segunda-feira 17 de junho de 2024
Foto: Sergio Dutti/Veja/Arquivo
Home / DESTAQUE / Jair Bolsonaro já definiu um novo plano eleitoral para Michelle
terça-feira 5 de março de 2024 às 16:01h

Jair Bolsonaro já definiu um novo plano eleitoral para Michelle

DESTAQUE, ELEIÇÕES 2026, NOTÍCIAS


Reportagem publicada pela revista Veja mostra que já está em andamento um dos planos de contingência do bolsonarismo para o caso de o ex-presidente não conseguir a tão sonhada anistia do Congresso: a entrada em cena da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, candidata a herdeira pessoal da popularidade do marido. Na manifestação de domingo em São Paulo, essa estratégia ficou evidente.

O début da ex-primeira-dama talvez aconteça em breve, numa eleição suplementar no Paraná, caso se confirme a cassação do mandato do senador Sergio Moro, num julgamento marcado para o início de abril. O ex-juiz da Lava-Jato é acusado de abuso de poder econômico. O PL, partido do ex-presidente e da ex-primeira-dama, e a coligação Brasil da Esperança (PT, PCdoB e PV) — autores da ação — alegam que Moro realizou gastos substanciais em sua pré-campanha à Presidência da República em 2022. Mais tarde, ao optar por disputar uma cadeira no Congresso, teria se beneficiado disso em detrimento dos demais candidatos. Se o Tribunal Regional do Paraná julgar as acusações procedentes, o senador terá o mandato cassado e será declarado inelegível por um período de oito anos. Ele ainda poderá recorrer ao TSE, que, nos últimos tempos, tem sido célere e rigoroso em casos semelhantes. Se a condenação for mantida, haverá um pleito para escolher o novo representante paranaense no Senado. Em conversas reservadas, Bolsonaro já admitiu que Michelle poderá disputar a vaga.

O PL acredita que a força do bolsonarismo no estado coloca a ex-primeira-dama na condição de favorita logo de início, apesar de ela morar em Brasília e mal conhecer Curitiba. Em 2022, o ex-presidente teve 55% dos votos do estado no primeiro turno e 62% no segundo, elegeu Sergio Moro para a única vaga ao Senado e fez três dos oito deputados federais. A disputa, se houver, será mais um round do embate entre petistas e bolsonaristas. O PT tem duas de suas estrelas de olho na vaga — a deputada Gleisi Hoffmann, presidente do partido, e o deputado Zeca Dirceu, filho do ex-ministro José Dirceu. Além de Michelle, dois apoiadores do ex-presidente se apresentam como pré-candidatos: o ex-deputado Paulo Martins (PL) e o ex-ministro e deputado Ricardo Barros (PP).

Pesquisa mostra possível disputa entre Michelle e Lula

O PL já traçou vários cenários depois de decretada a inelegibilidade do ex-presidente — e Michelle ocupa posição de destaque em todos eles. A disputa para o Senado no Paraná serviria para dar à ex-primeira-dama visibilidade e experiência política. Os planos para ela, porém, são bem mais ambiciosos. Michelle é considerada como potencial candidata a vice-­presidente e até mesmo uma opção para presidente da República. “Temos uma pesquisa mostrando que, numa disputa direta, Michelle está hoje 7 pontos atrás do Lula. Até o final do ano, ela passa”, diz um importante dirigente partidário. Falar sobre essa hipótese, no entanto, incomoda Jair Bolsonaro. Para ele, é cedo para projeções eleitorais que envolvam a esposa e precipitado considerá-lo uma carta fora do baralho. Acuado por investigações sobre uma tentativa de golpe, o ex-presidente, no íntimo, ainda acredita em uma reviravolta.

Veja também

Incêndio no Parque Nacional do Itatiaia no RJ já dura quase 48 horas

Um incêndio no Parque Nacional do Itatiaia — um dos mais antigos do Brasil — …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!