domingo 17 de outubro de 2021
Foto: Reprodução
Home / NOTÍCIAS / Temer gargalhou, mas Bolsonaro riu por último
domingo 19 de setembro de 2021 às 13:10h

Temer gargalhou, mas Bolsonaro riu por último

NOTÍCIAS, POLÍTICA


Segundo a revista Veja, Jair Bolsonaro deu dois passos à frente e um atrás. Recuou, mas seguiu avançando. Depois de organizar no 7 de Setembro as maiores manifestações pró-ditadura em 50 anos.

Se Bolsonaro não tem hoje força para um golpe, as oposições igualmente não têm como defenestrá-lo do terceiro andar do Palácio do Planalto, não importa o que ele faça. Nos dias 8 e 9 de setembro, se não havia ainda uma maioria, estava se formando um movimento inédito pró-impeachment.

Os discursos duros dos ministros do STF Luiz Fux e Roberto Barroso, as movimentações de Gilberto Kassab e partes minoritárias do PSDB e MDB, a queda violenta das bolsas e as reações públicas de repúdio de líderes do PIB apontavam para uma pressão que o presidente da Câmara, Arthur Lira, não suportaria muito tempo.

O ex-presidente Michel Temer foi o inocente útil que interrompeu por ora o movimento do impeachment. Passada uma semana da conversa entre Temer e Bolsonaro, ainda há mais dúvidas do que certezas sobre o acordo que fez o atual presidente baixar o tom por alguns dias. Sabe-se que foi Bolsonaro quem telefonou no dia 8 à noite para Temer, mas que antes mesmo da ligação o ex-presidente já havia conversado sobre uma possibilidade de trégua com os ministros do STF Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes.

A conversa pessoal no gabinete presidencial no dia 9 foi presenciada apenas por Carlos Bolsonaro, que deixou a sala quando Temer colocou Bolsonaro para conversar por telefone com Moraes. Na versão do Palácio do Planalto e do STF, este telefonema teria sido rápido e encerrado com a típica frase bolsonarista de que “nossas divergências são porque eu sou Palmeiras e você, Corinthians”. Segundo Temer, a conversa durou 15 minutos, o suficiente para muito mais do que constatações futebolísticas.

Deslumbrado com o acordo que manteve Bolsonaro quieto, Temer passou uma semana contando mais vantagem do que torcedor do Flamengo, para permanecer nas analogias da bola. Na terça-feira, um dos seus assessores aloprados divulgou vídeo de um jantar na casa do milionário Nagi Nahas na qual Temer e outros políticos e empresários paulistas riam às gargalhadas de um imitador de Bolsonaro. Na sátira, Bolsonaro era apresentado como um imbecil e Temer com um salvador da Pátria.

A cereja do bolo foi quando Temer telefonou a Bolsonaro para se desculpar pela divulgação do vídeo. “Estou acostumado”, teria dito o presidente. Temer gargalhou ao ver a imitação de Bolsonaro como um mentecapto, mas foi Bolsonaro quem riu por último.

Graças a Temer, a articulação da elite empresarial e política pelo impeachment morreu. No domingo, a falta de público nos atos anti-bolsonaristas convocados pelo Movimento Brasil Livre apenas comprovaram que só existem dois políticos capazes de encher as ruas brasileiros, Bolsonaro e Lula.

Veja também

Falta de fertilizantes complica plantio e sinaliza mais inflação na mesa em 2022

O produtor Emilio Kenji Okamura, de Capão Bonito, município do sudoeste de São Paulo, já …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!