terça-feira 16 de julho de 2024
Braga Netto e Bolsonaro — Foto: REUTERS/Adriano Machado
Home / DESTAQUE / Entorno de Bolsonaro empurra para Braga Netto mentoria de suposto golpe
quinta-feira 22 de fevereiro de 2024 às 08:25h

Entorno de Bolsonaro empurra para Braga Netto mentoria de suposto golpe

DESTAQUE, NOTÍCIAS


O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) deve ficar em silêncio no depoimento na Polícia Federal marcado para esta quinta-feira (22). Mas se desenha há algumas semanas, desde o avanço das investigações do roteiro do suposto golpe, uma estratégia nos bastidores que deve causar muito barulho entre aliados: auxiliares de Bolsonaro atribuem, agora, toda e qualquer tentativa de tumultuar a eleição ou o pós-eleição a uma mentoria do general Braga Netto.

Ex-vice derrotado na chapa com Bolsonaro, o general da reserva é apontado por aliados do ex-presidente como o principal responsável por “falar no ouvido” do ex-presidente e incentivá-lo a discutir medidas de virar a mesa.

A versão ganhou força no entorno de Bolsonaro principalmente após a divulgação do vídeo em que ele aparece discutindo com ministros do então governo ideias golpistas.

Sobre comandar essa reunião, aliados dele minimizam e afirmam que era o jeito de Bolsonaro “levantar a moral da tropa”.

Prisão

Desde o início das investigações, Bolsonaro demonstra preocupação dele ou um de seus filhos serem presos. Por isso, tenta terceirizar responsabilidades e circunscrever atos de assessores como “excesso de iniciativa” – como o caso de Mauro Cid, ex-ajudante de ordens da Presidência.

Cid, que – como o blog da Andréia Sadi publicou – viveu 99,9% do governo Bolsonaro, hoje é tratado como um “leva e traz” e chamado de “porteiro” por aliados de Bolsonaro, pois, segundo eles, apenas faria a segurança da porta em reuniões importantes como aquelas entre Bolsonaro e comandantes das forças.

Versão, inclusive, desmentida pelas investigações – que mostram um Cid com plenos poderes para levar e trazer, de fato, mas levar e trazer ideias golpistas e conseguir possíveis adesionistas ao plano de virar a mesa.

Como explica um ex-ministro de Bolsonaro: “Cid era a ponte entre Bolsonaro e militares”.

Novas delações

Por ter fechado delação premiada, Cid perdeu qualquer blindagem de Bolsonaro, que, agora, cuida de acompanhar o desdobramento da investigação em relação a outros aliados, como Marcelo Câmara, que está preso e também vai depor nesta quinta.

No fim do governo, foi Câmara quem assumiu a assessoria pessoal de Bolsonaro, se tornando uma espécie de CEO da vida do ex-presidente.

Apesar de considerar Câmara leal, hoje, bolsonaristas não descartam novas delações- exatamente como fez Cid, que era tido como o principal aliado de Bolsonaro.

Veja também

PL Salvador inicia encontros com pré-candidatas a vereadoras

Em meio à queda no número de pré-candidatos à prefeitura, o PL Salvador decidiu investir …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!