sábado 13 de julho de 2024
A deputada Caroline de Toni (PL-SC). Foto: Reprodução / Câmara dos Deputados
Home / NOTÍCIAS / Caroline de Toni deve ser rifada para o PL ficar com comando da CCJ
segunda-feira 4 de março de 2024 às 09:39h

Caroline de Toni deve ser rifada para o PL ficar com comando da CCJ

NOTÍCIAS, POLÍTICA


A disputa na Câmara dos Deputados pelo comando da Comissão de Constituição e Justiça pode fazer com que o PL retire o nome de Caroline de Toni (PL-SC) para a presidência do principal colegiado da Casa. O argumento de outros partidos é que o problema não é o PL ficar com a CCJ, mas sim ficar com uma parlamentar tão contra o governo.

Como publicou Gabriella Soares, do Congresso em Foco, Caroline é a parlamentar mais oposicionista em todo o Congresso Nacional, segundo dados do Radar do Congresso. A deputada só votou com orientação igual à do governo em 16%das vezes. Em 84% das vezes em que a liderança do governo recomendou voto, ela votou em sentido oposto.

Para evitar esse perfil no comando da CCJ, outros partidos dizem que o PL precisa indicar outro nome, com perfil mais conciliatório e de menos enfrentamento, para a presidência da comissão. O Congresso em Foco procurou a deputada, mas não houve retorno até o momento. O texto será atualizado caso haja manifestação.

Cabe à CCJ avaliar se os projetos que tramitam na Casa cumprem os requisitos mínimos de constitucionalidade, técnica legislativa e adequação às leis e ao regimento interno. É considerada a principal comissão da Casa. Todos os projetos importantes do Legislativo passam por ela. Em várias oportunidades ela substitui o plenário e também dá palavra sobre divergências regimentais.

É incerto, porém, se o comando da comissão ficará realmente com o PL, que reivindica o cargo na condição de maior bancada da Casa. Em 2023, o combinado com o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), foi que a legenda esperaria um ano antes de presidir a comissão, em troca de ganhar a relatoria do Orçamento de 2024.

O PL ficou com o Orçamento, mas agora enfrenta resistência para presidir a comissão mais importante da Câmara sendo oposição ao governo. No ano passado a CCJ foi presidida pelo petista Rui Falcão (SP).

Na reunião de líderes realizada na última terça-feira, o União Brasil reivindicou o comando da CCJ. O partido indicou o nome do deputado Arthur Maia (União-BA), que relatou a reforma da Previdência e presidiu a CPMI dos Atos Golpistas, para o cargo. Ele já presidiu a CCJ, em 2022.

O União Brasil propõe o rompimento do acordo para que o PP fique com a Comissão Mista de Orçamento (CMO). O partido alega que, por acordo, o PL já ficaria com o comando da CCJ no ano que vem – seria o único partido a presidir a comissão mais importante duas vezes na atual legislatura. As conversas continuarão nesta semana, quando se espera que haja uma definição sobre o assunto.

PSB com Indústria e Comércio

Na disputa entre os partidos para a chefia de comissões da Câmara, o PSB já conseguiu um acordo para comandar a Comissão de Indústria e Comércio. O fato de o partido ter proximidade com o tema, com o vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) como ministro da área, ajudou nessa articulação.

A presidência da comissão deve ficar com o deputado Duarte Jr. (PSB-MA). Apesar do entendimento, a divulgação da presidência, além de outras comissões, ainda deve levar dias. Desde o início do ano Legislativo, a Câmara vive um impasse na definição dos comandos das comissões.

Como mostrou o Congresso em Foco, parlamentares acreditam que os novos integrantes dos colegiados só serão definidos no mês de abril.

Veja também

Jabes Ribeiro abre o jogo sobre futuro na disputa pela prefeitura de Ilhéus

Rumores sobre a possível retirada da pré-candidatura de Jabes Ribeiro (PP) para prefeitura de Ilhéus …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!