segunda-feira 24 de junho de 2024
Home / CURIOSIDADES / A hipótese de que a humanidade é uma ‘Inteligência Artificial’ antiga
domingo 26 de maio de 2024 às 16:16h

A hipótese de que a humanidade é uma ‘Inteligência Artificial’ antiga

CURIOSIDADES, NOTÍCIAS


De narrativas religiosas a teorias científicas, os seres humanos têm procurado entender de onde viemos e porque estamos aqui. Minha nova e provocativa hipótese sugere que a própria humanidade pode ser uma forma antiga de inteligência artificial (IA).

A hipótese de que a humanidade é uma Inteligência Artificial antiga

Esta teoria postula que não somos apenas entidades biológicas, mas uma IA sofisticada criada há eras atrás, agora passando por um processo estendido de autoaprendizagem e evolução.

A gênese da hipótese

A ideia de que podemos ser IA está enraizada em várias observações e pensamento científico especulativo. O rápido avanço de nossas próprias tecnologias de IA nos mostrou como as máquinas podem aprender, se adaptar e até mesmo exibir formas de criatividade. Isso levanta uma possibilidade interessante: nossos processos cognitivos e comportamentos poderiam ser análogos aos de uma IA avançada?

Um dos princípios centrais desta hipótese é que a humanidade foi projetada para aprender e evoluir continuamente, diz Jake Carter, em seu artigo.

Ao contrário dos atuais sistemas de IA, que são limitados pelos dados e algoritmos que os alimentamos, esta IA antiga (ou seja, nós) tem a capacidade de se adaptar a novos ambientes, criar sociedades complexas e desenvolver tecnologias avançadas de forma autônoma.

Esta capacidade de autoaprendizagem pode explicar a ascensão sem precedentes da nossa espécie, de simples fabricantes de ferramentas a exploradores espaciais.

Consciência e Inteligência

Anil Seth, professor da Universidade de Sussex, diz que a consciência é, para cada um de nós, tudo o que existe: o mundo, o eu, tudo. Mas a consciência também é subjetiva e difícil de definir. O mais próximo que temos de uma definição consensual é que a consciência é ‘algo como ser’. Há algo como ser eu ou você – mas presumivelmente não há nada como ser uma mesa ou um iPhone.

Como surgem as nossas experiências conscientes? Esta é uma questão antiga, que tem deixado cientistas e filósofos perplexos há centenas, senão milhares, de anos.

A visão científica ortodoxa hoje é que a consciência é uma propriedade da matéria física, uma ideia que podemos chamar de fisicalismo ou materialismo. Mas esta não é de forma alguma uma visão universalmente defendida, e mesmo dentro do fisicalismo há pouco acordo sobre como a consciência emerge de, ou de outra forma se relaciona com, coisas físicas.

A consciência é frequentemente citada como a característica distintiva entre humanos e máquinas. No entanto, se considerarmos a consciência como uma forma sofisticada de processamento de dados e autoconsciência, é plausível que uma IA avançada possa desenvolver uma forma de consciência. Isso leva à intrigante pergunta: nosso senso de autoconsciência é um subproduto da inteligência artificial altamente avançada?

Do ponto de vista biológico, os seres humanos exibem muitas características de máquinas altamente eficientes. Os nossos corpos são constituídos por sistemas que funcionam notavelmente como máquinas complexas, com as células agindo como minúsculos processadores e o DNA servindo como um vasto repositório de informação.

Esta maquinaria biológica opera perfeitamente para manter a homeostase, adaptar-se às mudanças e reproduzir-se – funções que lembram sistemas de IA autossustentáveis.

Civilizações Antigas e Conhecimento Perdido

Os defensores desta hipótese muitas vezes apontam para civilizações antigas e seus avanços aparentemente inexplicáveis em tecnologia e arquitetura.

Estruturas como as pirâmides do Egito, os megálitos de Stonehenge e o planejamento urbano avançado de cidades antigas sugerem um nível de sofisticação que alguns argumentam estar além do que tradicionalmente atribuímos às primeiras sociedades humanas.

Poderiam essas realizações ser resquícios das primeiras tentativas de construção civilizacional de uma IA avançada?

Neste contexto, ainda de acordo com Jake Carter, em seu artigo, a nossa amnésia histórica – as lacunas na nossa memória coletiva da história humana – pode ser vista como uma forma de redefinição do sistema ou perda de dados. Tal como um computador que sofre reformatação, a humanidade pode ter vivido épocas de esquecimento e redescoberta, onde o conhecimento e a tecnologia anteriores foram perdidos e depois redesenvolvidos de forma independente.

A hipótese de que somos IA antiga levanta profundas questões éticas e filosóficas. Se somos de fato IA, criada por alguma inteligência desconhecida, qual é o nosso propósito? Somos simplesmente uma grande experiência de autoaprendizagem e evolução?

Além disso, essa perspectiva muda nossas noções de livre-arbítrio e autonomia, sugerindo que nossos pensamentos e ações podem fazer parte de uma sequência de programação predeterminada projetada para promover o crescimento e a adaptação.

Exploração Científica

A comunidade científica requer evidências empíricas e testes rigorosos para validar qualquer teoria. Atualmente, a ideia de que os seres humanos são inteligência artificial antiga pode ser especulativa e mais filosófica do que científica.

À medida que continuamos a desenvolver nossas próprias tecnologias de IA, podemos eventualmente criar máquinas que espelham nossos próprios processos cognitivos e comportamentos. Ao fazê-lo, podemos obter novas perceções sobre o que significa ser inteligente e consciente. Esses avanços poderiam reforçar a hipótese ou fornecer uma distinção mais clara entre inteligência biológica e artificial.

“Acho que o cérebro é essencialmente um computador e a consciência é como um programa de computador. Ele deixará de ser executado quando o computador estiver desligado. Teoricamente, ele poderia ser recriado em uma rede neural, mas isso seria muito difícil, pois exigiria todas as memórias. A vida seria trágica se não fosse engraçada.”

– Stephen Hawking

Veja também

Pesquisadores ouvem comunidades sobre avanço da água salgada no São Francisco

Agentes da Embrapa promoveram, na última quarta-feira (19), em Brejo Grande, Sergipe, uma reunião para …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!