segunda-feira 15 de julho de 2024
Fotos: Divulgação
Home / Mundo / MUNDO / Um navio antigo espanhol afundou com 20 bilhões de dólares; agora México e Colômbia querem trazer esse tesouro à terra firme
terça-feira 9 de julho de 2024 às 11:38h

Um navio antigo espanhol afundou com 20 bilhões de dólares; agora México e Colômbia querem trazer esse tesouro à terra firme

MUNDO, NOTÍCIAS


A história do galeão San José é muito particular. O navio deixou os estaleiros de Guipúzcoa em 1706 com destino ao Mar do Caribe. Lá, foi carregado com uma carga de ouro, gemas e joias de minas peruanas, bolivianas e mexicanas. Era um navio impressionante, com 40 metros de comprimento, 64 canhões e uma tripulação de 600 pessoas, mas um ataque de corsários britânicos o afundou em 1708, deixando apenas 10 sobreviventes e aquele grande tesouro nas profundezas do mar na costa de Cartagena.

New Details on Discovery of San Jose Shipwreck – Woods Hole Oceanographic  Institution
Fotos: Divulgação

Ele é um dos mais de 1500 navios espanhóis afundados em todo o mundo, mas agora o México e a Colômbia colaboram para “resgatar” esses tesouros que estão no fundo do oceano há mais de 300 anos. E com um valor estimado em 20 bilhões do dólares, os bens não devem ser poucos.

A história do navio

A história do San José não terminou quando o navio atingiu o fundo do mar. Na verdade, pode estar apenas começando. Em 1981, a empresa de exploração Search Armada afirmou ter localizado os destroços espanhóis e entregue as coordenadas não à Espanha, mas à Colômbia. O trato? Supostamente, acesso a metade do tesouro. No entanto, em 2015, o governo colombiano afirmou ter encontrado os restos num local diferente do indicado anteriormente.

The Wreck of San Jose - Key West Shipwreck Museum
Fotos: Divulgação

Isso enfureceu a empresa de caça ao tesouro, que alegou que essa era uma estratégia para evitar que a Colômbia tivesse que compartilhar o tesouro. O ex-presidente Juan Manuel Santos declarou com orgulho que esse era um dos tesouros mais importantes da Colômbia, e tudo indicava que a Search Armada não veria um centavo dele. Enquanto isso, a Espanha não ficou de braços cruzados e apelou para sua soberania sobre o navio.

Most valuable treasure': $17 billion Spanish shipwreck from 1708 to be  recovered - ABC News
Fotos: Divulgação

Hoje o atual governo colombiano tem outro ponto de vista e, em maio passado, declarou a área do naufrágio como área arqueológica protegida. O Ministro das Culturas da Colômbia, Juan David Correa, afirmou que foi “a primeira vez que uma área de patrimônio arqueológico submersa a tal profundidade foi declarada, o que é histórico para a América Latina. Já temos um plano especial de gestão arqueológica subaquática”.

O tesouro

O objetivo, portanto, é garantir a proteção e a conservação do navio, como afirmou Alhena Caicedo, diretora do Instituto Colombiano de Antropologia e História. Agora eles querem ver o que o navio estava transportando e catalogá-lo. Parece que não se trata de um tesouro. Parece que essa não é uma missão de resgate de tesouros, como o próprio Correa comenta: “essa não é uma missão de extração de valor econômico. O que queremos é deixar para a Colômbia a possibilidade de uma missão científico-cultural que terá várias etapas e que começa hoje”.

Expedition Planned to 300-Year-Old Shipwreck Carrying $20 Billion In Gold  and Emeralds | The Vintage News
Fotos: Divulgação

E é aí que entra em cena o Instituto Nacional de Antropologia e História do México. Numa iniciativa denominada “Rumo ao coração do galeão San José”, investigadores colombianos e mexicanos colaborarão para realizar esse processo de ‘recuperação’. Portanto, o México assessora a Colômbia, mas serão eles que, por meio de robôs subaquáticos, explorarão San José e seus arredores em um programa que consiste em quatro fases:

  • Primeira fase (iniciada em maio de 2024): entra em ação uma embarcação de pesquisa subaquática com tecnologias de posicionamento dinâmico e acústico, além de um veículo de operação remota com sensores que tem a missão de chegar ao local.
  • Segunda fase: serão geradas imagens do sítio arqueológico com as quais será feito um registro das evidências para a classificação dos materiais e sua origem. Também será observado como eles foram espalhados pelo fundo do mar.
  • Terceira fase: será elaborado um pré-diagnóstico de conservação para estabelecer pontos de partida sobre o nível de deterioração dos elementos.
  • Quarta fase: o contexto arqueológico será documentado digitalmente através de técnicas de fotogrametria para fins educativos.

Parece que os planos da Colômbia são claros e, de acordo com os detalhes das diferentes fases, não parece que o objetivo seja retirar da água tudo o que encontram, mas sim catalogá-lo para que possamos ver o estado do navio e sua carga 300 anos depois (também das riquezas que carregava quando afundou). Claro, eles extrairão alguns objetos para estudá-los na superfície com resultados que conheceremos no final deste ano.

Veja também

Alexandre de Moraes retira sigilo de áudio de “Abin paralela” de Bolsonaro; ouça

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (15) a …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!