sexta-feira 19 de julho de 2024
Foto: Divulgação/AP
Home / Mundo / MUNDO / Quem é Keir Starmer, apontado pelas sondagens como o próximo primeiro-ministro do Reino Unido?
quinta-feira 4 de julho de 2024 às 18:03h

Quem é Keir Starmer, apontado pelas sondagens como o próximo primeiro-ministro do Reino Unido?

MUNDO, NOTÍCIAS


As sondagens sugerem que o advogado de 61 anos que se tornou político do Partido Trabalhista poderá obter uma maioria significativa nas eleições gerais do Reino Unido.

O Reino Unido realiza esta quinta-feira (4) eleições gerais, com as sondagens a apontarem o Partido Trabalhista como o provável vencedor, potencialmente com uma grande maioria. A reportagem é de Jack Schickler, do Euro News.

Mas quem é Keir Starmer, o líder trabalhista que – se as sondagens estiverem corretas – substituirá Rishi Sunak como primeiro-ministro do Reino Unido?

Nascido em 1962, em Londres, Starmer foi advogado de direitos humanos antes de se tornar procurador-geral do Ministério Público, entre 2008 e 2013.

Durante a campanha eleitoral, tem feito questão de falar das suas origens na classe trabalhadora – mencionando repetidamente, durante os debates televisivos, que o seu pai era fabricante de ferramentas e a sua mãe enfermeira.

De facto, a sua associação com a política de esquerda é de longa data, uma vez que partilha o seu raro nome próprio com Keir Hardie, que fundou o Partido Trabalhista no final do século XIX.

Tornou-se deputado em 2015 por um círculo eleitoral em Camden, no norte de Londres – onde, em 2019, obteve quase 65% dos votos, um resultado saudável para uma eleição que, de resto, registou grandes perdas para os trabalhistas.

O sucessor de Corbyn

Tornou-se líder do partido em 2020, quando Jeremy Corbyn – o esquerdista sitiado que tinha sofrido várias derrotas eleitorais – se demitiu.

Starmer obteve mais de 56% dos votos contra dois outros candidatos – um dos quais, Lisa Nandy, é atualmente a sua secretária-sombra para o desenvolvimento internacional.

Starmer tem também uma longa interação com as questões europeias, tendo sido o porta-voz de Corbyn para o Brexit entre 2016 e 2020, um período em que o fervor político sobre os resultados do fatídico referendo do Reino Unido estava no auge.

Apoiou a permanência na UE e pressionou repetidamente o governo a apresentar uma estratégia de saída mais desenvolvida ou mesmo a realizar um novo referendo sobre a questão.

Mas pode ter mudado de ideias. A atual plataforma eleitoral de Starmer não prevê o regresso ao mercado único ou à união aduaneira da UE, embora tenha dito que gostaria de melhorar o “falhado” acordo de Boris Johnson sobre o Brexit.

Mudança pragmática

Não é a única área em que Starmer fez uma mudança notável para o pragmatismo à medida que a perspetiva de poder se aproximava.

O seu recente recuo na promessa de financiar 28 mil milhões de libras (33 mil milhões de euros) por ano em investimento verde – uma reviravolta que ele argumentou ser necessária para equilibrar as contas – foi criticado por sindicatos e ativistas ambientais.

Também não conseguiu reparar as relações com a esquerda do seu próprio partido, em particular com Corbyn, que Starmer suspendeu do partido devido a um escândalo de antissemitismo.

Corbyn está agora a concorrer contra os trabalhistas como candidato independente no círculo eleitoral londrino pelo qual é deputado desde os anos 80, e algumas sondagens sugerem que Corbyn poderá ganhar.

Com a perspetiva de alcançar uma vitória eleitoral maior do que a alguma vez alcançada pelo Partido Trabalhista – em comparação com as duas derrotas sucessivas de Corbyn – Starmer pode achar que valeu a pena.

Veja também

Justiça absolve Sérgio Cabral em ação sobre à saúde pública

A 9ª Vara de Fazenda Pública do Rio de Janeiro absolveu numa ação de improbidade …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!