terça-feira 30 de novembro de 2021
Foto: Divulgação
Home / NOTÍCIAS / Primeira prefeita mulher do Afeganistão diz que gostaria de conversar com o Talibã: ‘Não tenho medo’
segunda-feira 18 de outubro de 2021 às 12:18h

Primeira prefeita mulher do Afeganistão diz que gostaria de conversar com o Talibã: ‘Não tenho medo’

NOTÍCIAS, POLÍTICA


Antes de começar a entrevista, Zarifa Ghafari faz um pedido: “Gostaria que não me perguntasse sobre o meu pai nem a minha fuga. Não aguento mais chorar”. Primeira prefeita mulher do Afeganistão — ela foi habilitada para chefiar a cidade de Maidan Shar, em 2018 —, Zarifa precisou deixar o país no mês passado, após a tomada de Cabul pelo Talibã. A ativista, de 28 anos, temia que tanto ela quanto os familiares tivessem o mesmo destino que seu pai, um coronel do exército assassinado em 2020 por integrantes do regime fundamentalista. Para chegar até o aeroporto da capital, a jovem precisou se esconder no interior de um carro e cruzar postos de controle do Talibã. Em seguida, voou para a Turquia e, depois, para a Alemanha, onde recebeu asilo juntamente com o marido, a mãe e as cinco irmãs.

É uma tarde abafada de quinta-feira, e Zarifa está visivelmente cansada, poucas horas depois de ter aterrissado no Rio. Ela veio à cidade para participar, como convidada especial, da primeira edição brasileira do evento Women in Tech Awards, que premiou mulheres na área da tecnologia. Nos dias anteriores, havia cumprido uma agenda intensa de entrevistas e palestras em Portugal, depois de fazer o mesmo na França e na Suíça. “Não dormi nos últimos três dias. No máximo, repousei por umas quatro horas”, desabafa, ao receber a Revista ELA num hotel em Copacabana. “Mas, na verdade, estou feliz em encontrar tanta gente ao redor do mundo disposta em me ajudar.”

Para alguém como ela, enxergar o lado bom das coisas soa quase como instinto de sobrevivência. As noites maldormidas não se devem apenas à intensa rotina como ativista. As imagens de pessoas despencando de aviões americanos, numa tentativa desesperada de deixar o Afeganistão, também lhe trouxeram uma sequência de madrugadas insones. “Aquilo me fez lamentar profundamente o fato de fazer parte de um mundo capaz de provocar cenas como essas”, comenta, depois de um suspiro profundo. A afegã cita também o ataque ao aeroporto de Cabul que deixou cerca de 200 mortos. “Passei noites chorando muito. Não podia me controlar.”

Mais velha entre as irmãs, Zarifa teve a infância interrompida aos 4 anos, quando precisou assumir as tarefas domésticas, enquanto seus pais trabalhavam. Atravessou guerras civis, ataques do exército americano e, ainda assim, jamais deixou de estudar. Mas foi no nono ano escolar que entendeu, de uma vez por todas, como a luta por direitos seria permanente. “Percebi que um dos meus professores não estava me dando as notas que eu merecia numa retaliação ao meu jeito sincero e à maneira como me vestia. Para ele, mulheres deviam usar longos vestidos e grandes lenços, e eu não era assim”, recorda-se.

Nessa mesma época, ela já nutria o sonho de se tornar embaixadora, o que acabou por desaguar na carreira política (“uma paixão e não um desejo”). Ela se candidatou ao cargo de prefeita de Maidan Shar, a 44 quilômetros de Cabul, quando tinha apenas 26 anos, numa disputa em que era a única mulher entre os 138 candidatos. Mesmo vitoriosa, precisou enfrentar protestos por parte da população local, de perfil conservador, assumindo o cargo apenas nove meses após uma espécie de processo seletivo que a elegeu. Depois de tomar posse, sofreu uma série de tentativas de assassinato, incluindo ataques com ácidos, que lhe deixaram várias cicatrizes pelo corpo. Por fim, a execução a tiros do pai, em novembro do ano passado, a fez renunciar. Aceitou, então, um emprego no Ministério da Defesa, em Cabul.

