quinta-feira 22 de fevereiro de 2024
Home / DESTAQUE / Bolsonaro modera sua fala, mas não parece capaz de expandir eleitorado

Bolsonaro modera sua fala, mas não parece capaz de expandir eleitorado

quarta-feira 23 de maio de 2018 às 09:01h

Jair Bolsonaro é um candidato em fase de modulação do discurso e das ideias. E, como tal, parece tatear o terreno, desconfortável na nova pele. Entrevistei o deputado do PSL nesta terça-feira, para a rádio Jovem Pan.

Falta alguma peça quando se tiram da fórmula que explica o sucesso de Bolsonaro até aqui as declarações polêmicas e baseadas na autoridade e, principalmente, Lula e o PT como antípodas.

O deputado fala em adotar um programa liberal na economia, mas não detalha suas diretrizes. Diz que vai “conversar” com Paulo Guedes sempre que instado a aprofundar propostas para temas como privatizações e reformas.

Claramente procurando soar menos autoritário e mais humilde, Bolsonaro soa titubeante, quando não vazio.

Da mesma forma, com Lula preso e o PT fora do poder, fica claudicante uma perna importante de sua persona pública. Tanto que a promessa, feita à la Bolsonaro na véspera, mas relativizada por ele na entrevista como “figura de linguagem”, de incinerar esquerdistas da Educação com um lança-chamas, parece passadista diante do fato de que o governo não é mais petista e o MEC, sob comando do DEM, promoveu, por exemplo, a reforma do ensino médio.

Bolsonaro tem um público fiel e pouco suscetível a suas mudanças de discurso. No entanto, a versão quase paz e meio amor que ele esboça não parece consistente nem capaz de expandir seu eleitorado para além dos convertidos – que, por sua vez, devem estranhar sua nova fala mais moderada.

PESQUISAS

Espontânea é termômetro para deputado projetar 2.º turno

Quando questionado sobre pesquisas e suas perspectivas de ir ao segundo turno, Jair Bolsonaro (PSL) se fixa sobre os bons índices que obtém nas sondagens espontâneas para questionar os cenários em que aparece tecnicamente empatado com nomes como Marina Silva e para projetar suas chances. E conta uma história: diz que quando atingiu 2% na espontânea, recebeu um telefonema de Roberto Jefferson dizendo que ele iria ao segundo turno. Hoje, com 12% em algumas pesquisas, ele se lembra da conversa com o cacique do PTB e afirma que, se tudo caminhar como está, ele tem boa chance de avançar na disputa.

 

 

 

 

 

 

 

Por Vera Magalhães,

Veja também

Hyundai confirma a Lula e Alckmin investimento de US$ 1,1 bilhão no Brasil

Na manhã desta quinta-feira (22) o presidente-executivo global do grupo Hyundai, Euisun Chung, se reuniu …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement

Advertisement

error: Content is protected !!
Pular para a barra de ferramentas