segunda-feira 15 de agosto de 2022
Home / DESTAQUE / Lula lança ofensiva para tentar atrair empresariado, ainda firme com Bolsonaro
sexta-feira 5 de agosto de 2022 às 07:23h

Lula lança ofensiva para tentar atrair empresariado, ainda firme com Bolsonaro

DESTAQUE, NOTÍCIAS, POLÍTICA


Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pode liderara algumas pesquisas a corrida ao Palácio do Planalto na grande maioria dos segmentos do eleitorado, mas em um deles está em franca desvantagem em relação a Jair Bolsonaro (PL): entre os empresários, o presidente alcança 55% das intenções de voto contra 26% do petista, de acordo com a pesquisa Datafolha de julho. É a maior diferença a favor do capitão, quase o triplo da margem que consegue com evangélicos (43% a 33%). Uma série de razões explica a preferência de grande parte do PIB pelo projeto de reeleição. Apesar da atual crise econômica e do fato de boa parte da agenda liberal prometida por Bolsonaro não ter saído do papel, algumas medidas tomadas nos últimos anos agradaram à classe empresarial, como a reforma da Previdência, a autonomia do Banco Central e o marco legal do saneamento, além da venda da Eletrobras e da concessão de serviços essenciais de infraestrutura. Do outro lado, em discursos e entrevistas, volta e meia Lula deixa o mercado de cabelo em pé defendendo medidas como rever privatizações, acabar com o teto de gastos e revogar as reformas aprovadas no ciclo pós-PT.

A DÚVIDA - O petista fala na Confederação Nacional do Transporte: receio de que ele repita os erros de Dilma Rousseff -
A DÚVIDA - O petista fala na Confederação Nacional do Transporte: receio de que ele repita os erros de Dilma Rousseff – Ricardo Stuckert/.

Na atual fase da campanha, no entanto, a fim de tentar equilibrar o apoio entre o empresariado (um segmento com poder de influência inversamente proporcional ao seu tamanho no bolo do eleitorado), o ex-presidente vem dando sinais de que vai investir pesado no pragmatismo — aliás, uma das marcas registradas de sua trajetória política. Enquanto o candidato radicaliza no palanque para agradar aos tradicionais apoiadores do PT, a campanha coloca em curso o plano para reverter a desvantagem junto ao PIB em encontros reservados. Uma das prioridades dessa agenda são eventos com os pesos-pesados do setor financeiro e do empresariado, no circuito que vai da Avenida Paulista à Faria Lima. Nos últimos meses, Lula esteve com banqueiros como Pedro Moreira Salles (Itaú), Luiz Carlos Trabuco (Bradesco), Sergio Rial (Santander) e Guilherme Benchimol (XP Investimentos), e empresários como Luiza Trajano (Magazine Luiza), Beto Sicupira (3G Capital) e Pedro Passos (Natura). Na maior parte dessas ocasiões, o ex-presidente é acompanhado pelo vice, o ex-tucano Geraldo Alckmin, o ex-prefeito Fernando Haddad, o economista e ex-banqueiro Gabriel Galípolo, o deputado Alexandre Padilha (SP) e Aloizio Mercadante, presidente da Fundação Perseu Abramo e coordenador do plano de governo.

Nos encontros, o petit comité de Lula tenta dissipar os temores que povoam o mercado. Um deles é sobre o futuro do teto de gastos e as dúvidas sobre qual seria a política fiscal em um novo governo petista. As piores lembranças remetem ao governo Dilma Rousseff. O pacote de respostas inclui dizer que Lula sempre teve responsabilidade fiscal no governo e que foi Bolsonaro quem desmoralizou o teto de gastos. Os integrantes da campanha dizem, ainda, que haverá algum tipo de âncora, mas que é impossível apresentar algo mais delineado agora. “O tamanho das irresponsabilidades com a economia do país é tão imprevisível até o fim do ano que é impossível detalhar uma nova regra fiscal antes disso”, diz Padilha. O deputado afirma que, diante dos efeitos da pandemia, com a volta da fome e a defasagem nos investimentos em educação e meio ambiente, os petistas têm externado a ideia de antecipar para 2023 a revisão da lei do teto de gastos, prevista para 2026.

arte empresários

Nas conversas reservadas há também uma boa dose de recuos em relação à pregação pública do início da pré-campanha. Sai a “revogação” da reforma trabalhista, entra a “revisão” pontual. Também fica claro que será mantida a independência do Banco Central. Segundo um empresário presente a um encontro com Haddad e Galípolo em julho, os lulistas indicam ainda que a privatização da Eletrobras não deve ser revertida, que o BNDES deve retomar o protagonismo de outros tempos e que não se descarta aumentar a carga tributária para alguns setores, o que não chega a causar discordâncias.

Outros dois pontos têm despertado o interesse da elite empresarial. Um deles é saber qual será o espírito de Lula em caso de vitória. Muitos se mostravam ressabiados com um eventual sentimento de “revanche” — percepção que Lula faz questão de dissipar prometendo “paz e amor”. Naturalmente, as conversas incluem sondagens sobre quem vai conduzir a Economia. A inclinação de Lula de colocar um político à frente da pasta tem sido bem recebida. Muitos dizem que um dos principais problemas de Paulo Guedes é exatamente a falta de traquejo político, que inviabilizou a condução de pautas importantes do atual governo. Para o posto em eventual vitória petista, já foram especulados Haddad e Padilha. Mais recentemente, um outro “ministeriável” entrou com força para essa lista: Geraldo Alckmin. “Se Lula anunciar o nome dele (Alckmin) para a Economia, o dólar cai na hora”, afirma um representante graúdo do PIB.

