terça-feira 28 de setembro de 2021
Foto: Divulgação/STF
Home / DESTAQUE / STF manda PF retomar investigação contra Bolsonaro
sábado 31 de julho de 2021 às 10:53h

STF manda PF retomar investigação contra Bolsonaro

DESTAQUE, JUSTIÇA, NOTÍCIAS


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou nesta última sexta-feira (30) a retomada das investigações do inquérito que apura as acusações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro de que o presidente Jair Bolsonaro tentou violar a autonomia da Polícia Federal.

Moraes ressaltou conforme a Folha de S. Paulo, que o prosseguimento da apuração não precisa aguardar a definição do Supremo sobre o formato do depoimento do chefe do Executivo neste caso. O julgamento do tema está marcado para setembro.

“Determino a imediata retomada da regular tramitação deste inquérito, independentemente do julgamento do agravo regimental interposto pelo presidente da República Jair Bolsonaro, que está previsto para data breve, 29/9/2021.”

As investigações contra o presidente foram abertas em abril de 2020, a pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República), após o ex-ministro da Justiça acusar Bolsonaro de tentar interferir no comando da PF e na Superintendência do Rio de Janeiro da corporação. Bolsonaro nega a acusação.

​O inquérito que apura as acusações de Moro contra Bolsonaro está travado desde setembro do ano passado devido ao impasse sobre o pedido do chefe do Executivo para prestar depoimento à Polícia Federal por escrito.

A corte tem que decidir o modelo da oitiva de Bolsonaro, que pede para não depor presencialmente, como havia determinado o então relator do caso, o ministro Celso de Mello.

De acordo com a polícia, o depoimento é uma das últimas etapas da apuração, que tem o objetivo de dizer se Bolsonaro violou ou não a autonomia da PF para proteger familiares e amigos, conforme acusou Moro.

A oitiva de Bolsonaro é considerada fundamental pela polícia para elucidar os fatos em apuração, uma vez que algumas das principais suspeitas sobre o mandatário decorrem de falas dele próprio em aparições públicas e no vídeo da reunião ministerial de 22 de abril de 2020.

Conforme o Código do Processo Penal, o presidente tem a prerrogativa de depor em local, dia e hora previamente ajustados com o magistrado.

Depoimentos e vídeos de uma reunião ministerial em que Bolsonaro fez declarações sobre o tema reforçaram a denúncia de Moro e ajudaram a enfraquecer a versão do presidente de que nunca falou em intervir na PF, mas sim de reforçar sua segurança pessoal.

O foco da apuração, porém, é avançar sobre quais seriam os possíveis interesses de Bolsonaro em investigações da corporação e se houve interferência com objetivos políticos.

Após apuração e relatório final da polícia, a PGR avaliará se haverá elementos suficientes para apresentar uma denúncia contra Bolsonaro. Caso isso ocorra, esse pedido vai para a Câmara, que precisa autorizar sua continuidade, com voto de dois terços dos parlamentares.

O caso está sob a responsabilidade de Moraes, que assumiu a relatoria do inquérito após a aposentadoria de Celso de Mello em outubro do ano passado. Celso teve uma atuação considerada rígida por colegas de STF e criticada por governistas.

As críticas começaram, principalmente, após Celso determinar que a PF fizesse o depoimento de ministros e disse que, caso não topassem falar, poderiam ser conduzidos “debaixo de vara” para serem interrogados.

Em um dos últimos atos no tribunal, Celso determinou que Bolsonaro prestasse depoimento presencial e autorizou a defesa de Moro a acompanhar o interrogatório.

O presidente, no entanto, apresentou recurso à corte e, como Celso estava de licença médica, o pedido foi submetido ao ministro Marco Aurélio, que suspendeu o depoimento e remeteu a discussão ao plenário da corte.

Marco Aurélio divulgou seu voto antecipadamente em favor da solicitação do chefe do Executivo. O caso, porém, não teve análise concluída e, depois da saída de Celso do tribunal, houve sorteio e Moraes assumiu a relatoria do caso.

Bolsonaro já criticou Moraes quando o ministro anulou, em decisão individual em 2020, a posse de Alexandre Ramagem para o comando da PF após a saída de Moro e de seu indicado, Maurício Valeixo, da chefia da corporação.

Moraes também é relator de outros dois inquéritos sensíveis ao bolsonarismo. Um diz respeito à apuração de atos antidemocráticos realizados por aliados do presidente, e outro investiga a existência de uma rede de disseminação de ataques e ameaças a ministros do STF na internet —este caso também atinge correligionários do chefe do Executivo.

Veja também

Esqueleto achado na Itália indica uma das torturas mais cruéis da História

Um esqueleto descoberto perto da Catedral de Milão (Itália) é um exemplo raro de um dos …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!