segunda-feira 15 de julho de 2024
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em reunião no Palácio do Planalto para anunciar medidas par acelerar vendas do setor automotivo no país - Foto: Ueslei Marcelino - 25.mai.23/Reuters
Home / DESTAQUE / Lula, o PT e aliados ficam preocupados com a multidão reunida por Bolsonaro
terça-feira 27 de fevereiro de 2024 às 16:47h

Lula, o PT e aliados ficam preocupados com a multidão reunida por Bolsonaro

DESTAQUE, NOTÍCIAS, POLÍTICA


Segundo artigo de José Casado, da Veja, o presidente Lula da Silva, o PT e aliados começaram a semana exalando surpresa com a multidão reunida em torno de Jair Bolsonaro (PL) na tarde do último domingo (25) no meio da avenida Paulista.

Eles têm bons motivos para preocupação, e Bolsonaro é o menor deles, porque já é um fato consumado na política. Está inelegível até 2030 e sem perspectiva de poder, um pecado mortal na política.

Bolsonaro jogou a toalha na avenida: “Pedimos a todos os 513 deputados e 81 senadores, um projeto de anistia para que seja feita justiça em nosso Brasil” — rogou, perfilando-se de acordo com o colunista aos “pobres coitados”, como qualificou os seguidores já condenados nos processos da insurreição de 8 de janeiro.

A fotografia da multidão em amarelo sob o sol na Paulista funcionou como um bálsamo na prisão emocional que admitiu estar vivendo. Foi um evento fugaz, que nada mudou para o protagonista, nem sinalizou mudança no horizonte.

A Bolsonaro resta vaga esperança na ampliação da bancada bolsonarista no Senado em 2026 para batalhar por eventual anistia, ou, simplesmente, a crença em algo abstrato, a fé: “O futuro a Deus pertence”, lembrou no comício.

Lula, PT e aliados, no entanto, mostraram-se surpreendidos com a multidão reunida. Evitam admitir em público, mas na Paulista confirmou-se um fato: a esquerda perdeu o monopólio das ruas e não consegue resgatá-lo, apesar da vitória nas urnas (a quinta em nove eleições presidenciais em três décadas) e das alegorias políticas que ornamentam o terceiro governo Lula.

O efeito disso para o PT e partidos satélites será mensurável nas urnas dentro de sete meses, nas eleições municipais. Lula continua animando o auditório da esquerda, mas se dedica a abrir uma trilha alternativa com partidos da direita, em cima de acordos como o da semana passada para liberação de 14,5 bilhões em verbas orçamentárias até agosto, com impacto previsível nas campanhas de candidatos a prefeito e vereador.

À margem do alarido dos discursos, muitas vezes atropelando a realidade, a própria biografia e a História, ele se mostra empenhado em construir uma ponte para o futuro do lulismo à direita — sem Bolsonaro no horizonte.

Veja também

Moema Gramacho é precursora: ‘Cavalos nas ruas de Lauro de Freitas é uma extensão da SESP para podar grama’

No podcast InOff nesta semana, o apresentador Matheus Morais e pré-candidato a vereador de Lauro …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!