segunda-feira 27 de setembro de 2021
Home / DESTAQUE / Fake news preocupam campanhas de candidatos na reta final

Fake news preocupam campanhas de candidatos na reta final

segunda-feira 1 de outubro de 2018 às 13:03h

Marina Silva invadindo uma fazenda no Acre: mentira. Ciro Gomes agredindo a atriz Patrícia Pillar: mentira. O padre Marcelo Rossi declarando voto: igualmente mentira. E até a apresentadora Fátima Bernardes, da TV Globo, pagando por uma reforma na casa do homem que deu uma facada em Jair Bolsonaro: outra mentira. São só algumas das postagens repelidas pelas vítimas das fake news, praga que prolifera nas redes sociais nesta reta final da corrida eleitoral.

“A campanha provocou um aumento na divulgação das fake news e isso é preocupante”, disse o desembargador André Gustavo Corrêa de Andrade, vice-presidente da Associação dos Magistrados do Estado do Rio (Amaerj), que estuda o assunto. “Essa é uma questão que preocupa por causa do discurso de ódio. Tem de ser combatida culturalmente.” Para o magistrado, a própria internet pode ser usada para esclarecer “esses casos de pessoas que se sentem protegidas pelo anonimato e têm prazer em espalhar ódio e preconceitos”.

Fátima Bernardes
A apresentadora Fátima Bernardes teve de desmentir que pagou reforma de casa de agressor do presidenciável Jair Bolsonaro Foto: INSTAGRAM/FATIMA BERNARDES

Foi exatamente o que fez Fátima Bernardes. Com sua imagem ligada a Adelio Bispo de Oliveira, a apresentadora divulgou um vídeo em sua conta do Instagram. “Mais uma notícia falsa me obriga a fazer esse esclarecimento (…). Eu jamais apoiaria qualquer ato de violência”, disse ela na mensagem postada no dia 21. Uma semana depois, o post já contava 2,5 milhões de visualizações. Procurada na semana passada, via assessoria, Fátima não respondeu.

A internet foi também o terreno encontrado pela atriz Patrícia Pillar para desmentir uma fake news. Ela publicou um vídeo em que diz que sua imagem está sendo usada para disseminar notícias falsas contra seu ex-marido, o candidato Ciro Gomes (PDT). Até a tarde da última sexta-feira, o post tinha 7,3 mil comentários, 38 mil compartilhamentos e mais de 1,6 milhão de visualizações.

Campanhas. No meio dessa “guerra de desinformação”, as campanhas tiveram de se adaptar. Antes mesmo do início da disputa eleitoral, o PT montou uma equipe de monitoramento de redes sociais que selecionou centenas de sites responsáveis pela propagação de fake news.

Cada vez que o nome de Fernando Haddad, presidenciável do partido, é citado, a equipe recebe um alerta, avalia o potencial de perigo e executa as “vacinas”, como são chamados os desmentidos.

Os responsáveis pelo monitoramento das redes têm canal direto com o departamento jurídico da campanha que, se for o caso, aciona a Justiça para que a mentira seja removida das redes.

Vítima de um boato recentemente, a vice na chapa de Haddad, Manuela d’Ávila, diz que enfrenta a questão política e juridicamente. “Acredito que precisamos denunciar a rede de mentiras e exigir investigação com relação a autores e financiadores das fake news. Não me acostumo com nenhuma injustiça com nenhum cidadão. Comigo também não.”

As campanhas de Ciro e Marina Silva (Rede) trabalham de maneira semelhante: monitoram as redes e, se avaliam que é o caso, acionam o departamento jurídico. As equipes de Jair Bolsonaro (PSL) e Geraldo Alckmin (PSDB) não responderam.

 

Por Pablo Pereira e Luiz Fernando Toledo

Veja também

Nova regra do TSE deve acelerar criação de partidos políticos

Uma medida recém-adotada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) promete revolucionar a maneira como são criados …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!