sábado 24 de fevereiro de 2024
Foto: Reprodução
Home / CURIOSIDADES / E se a democracia fosse cotada na bolsa?
domingo 11 de fevereiro de 2024 às 08:12h

E se a democracia fosse cotada na bolsa?

CURIOSIDADES, MUNDO, NOTÍCIAS


“Grande parte do dinheiro de Wall Street é investido em países autocráticos”. É possível mudar isso? Sim, mediante indicadores de referência indexados à qualidade da democracia, mas a opinião pública deve pressionar como ocorreu com os bônus verdes, afirmam especialistas.

Para explicar este fenômeno basta um exemplo: os fundos de pensão, em sua maior parte, dão dinheiro a administradores de ativos que seguem uma série de pontos de referência para decidir onde alocam os ativos, mas não levam em consideração necessariamente o fator democracia na hora de investir.

“Os indicadores são a via principal pela qual, em geral, todos nós neste momento financiamos uma autocracia, embora não saibamos que o estamos fazendo”, explica Marcos Buscaglia, fundador da Alberdi Partners e ex-analista de Wall Street, durante um debate esta semana em Washington, organizado pelo Diálogo Interamericano, um grupo de reflexão.

Philippe Bolopion, diretor-geral da TOBAM, uma companhia de gestão de ativos, admite que “grande parte do dinheiro de Wall Street é investido em países autocráticos”.

“Seria possível dizer que os investidores ocidentais, os fundos de pensão nos Estados Unidos e na Europa estão injetando bilhões de dólares em países autocráticos e essencialmente ajudando os líderes autoritários destes países a sobreviver e prosperar em alguns casos”, afirma.

Mas os mercados são um organismo vivo e como tal se adaptam à sociedade. Há 20 aos, não se falava em ‘bônus verdes’ e estes não surgiram porque Wall Street propôs, mas por pressão social, destacam os especialistas.

As coisas já estão mudando e existem alguns ativos cotados em bolsa (ETF, fundos indexados) que “são corretos para a democracia”, afirma Buscaglia.

Mas, “o maior passo – diz – será quando os indicadores [parâmetros considerados no momento de investir] forem corrigidos a favor da democracia”.

Nicolás Saldías, analista da unidade de inteligência da revista britânica The Economist, considera que é complicado intervir na oferta porque as instituições financeiras são empresas que geram lucro e devem prestar contas aos acionistas se perdem oportunidades.

A solução viria, ao contrário, do lado da demanda, por exemplo, para países que emitem bônus em variáveis de qualidade democrática.

Saldías é partidário da emissão de bônus e créditos indexados à democracia ou a objetivos concretos, como a redução da pobreza.

A companhia em que Bolopion trabalha tenta mudar o rumo, levando em conta “o fator de risco autocrático” na hora de investir.

“Sou o único especialista em direitos humanos, todos os demais são matemáticos e estatísticos e falam um idioma diferente do meu”, afirma.

 “Risco autocrático”

É importante que “os democratas considerem a autocracia como um fator de risco contra o qual deveriam tentar proteger sua carteira”, acrescenta Bolopion, assegurando que a TOBAM não investe em empresas cotadas em países autocráticos.

Mas nem tudo é preto no branco.

Muitas empresas de países democráticos têm “grande parte de seu negócio na China ou em muitos provedores” de lá, adverte Bolopion.

Em sua opinião, o segredo está em “minimizar a exposição”.

Romina Bandura, especialista do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, é partidária, ainda, de elaborar um índice democrático nas agênias de classificação financeira e que o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial, e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) levem em consideração o fator democracia ao conceder empréstimos.

Buscaglia se diz “otimista”. Ele se baseia em que “um a cada 2 dólares [cerca de R$ 10] administrados por investidores profissionais em (a zona do) euro é gerido através de algum mandato ESG, e um em cada 3 dólares [R$ 15] nos Estados Unidos”.

Os critérios ESG avaliam se uma empresa é sustentável em nível ambiental, social e de governança, um bom exemplo de que é possível incluir pautas para se fazer um investimento.

 América Latina

Se variáveis democráticas fossem aplicadas, a América Latina poderia se beneficiar por ser segura do ponto de vista geopolítico. O nível de homicídios na região é muito alto, sobretudo na América Central, e há muita desigualdade, pobreza e corrupção, mas não há guerras.

Segundo Saldías, países como Uruguai, Costa Rica e Chile sairiam ganhando porque “têm democracias fortes”.

Mas como medir a democracia?

“Os indicadores são importantes, mas não suficientes” e “devemos ter muito cuidado para não punir um país de forma desproporcional”, adverte Saldías.

Ele cita o caso do Equador, onde uma onda de violência provocada por narcocriminosos pôs o país em xeque. “Agora, é um regime híbrido”, com “eleições livres e justas” mas “a qualidade da democracia é mais frágil”.

Saldías joga uma ideia no ar: dar às democracias consolidadas “benefícios nos mercados globais”.

Veja também

Governo da Bahia abre crédito suplementar de R$ 631,9 milhões em orçamento

Direcionado a algumas pastas, o Governo do Estado abriu um crédito suplementar no valor de …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement

Advertisement

error: Content is protected !!
Pular para a barra de ferramentas