consolida sua vaga no segundo turno.

O gráfico com três momentos – janeiro de 2021, março de 2022 e abril de 202 – põe em relevo a mudança profunda no cenário eleitoral produzida pela anulação dos processos judiciais contra Lula.

O petista tinha 17% em janeiro de 2021. Um ano depois, ele já pontuava 40%, e hoje tem 42%.

Bolsonaro, por sua vez, tinha 36% em janeiro de 2021, e hoje tem 33%.

Ciro Gomes vem minguando: tinha 11% em janeiro de 2021, hoje tem 10%.

Ciro se distancia de Bolsonaro e, portanto, de um lugar no segundo turno. Em março, Ciro estava 20 pontos atrás de Bolsonaro. Hoje está 23 pontos atrás.

O comparativo da espontânea também mostra a evolução impressionante de Lula: o petista tinha 19% dos votos espontâneos em maio de 2021, e veio crescendo a cada pesquisa, atingindo 36% na pesquisa divulgada hoje.

Bolsonaro também cresceu na espontânea: tinha 17% em maio de 2021, e hoje tem 28%.

Ciro, por outro lado, chegou a pontuar 6% na espontânea, na pesquisa de junho, e hoje caiu para 4%.

Segundo Turno

Lula mantém uma vantagem relativamente confortável sobre seus principais adversários, em cenários de segundo turno.

Num embate contra Bolsonaro, o petista venceria com vantagem de 9 pontos: 48% X 39%. Num eventual cenário em que Lula enfrentasse Ciro Gomes no segundo turno, o petista ganharia com 13 pontos de vantagem: 45% X 32%.

O petista venceria Doria com 24 pontos de diferença.

Rejeição

Esses números falam por si. Quase 60% dos brasileiros acham que Bolsonaro não merece ser eleito. Por outro lado, 40% acham que sim, que ele merece…

Trata-se de uma pesquisa realizada entre os dias 15 e 20 de abril, com 1.500 entrevistas por telefone. Em geral, Lula tem desempenho pior nas pesquisas telefônicas, supostamente porque elas tem mais dificuldade para captar votos de eleitores de baixa renda.

Segundo o TSE, a pesquisa custou R$ 27,9 mil e foi paga pela revista Exame.

Conclusão

É mais uma pesquisa a enterrar os sonhos vãos da terceira via, que exibe dois problemas mortais.

Primeiro, ela é dividida fatalmente em dois pólos ideológicos incomunicáveis.

De um lado, temos a candidatura de Ciro Gomes, com 10%, com baixíssima perspectiva de receber apoio das duas únicas grandes legendas “solteiras”, União Brasil e PSD.

Mesmo se o PDT conseguisse, por um milagre, o apoio dessas legendas, isso ainda estaria distante de se converter em votos, visto que os eleitores dessas agremiações não são orgânicos, ou seja, não votam no candidato do “partido”, e sim em candidatos com os quais eles tem algum tipo de afinidade.

Sem uma candidatura mais orgânica ou coerente com sua imagem, o eleitorado dessas legendas conservadoras tenderia a se dividir entre Bolsonaro (no caso do Sudeste e da classe média) e Lula (Nordeste e famílias de baixa renda).

O segundo problema, mais grave, é a falta de votos. Mesmo se houvesse um acordo entre todos os candidatos da terceira via, incluindo Ciro, a soma de seus votos daria 19%, muito distante dos 65% dos votos somados de Lula e Bolsonaro.

Abaixo, os gráficos dos cenários 1 e 2.

Veja também

PT da Bahia informa que policiais farão de forma voluntária a segurança de Lula no 2 de julho

Com a confirmação de que Lula estará nas comemorações do 2 de Julho em Salvador, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!