quarta-feira 24 de julho de 2024
Foto: Getty images
Home / DESTAQUE / Selic estável em 10,5% por período prolongado ganha força após Copom
quinta-feira 20 de junho de 2024 às 09:45h

Selic estável em 10,5% por período prolongado ganha força após Copom

DESTAQUE, NOTÍCIAS


A menção a um cenário alternativo de projeções de inflação, com a Selic inalterada até o fim de 2025, como descrito pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central em sua decisão de juros, foi interpretada por economistas ouvidos pelo Valor como um sinal de que a taxa básica deve seguir estável à frente, ainda que possíveis ajustes na política monetária não estejam totalmente descartados, conforme reportagem de Arthur Cagliari e Matheus Prado, do jornal Valor.

Vitor Martello, da Parcitas, avalia que BC não vê necessidade de elevar os juros neste momento — Foto: Carol Carquejeiro/Valor
Vitor Martello, da Parcitas, avalia que BC não vê necessidade de elevar os juros neste momento — Foto: Carol Carquejeiro/Valor

“O mercado sempre se antecipa, e, muitas vezes, para a direção errada. Hoje, o mercado precifica alta de juros. Por isso, o que o Banco Central quis fazer foi dizer que, se mantiver a Selic a 10,50%, ele consegue levar a inflação à meta”, afirma o economista-chefe da Parcitas Investimentos, Vitor Martello. “O BC quer dizer que não vê, agora, necessidade de subir os juros. Não que eles estejam descartando essa opção, porque senão ele nem desenharia esse cenário alternativo”, aponta. “É uma forma de limpar a volatilidade de curto prazo.”

Marcos De Marchi, economista-chefe da Oriz, avalia que Copom sugere cenário em que pode levar a inflação à meta sem precisar elevar a Selic — Foto: Gabriel Reis/ Valor
Marcos De Marchi, economista-chefe da Oriz, avalia que Copom sugere cenário em que pode levar a inflação à meta sem precisar elevar a Selic — Foto: Gabriel Reis/ Valor

O economista-chefe da Oriz Partners, Marcos De Marchi, avalia que, com a inserção de um cenário alternativo, o BC indica que, embora preocupado, tem uma opção que não a de elevar a Selic adicionalmente. “É um contraponto ao trecho em que diz que ‘se manterá vigilante’. Esse termo, na Europa, é muito usado quando o banco central está incomodado com algo que deve vir à frente”, afirma.

“Só que, ao mesmo tempo em que é posta essa cautela com a inflação, o comunicado insere um cenário alternativo de Selic constante, que levaria a inflação para bem próximo da meta. É um contraponto importante. Não descarta por completo juros mais altos, mas sugere cenário que pode alcançar a meta sem precisar subir a taxa”, diz.

Para Paulo Val, economista-chefe da Occam, cenário alternativo indica que Selic atual é suficiente para a convergência da inflação à meta — Foto: Leo Pinheiro/Valor
Para Paulo Val, economista-chefe da Occam, cenário alternativo indica que Selic atual é suficiente para a convergência da inflação à meta — Foto: Leo Pinheiro/Valor

Na mesma linha, o economista-chefe da Occam, Paulo Val, nota que o cenário alternativo foi uma forma de quantificar que a Selic atual é suficiente para que a inflação convirja à meta em 2025. “Mas precisamos lembrar que 2026 entra no horizonte relevante do Copom já na próxima reunião, então será uma informação adicional para o processo decisório”, afirma. “Duas questões importantes, e que alguns diretores abordaram nos últimos dias, são juro neutro e hiato de produto. Devemos ter mais informações sobre isso na ata da reunião e no Relatório de Inflação.”

Também para o economista-chefe da G5 Partners, Luis Otávio de Souza Leal, a possibilidade de uma alta nos juros parece ter ficado mais distante. “Na comunicação da última reunião, alguns membros indicaram enxergar balanço de riscos com viés negativo. Se continuou assim, não sabemos, mas não é maioria. Saberemos na ata”, diz. “E o texto também não imobiliza possíveis cortes se o exterior ajudar. Se o Fed começar a cortar em setembro, não dá para descartar.”

Luís Otavio Leal, economista-chefe da G5 Partners, avalia que decisão do Copom unânime ajuda o colegiado a retomar credibilidade — Foto: Celso Doni/Valor
Luís Otavio Leal, economista-chefe da G5 Partners, avalia que decisão do Copom unânime ajuda o colegiado a retomar credibilidade — Foto: Celso Doni/Valor
Ainda assim, o executivo da G5 entende que o comunicado foi duro e indicou interrupção do ciclo de afrouxamento monetário, e não apenas uma pausa. “A adição de um cenário alternativo em que a inflação converge à meta em 2025 com a Selic parada mostra que o Comitê não só pode manter o juro em 10,5% este ano, como por mais tempo”, diz. Com isso, afirma que avalia rever suas projeções de Selic, que estavam em 10% ao fim de 2024 e em 9% ao fim do ano que vem.

Outro ponto de atenção do comunicado foi a decisão unânime dos diretores, diz Leal. “Diferente da decisão de maio, que foi um ‘Fla-Flu’, a de ontem veio para o colegiado retomar sua credibilidade, como discursos dos membros do colegiado já indicavam nos últimos dias”, diz Leal. “Isso pode tirar pressão do mercado, que melhorou ontem com essa expectativa.”

Para Martello, da Parcitas, há espaço limitado para melhora nos mercados. “Vimos o desempenho do real começar a se descolar dos pares emergentes justamente quando houve a divergência do colegiado, então é possível que haja uma leve melhora nos próximos dias”, diz. “Mas a credibilidade mesmo só deve ser restaurada quando for provado que o BC não vai ceder a uma melhora das variáveis.” Martello nota que, agora, todas as variáveis apontam para o mesmo lado: as expectativas de inflação subindo; o dólar alto; mercado de trabalho aquecido; e atividade forte. “A prova vai ser quando houver variáveis apontando para cenários distintos.”

Da mesma forma, Val, da Occam, diz que o consenso ajuda a melhorar a percepção em torno do Copom, assim como a comunicação, “mas não há bala de prata”. “Credibilidade se ganha ao longo do tempo e os novos membros precisam conquistar isso”, afirma.

Veja também

Lula: maior desafio da humanidade, acabar com a fome exige decisão política

“Nunca, tantos tiveram tão pouco, e tão poucos concentraram tantas riquezas. Nada é tão absurdo …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!