quarta-feira 24 de julho de 2024
O senador e ex-ministro do Desenvolvimento Regional Rogério Marinho com Bolsonaro - Foto: Adriano Machado - 15.set.21/Reuters
Home / DESTAQUE / PL de Bolsonaro quer apresentar partido ao eleitor do Nordeste para 2026
segunda-feira 17 de junho de 2024 às 07:02h

PL de Bolsonaro quer apresentar partido ao eleitor do Nordeste para 2026

DESTAQUE, ELEIÇÕES 2026, NOTÍCIAS


O PL quer aproveitar as eleições municipais em outubro para apresentar o partido ao eleitor nordestino, fazer frente ao PT e tentar abrir caminho para a próxima disputa ao Senado, em 2026.

Sem força nas principais cidades do Nordeste, a sigla do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) pretende estruturar os diretórios locais, identificar possíveis candidatos e expor ideias conservadoras para o eleitorado.

A ideia é expandir a base do partido na região e preparar políticos e simpatizantes para apoiar nomes próprios da legenda nas próximas eleições.

Nas eleições presidenciais de 2022, o Nordeste reafirmou o favoritismo do PT e deu vitória a Lula nos nove estados da região. O petista teve 69% dos votos contra 30% de Bolsonaro e venceu em 8 das 9 capitais.

Também elegeu governadores na Bahia (Jerônimo Rodrigues), no Ceará (Elmano de Freitas), no Rio Grande do Norte (Fátima Bezerra) e no Piauí (Rafael Fonteles).

A única capital onde Bolsonaro venceu, Maceió, é também onde o PL tem a maior chance de vitória neste ano, com a candidatura à reeleição de João Henrique Caldas, o JHC. O prefeito tem como padrinho político o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

Ciente das dificuldades na região, a legenda já abriu mão de lançar candidato próprio ao menos em quatro capitais —São Luís, Teresina, Salvador e Natal.

O líder da oposição no Senado, Rogério Marinho (PL-RN), presidente do diretório do Rio Grande do Norte, vai se afastar do mandato por quatro meses no segundo semestre para acompanhar o processo.

Marinho afirma que foi designado pelo presidente do PL, Valdemar Costa Neto, para ajudar a reorganizar o partido na região.

O senador diz que um dos objetivos é mostrar ao eleitor que ele “tem afinidade” com o que o partido representa e defende, e tentar descolar essas características das que são atribuídas a Lula.

“Esse é um partido que está em construção. A nossa preocupação também é dar uma nitidez maior no viés programático e ideológico do partido. Quem nós somos? O que nós defendemos, o que nós representamos?”, afirma.

Ele também diz: “Se você perguntar a alguém que mora no interior do meu estado o que ele pensa sobre natalidade, drogas, mérito, propriedade, ele pensa exatamente como nós pensamos, mas vota em Lula. Nós temos uma tarefa que é mostrar a esse eleitor que, na verdade, ele é um eleitor conservador. Que é um eleitor que tem afinidade com o que nós representamos e o que nós defendemos”.

O tom de Marinho já tem sido repetido por políticos do PL no Nordeste. Na Bahia, o ex-ministro João Roma, que comandou a pasta da Cidadania no governo Bolsonaro, tem dito que um dos focos nas eleições municipais é “ampliar a capilaridade do PL e construir as pontes” para as políticas do partido.

Em Salvador, o PL apoiará a reeleição do atual prefeito, Bruno Reis (União Brasil), que faz parte do grupo do ex-prefeito ACM Neto, do mesmo partido.

Roma tem viajado o interior do estado mais populoso do Nordeste para, segundo ele, tentar estruturar o PL nas cidades do interior, com montagem de diretórios e de estrutura organizacional. A partir disso, afirma o ex-ministro, o partido terá mais condições de crescer.

Assim como Marinho, ele afirma que as pessoas alinham o Nordeste ao eleitorado do PT, mas que a região tem um histórico de aval a bandeiras conservadoras.

Reconhece, porém, que é difícil aumentar o número de prefeituras em um estado governado por um petista, cujos municípios dependem de recursos estaduais.

Na Bahia, a estratégia do PL será investir em candidaturas de vereadores e usar a imagem de Bolsonaro para pedir votos. Apesar de sofrer rejeição no estado, o ex-mandatário tem uma parcela de eleitores fiéis, sobretudo no oeste e no extremo sul baiano.

Com isso, espera aumentar a influência nos Legislativos municipais de aliados do ex-presidente.

Há estados do Nordeste em que o PL decidiu apostar no lançamento de pré-candidatura de outros ex-ministros de Bolsonaro, como Gilson Machado (Turismo) no Recife e Marcelo Queiroga (Saúde) em João Pessoa.

Em Fortaleza, o partido lançou a pré-candidatura do deputado André Fernandes e, em Aracaju, da vereadora Emília Corrêa.

A meta da legenda é lançar ao menos um candidato a senador em todos os estados e no Distrito Federal em 2026, quando duas vagas para o cargo estarão em disputa em cada unidade da federação.

O Senado entrou no foco da direita devido a prerrogativas exclusivas da Casa, como a sabatina e o impeachment de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

Também cabe apenas aos senadores sabatinar as demais autoridades escolhidas pelo presidente da República, como o procurador-geral da República, embaixadores e ministros de tribunais superiores.

Como mostrou o Painel, o PT também tem buscado costurar alianças para candidaturas a prefeitos e vice-prefeitos já com a preocupação de negociar apoio para o Senado nas eleições em 2026, em meio ao temor de que a oposição ganhe ainda mais força na Casa na próxima legislatura.

Veja também

Deputado federal reclama de construção de ponte na região da Chapada; veja vídeo

O deputado federal pela Bahia, João Leão (PP), compartilhou um vídeo em uma balsa no …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!