domingo 23 de junho de 2024
Foto: Steve Buissinne/Pixabay
Home / NOTÍCIAS / Mercado volta a elevar estimativa para a inflação, mostra Focus
terça-feira 28 de maio de 2024 às 14:01h

Mercado volta a elevar estimativa para a inflação, mostra Focus

NOTÍCIAS


As projeções do mercado financeiro para a inflação no Brasil voltaram a registrar piora, aumentando a pressão sobre o Banco Central. Divulgada nesta última segunda-feira (27) a nova edição do boletim Focus (uma compilação semanal de estimativas feita pelo próprio BC) indica que a mediana para o IPCA em 2024 passou de 3,80% para 3,86%, enquanto a de 2025 foi de 3,74% para 3,75%, dando continuidade ao movimento observado nas últimas semanas. Já a projeção para 2026 avançou de 3,50% para 3,58%, depois de ficar estável nas últimas 46 semanas.

Um aumento das estimativas de inflação de longo prazo já era esperado por analistas do mercado. Segundo eles, a incerteza sobre o comportamento do BC a partir de 2025 – quando o atual presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, será substituído por um indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva – pesa no movimento.

Essa incerteza cresceu desde a última decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que terminou com um corte de 0,25 ponto porcentual da Selic, para 10,5% ao ano. Dos nove integrantes do colegiado, quatro – todos já indicados por Lula, crítico do atual patamar de juros, que considera altos – defenderam uma redução maior, de 0,5 ponto porcentual. A explicação desses diretores é de que haveria prejuízo para a imagem do BC se ele abandonasse o “guidance” (sinalização) dado anteriormente de novo corte de 0,5 ponto.

Declarações do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na semana passada também podem ter pesado no movimento. Em uma audiência na Câmara, ele disse que o centro da meta de inflação, de 3%, é “exigentíssimo para as condições do Brasil”. O comentário renovou a percepção de que o governo ainda pode, eventualmente, aumentar a meta de inflação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Já a mediana das estimativas no relatório Focus para a taxa Selic no fim de 2024 ficou estável em 10%, depois de três semanas de alta. Um mês atrás, estava em 9,5%. A projeção para o fim de 2025 também foi mantida, em 9% – estável há cinco semanas.

‘Serenidade’

Ontem, ao participar de evento em São Paulo, Campos Neto falou em “serenidade” ao mencionar a piora de expectativas do mercado nas últimas semanas. “Temos de manter a serenidade e endereçar o que causou a piora das expectativas”, disse ele.

O presidente do BC voltou a dizer que essa piora reflete o cenário fiscal no País, a indefinição sobre os juros nos Estados Unidos e também os efeitos da tragédia climática no Rio Grande do Sul na economia nacional. Ressaltou ainda que, apesar dos temores de analistas depois da reunião passada do Copom, todas as decisões têm base técnica.

“O tempo vai fazer com que pessoas entendam que as decisões do BC são técnicas. Ao longo do tempo, o mercado entenderá que a reunião do Copom foi técnica e que a dúvida foi sobre o custo de não cumprir o ‘forward guidance’, que é um critério técnico”, disse Campos Neto.

Próximo Copom

Depois da falta de consenso em maio, economistas do mercado financeiro esperam unanimidade na próxima reunião do Copom, em junho. Um levantamento do Projeções Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) mostra que essa é a visão de nove de 14 instituições participantes (64%) da pesquisa.

Para os economistas ouvidos, a volta da unanimidade na próxima decisão do Copom serviria como um instrumento para a retomada da credibilidade da comunicação do BC. “Os membros do Copom vão precisar reconquistar a confiança de alguns agentes do mercado”, resume o economista Bruno Imaizumi, da LCA Consultores.

A LCA prevê que os nove membros do comitê optem por um corte de 0,25 ponto porcentual da Selic em junho e que defendam a estabilidade da taxa, em 10,25%, nas reuniões seguintes. Imaizumi relembra que, sob a gestão de Campos Neto, apenas três de 42 decisões registraram alguma divergência.

O cenário para a reunião de junho é compartilhado pelo economista-chefe da Análise Econômica, André Galhardo. Ele espera, no entanto, que os membros decidam unanimemente por ainda mais dois cortes de 0,25 ponto até dezembro, levando a Selic a 9,75%. “Sem ‘guidance’, o grupo dissidente parece caminhar em torno do grupo majoritário que havia votado pelo corte de 0,25 ponto”, afirma o economista.

Já a economista-chefe da CM Capital, Carla Argenta, também prevê consenso na decisão de junho, mas avalia que os membros já devem optar por estabilidade da taxa, em 10,50%. Ela ressalta que, apesar da decisão dividida em maio, a ata da reunião mostrou um comitê coeso na análise do cenário econômico.

Carla chama atenção para a importância dada pelo documento e por declarações recentes de membros do Copom para a necessidade de ancoragem (volta para as metas) das expectativas. “Se um dos motivos fundamentais para essa desancoragem é a desconfiança sobre uma eventual intervenção ou uma conduta mais frouxa da política monetária por parte dos membros novos (do Copom), e a instituição está mencionando que vai buscar a ancoragem das expectativas, isso é uma sinalização clara de que vão optar por buscar isso, inclusive, mostrando uma instituição bem mais coesa.”

Pelo texto da ata, existiria um entendimento no Copom em torno de uma política monetária “mais contracionista, mais cautelosa e sem indicações sobre os próximos passos”.

Veja também

Alckmin comemora dados de produção agroindustrial em abril

O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) comemorou neste último sábado (22) dados divulgados pelo Centro de …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!