quarta-feira 19 de junho de 2024
Redução da taxa de juros permitirá a aquisição de imóveis do programa Casa Verde e Amarela com prestações menores. - Foto: PR
Home / NOTÍCIAS / Governo prepara medidas para liberar R$ 300 bilhões para crédito imobiliário
quinta-feira 11 de abril de 2024 às 17:30h

Governo prepara medidas para liberar R$ 300 bilhões para crédito imobiliário

NOTÍCIAS


Para ampliar o crédito imobiliário, promessa do ministro da Fazenda Fernando Haddad, o governo trabalha segundo a coluna de Geralda Doca, do O Globo, a redução do compulsório da poupança, dinheiro que precisa ficar depositado no Banco Central (BC). O objetivo é destinar o recurso liberado para o financiamento da moradia.

A ideia é reduzir o compulsório de 20% para 15%, direcionando essa folga para ampliar de 65% para 70% o direcionamento da caderneta de poupança para operações de financiamento imobiliário dentro do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Também está sendo elaborada a criação de uma espécie de hedge para estimular a venda de carteiras de financiamento habitacional.

As medidas têm potencial para injetar no mercado R$ 300 bilhões, segundo técnicos a par das discussões.

Mercados secundário de crédito

Além de liberar uma parcela do compulsório, o plano é fazer com que aconteça no mercado imobiliário o que já ocorre com empréstimo consignado, financiamento de veículos e venda de fatura do cartão de crédito: os bancos vendem suas carteiras no mercado. O plano é deslanchar o mercado secundário para a modalidade de financiamento habitacional.

Atualmente, os contratos são corrigidos pela Taxa Referencial (TR), enquanto a troca de balcão ocorre principalmente usando o IPCA. O governo trabalha num mecanismo para corrigir essa distorção que não envolva recursos do Tesouro Nacional.

O plano do governo é aproveitar a trajetória de queda da Taxa Selic e preparar o terreno para deslanchar o mercado secundário do crédito imobiliário em 2025. Neste sentido, o governo vai mudar o papel da Empresa Gestora de Ativos (Emgea), criada em 2001 e que herdou contratos habitacionais da Caixa Econômica Federal com problemas de inadimplência, numa iniciativa para limpar o balanço do banco.

Alternativa ao FGTS

Pela proposta, além de ativos da União, a empresa poderá adquirir bens e direitos dos estados e dos municípios, além de poder participar de fundos de investimentos. Poderá também adquirir no mercado financeiro títulos de valores imobiliários e ofertar mecanismos que permitam a proteção de instituições financeiras a exposições de remuneração e prazo oriundos da concessão de crédito imobiliário.

A Emgea poderá atuar como securitizadora e terá o estatuto alterado. As mudanças foram incluídas na minuta da medida provisória (MP), que institui o Programa de Redução da Pobreza, com medidas de acesso ao crédito para pequenos empreendedores.

Segundo técnicos a par das discussões, o estímulo ao mercado secundário seria criar uma fonte de recursos alternativa ao FGTS, mais focado no programa Minha Casa Minha Vida e à poupança, que tem dado sinais de que não conseguirá sustentar uma expansão do crédito imobiliário.

A liberação do compulsório da poupança ainda depende da aprovação do BC no Conselho Monetário Nacional (CMN), que reúne representantes da Fazenda e do Planejamento. O BC é que cuida das regras do compulsório.

A proposta está sendo discutida com a Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Veja também

Após prisão de presidente do Solidariedade por supostos desvios, Paulinho da Força volta ao comando da sigla

Após a prisão preventiva de Eurípedes Júnior, presidente do Solidariedade, a Executiva Nacional se reuniu e …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!