segunda-feira 18 de outubro de 2021
Foto: Nelson Almeida/AFP
Home / NOTÍCIAS / ‘Temer trouxe militares de volta à política’, diz ex-presidente Dilma Rousseff
domingo 29 de agosto de 2021 às 12:57h

‘Temer trouxe militares de volta à política’, diz ex-presidente Dilma Rousseff

NOTÍCIAS, POLÍTICA


Durante uma entrevista conduzida por um de seus assessores e concedida à revista Fundação Perseu Abramo, a ex-presidente Dilma Rousseff fez uma espécie de linha do tempo entre o dia em que o Senado aprovou sua destituição, mas manteve seus direitos políticos, até a eleição de Bolsonaro. Conforme publicação do site Congresso em Foco, deste último sábado (28), baseada na entrevista, Dilma disse que o “golpe neoliberal” aplicado contra ela em 2016 ainda não acabou, e que as constantes ameaças de Bolsonaro ainda são ecos mais profundos da decisão de afastá-la do cargo.

“O que estamos vivendo são as etapas do possível endurecimento do regime político no Brasil. O governo flertando com a possibilidade de um golpe dentro do golpe”, afirmou. Segundo ela, o ato seguinte ao golpe do impeachment foi a prisão do Lula.

“Ali, o que se queria era inviabilizar a possibilidade dele vir a ser candidato. E, portanto, estaria garantido o processo de reprodução do próprio golpe. Ora, se o Lula é eleito, o golpe seria interrompido. Mas, não bastou prendê-lo. Afinal, ele não perdeu a popularidade que desfrutava. Ainda era competitivo. E não perdeu a confiança do povo. Daí então, passa-se a um novo ato do golpe: a interdição de Lula do processo eleitoral. Ele é condenado, preso e, finalmente, tiraram-no das eleições de 2018. Não pode falar e nem fazer campanha. O golpe foi se aprofundando.”

Dilma fala que, neste momento da história, ainda antes da eleição de Jair Bolsonaro, um “gênio havia saído da garrafa” – ela se refere aos militares. “Lembra que no governo Temer, deram uma importância grande aos militares, voltando a ter o GSI — entregue ao General Sérgio Etchegoyen —, levando um militar para dirigir o Ministério da Defesa?”, questiona. “Isso nunca tinha acontecido. Entregar o Ministério da Defesa a um militar. Nem Fernando Henrique [tinha feito]”.

Por conta de sua atuação para promover a Comissão Nacional da Verdade (CNV), que apurou crimes de militares durante a Ditadura Militar (1964-1985), Dilma atraiu a ojeriza de toda a cúpula militar no país – isso ainda se reflete no fato de que hoje Dilma é a única ex-presidente viva fora de conversas com as forças armadas para analisar o papel das casernas durante as investidas autoritárias de Bolsonaro.

“É este o retrato do processo, que eu estava falando. Essa saída do gênio da lâmpada, dos militares de volta à política. E eles gostaram e não querem voltar para a garrafa. E daí o Twitter do Villas-Boas [então comandante do Exército, em 2018, General Eduardo Villas-Boas], na véspera do julgamento do habeas corpus do Lula pelo STF”, busca concluir a ex-presidente.

Dilma diz que as instituições acabaram sendo enquadradas uma a uma, e que isso também aconteceu com o Judiciário. “Porque chegou neles. Chegou agora neles. Quando eu disse, há cinco anos, que o golpe não ficaria ali, é porque sabia que haveria um avanço rápido sobre todas as instituições”, disse.
Dilma que foi afastada por cometer as chamadas “pedaladas” fiscais, também mostrou desgosto com a atual política econômica brasileira. “Imagine, se no meu governo eu tivesse feito isso com os precatórios que o Paulo Guedes está propondo?”, provocou. “Isso é muito grave. Muito grave! De todas essas tramoias fiscais, esta é a mais grave. É o Estado dando um calote.”

Veja também

‘Serão tomadas todas as providências’, diz Aras sobre relatório da CPI da Covid

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou neste último domingo (17), em entrevista ao Canal …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!