O PREFERIDO - Jair Bolsonaro na CNI: ele conta com forte apoio de donos de pequenos e médios negócios -
O PREFERIDO – Jair Bolsonaro na CNI: ele conta com forte apoio de donos de pequenos e médios negócios – Alan Santos/PR

Essa percepção não ocorre por acaso. A possível escolha do ex-tucano para esse posto seria um tremendo passo adiante dentro da mesma lógica que o colocou na chapa presidencial petista. “Essa era uma aliança improvável, imprescindível e complementar”, defende Mercadante. De posições moderadas e traquejo político nas negociações, Alckmin foi escolhido para aproximar a campanha do centro e, desde então, tem se dedicado com afinco a essa missão. Botou o pé na estrada com Lula e vem articulando encontros importantes com empresários e gente do mercado. A sua atuação é exaltada especialmente em relação ao agronegócio, outra frente da articulação de Lula junto aos donos do capital. Um aliado do ex-presidente conta que chamou a atenção no entorno do petista a presença da presidente da centenária Sociedade Rural Brasileira, Teresa Vendramini, em um jantar do ex-­presidente e seu vice com empresários em São Paulo, em junho.

Há algumas semanas, Alckmin ligou para Marconi Perillo (PSDB), um antigo aliado, para tentar abrir a Lula o seu palanque de candidato ao governo de Goiás. O petista já cravou a sua estrela em Mato Grosso, onde costurou aliança com nomes do agronegócio como Blairo Maggi, Carlos Augustin e o senador Carlos Fávaro, ex-presidente da associação de produtores de soja local. Lula vai apoiar ao Senado Neri Geller (PP), ex-ministro da Agricultura de Dilma e relator de leis que flexibilizam o licenciamento ambiental. “Eles estão nos ouvindo, isso me deixa motivado”, afirma Geller.

Enquanto Lula tenta avançar sobre o empresariado, Bolsonaro parece empenhado em afastar esse apoio (apesar de todos os apelos de sua tropa mais equilibrada). Na quarta-feira 3, cancelou a ida a um encontro na Fiesp e a um jantar com empresários do grupo Esfera Brasil previsto para 11 de agosto, a mesma data em que haverá o lançamento de uma carta em defesa da democracia, com o apoio de banqueiros, intelectuais e gente da sociedade civil. O manifesto foi articulado após ataques tresloucados de Bolsonaro ao sistema eleitoral, algo que lhe tira mais votos do que traz. Um dos articuladores do documento, aliás, é o presidente da Fiesp, Josué Gomes, filho de José Alencar, empresário que foi vice de Lula.

MINISTERIÁVEL - Alckmin: o ex-tucano virou opção para comandar a Economia -
MINISTERIÁVEL - Alckmin: o ex-tucano virou opção para comandar a Economia – Andre Borges/NurPhoto/Getty Images

Tem um pedaço dessa turma, porém, que nem com essas patacoadas se afasta dele. A parcela do mercado que permanece fiel a Bolsonaro é formada por donos de pequenos negócios, que perderam renda à época da pandemia e se identificam com a narrativa de que a política do “fique em casa” prejudicou o Brasil. Outro ponto a favor da sedimentação desse eleitorado foi a atuação do seu governo em prol de empresários pequenos e médios. “Sobretudo com a desintermediação bancária, que cortou custos, e a MP da liberdade econômica”, cita o empresário bolsonarista Otávio Fakhoury, presidente do PTB-SP.

Como mostram todas as pesquisas de opinião, é evidente que a economia terá um peso decisivo no resultado da eleição. Na entrevista que deu recentemente ao programa Amarelas On Air, de VEJA, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, reforçou essa confiança. “As pessoas vão votar com a razão — não com raiva e emoção”, disse. Dentro desse raciocínio, o governo aposta que a melhora de indicadores como PIB, inflação e desemprego pode aumentar ainda mais o apoio do setor produtivo (e também da população). Além disso, o discurso liberal e iniciativas para quebrar monopólios encontram ótima ressonância entre empresários e pequenos empreendedores. “Essas medidas empoderam a iniciativa privada e tornam a predileção por Bolsonaro e Guedes algo natural”, pontua André Perfeito, economista-chefe da corretora Necton.

Pesa ainda a aversão histórica ao petismo, que atinge diretamente Lula. O início da relação dele com o empresariado foi bastante tumultuado. Em 1989, ficou célebre a frase do então presidente da Fiesp, Mário Amato, ao dizer que 800 000 empresários deixariam o país em caso de vitória do metalúrgico. Depois de três derrotas nas urnas, Lula escreveu em 2002 a Carta ao Povo Brasileiro, na qual buscou acalmar os ânimos. O texto, aliado à indicação de José Alencar a vice, mostrou-se fundamental. Mesmo assim, a perspectiva de sua vitória levou pânico ao mercado financeiro — a bolsa caiu e o dólar disparou às vésperas da eleição. No governo, no entanto, Lula, o pragmático, mostrou respeito ao ambiente de negócios e responsabilidade fiscal. Na campanha atual, aliás, sempre que pode, procura lembrar esse comportamento aos representantes do PIB. O desafio agora é o de renovar a confiança que obteve em outros momentos, mas em ambiente de maior radicalização política — dois em cada três empresários dizem que não votariam no petista de jeito nenhum, segundo o Datafolha. Embora saiba agradar a qualquer tipo de interlocutor, não será fácil para Lula obter sucesso nesse investimento político.

Publicado em VEJA de 10 de agosto de 2022, edição nº 2801

Veja também

Cadastro para receber auxílio caminhoneiro começa nesta segunda-feira

Caminhoneiros sem operações de transporte de carga registradas no primeiro semestre, de 1º de janeiro …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!