Mesmo sem concluir o mandato, Zarifa acredita ter iniciado uma revolução com a sua chegada ao cargo de prefeita. “Foi importante para mudar a mentalidade daquelas pessoas, para que possam confiar numa liderança feminina. Considero um bom começo para quem almeja um grande objetivo.”

Enquanto corre o mundo, a ex-prefeita tenta abrir os olhos da comunidade internacional para o que acontece no seu país através de relatos emocionados e colhe assinaturas para uma petição em defesa dos direitos humanos. As situações de abuso cometidas pelo Talibã, ela diz, são cotidianas e não parecem indicar a suposta moderação prometida por seus integrantes. “Eles estão batendo de casa em casa, procurando por pessoas ligadas ao governo anterior, ativistas e militares. Também soltaram criminosos, que agora querem se vingar de quem os colocou na cadeia.”

Pela sua própria história, a situação das mulheres lhe causa preocupação ainda maior. “As afegãs não podem mais ir à escola ou trabalhar”, relata. “Outro dia, assisti a um debate na TV estatal em que os comentaristas discutiam as leis do Islã e diziam que a mulher não tem o direito de exibir sua beleza em público.”

O uso da religião para sustentar esse tipo de argumento é algo que a ativista refuta em quase todas as suas falas, ao lembrar que o Talibã distorce o conteúdo do Islã. “Não podemos vestir roupas bonitas em público, não podemos usar salto alto em público… Tudo é sobre mulheres. Essas pessoas não conseguem pensar em nada além disso?”, ironiza. “Nós representamos a nossa cultura e a nossa bela religião. Não somos inimigas do Afeganistão nem responsáveis pelo o que acontece de ruim no país. Não fomos nós que provocamos a guerra ou disseminamos a corrupção.”

Em sua passagem pelo Brasil, que durou cinco noites, Zarifa teve oportunidade de se encontrar com outras mulheres e relatou a pessoas próximas que se identificou com o engajamento das brasileiras nas lutas por direitos. Além da agenda protocolar, que incluiu uma reunião com executivos de um banco, em São Paulo, em busca de apoio para a sua fundação, e um discurso no Museu do Amanhã, no Rio, ela teve tempo para desbravar um pouco da vida carioca. Visitou o Corcovado, o Pão de Açúcar, a Escadaria Selarón, experimentou caipirinha e conheceu o samba numa visita ao Rio Scenarium, na Lapa. Também aproveitou para cortar os cabelos, num dos raros momentos que pode tirar para cuidar de si, desde que deixou o país de origem. “Ela disse que, há muito tempo, não sentia paz e felicidade como experimentou aqui”, conta a embaixadora da Women in Tech no Brasil, Lindália Junqueira, que a acompanhou durante toda a estadia.

Observá-la tão de perto, diz Lindália, permitiu compreender de maneira ainda mais fiel como é a vida de alguém que nasceu num país como o Afeganistão. Durante a visita de Zarifa ao Brasil, homens do Talibã invadiram a casa de familiares do marido da ativista e passaram a exigir resgate. “Ela nos disse: ‘Não se preocupem. Vamos resolver’. Entendi, então, que quando essas situações se tornam cotidianas, você passa a lidar com elas de uma outra maneira”, relata Lindália. “Também pude compreender que ela passou a ter essa força após a execução do pai. Zarifa acredita que isso aconteceu justamente por ele ter permitido à filha se tornar uma ativista política. Dali em diante, ela entendeu que poderia morrer a qualquer momento e resolveu transformar a luta num propósito de vida.”

Uma determinação que se mede pela própria disponibilidade de Zarifa em se sentar com os líderes do Talibã para uma conversa franca, caso isso possa ser feito em segurança. “Queria conhecê-los, porque sei que esses homens não são meros zumbis”, diz a ativista. “Adoraria contar a eles sobre a minha vida, os meus sonhos, os meus pais. Eu não tenho medo.”

Veja também

Variante ômicron apareceu na Holanda antes de voos da África do Sul

A variante ômicron do coronavírus foi detectada na Holanda antes de dois voos chegarem da …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!