quinta-feira 28 de outubro de 2021
Foto: Reprodução/MPF
Home / JUSTIÇA / Para reduzir pena, Cabral montou sua própria “força tarefa”
segunda-feira 17 de maio de 2021 às 08:08h

Para reduzir pena, Cabral montou sua própria “força tarefa”

JUSTIÇA, NOTÍCIAS


Em fevereiro do ano passado, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, atendeu um pedido de Sérgio Cabral. O plano do ex-governador, cujas penas já somam 342 anos de prisão, era o de fazer uma delação grandiosa em troca de sua liberdade. Ou, ao menos, uma redução nos anos de cárcere.

Em setembro, conforme publicou o ConJur, depois que a Procuradoria-Geral da República demonstrou que as acusações de Cabral não tinham provas, indícios ou elementos mínimos de corroboração, o presidente do tribunal, Dias Toffoli, mandou arquivar os 12 inquéritos abertos, segundo a PGR, “inutilmente”.

O passo seguinte de Cabral, guiado pelo delegado da Polícia Federal Bernardo Guidali Amaral, foi ousado. Desse certo a fórmula, destravaria qualquer colaboração emperrada. A manobra consistiu em envolver o ministro Dias Toffoli — que bloqueara a delação “imprestável”, no dizer da PGR.

A acusação: quando integrante do Tribunal Superior Eleitoral, o ministro fez parte da maioria que votou, em 2015, contra a anulação da vitória do prefeito de Volta Redonda (RJ) por propaganda fora de época, em 2012. O voto teria sido “comprado”. A alegação foi contestada pelos aliados de Cabral à época e foi feita sem indícios materiais.

Na situação de “tudo ou nada”, Cabral engatilhou mais 20 anexos envolvendo autoridades com foro privilegiado e tinha a intenção de acusar mais dois ministros do STF. Nos acertos feitos nos bastidores, porém, os próprios membros da “força tarefa” montada para ajudar o ex-governador acharam demasiada a audácia. O juiz Marcelo Bretas e o ministro Edson Fachin autorizaram a Cabral o compartilhamento de provas de outros processos para ajudar em sua delação.

A manifestação da PGR, assinada pelo vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, merece leitura atenta. A peça recoloca a discussão sobre o poder de celebrar delações por parte da polícia e repõe os parâmetros para homologação de acordos de colaboração premiada.

Jacques de Medeiros rebate ponto a ponto a validade da delação. Opõe as imputações do ex-governador aos de outras delações, documentadas e as descreve como “narrativas (que) carecem de mínima plausibilidade fático-probatória”. O único elemento novo apresentado como prova por Cabral, diz a manifestação, é a sua agenda pessoal. Nas suas palavras:

“Os elementos coligidos resumiram-se as declarações do colaborador — que, como destacado, atua em contrariedade com a boa-fé objetiva —, não havendo documentos de corroboração do alegado. As mídias digitais anexas continham, apenas, o registro audiovisual dos depoimentos do colaborador e documento intitulado “Agenda SERGIO CABRAL”, que não elucida os fatos. Essa agenda, ademais, foi o único documento novo apresentado pelo colaborador no curso da celebração do acordo.”

Depois de apontar outras contradições e inconsistências, Jacques de Medeiros conclui que “a única razão que se observa para que agora venham aos autos esses supostos fatos é a tentativa do colaborador de constranger os órgãos de persecução a lhe conceder os benefícios decorrentes da colaboração ou retaliar o sistema penal que o condena”. “É evidente a má-fé com que atua o agente.”

E conclui: “o ímpeto de SERGIO CABRAL de constranger as autoridades públicas é de tal dimensão que chega o colaborador a atribuir a prática de crime a Ministro do STF por ter acolhido arquivamentos de inquéritos promovidos pelo MPF, providência irrecusável nos termos da pacífica jurisprudência da Corte”.

Veja também

Raíssa Soares deixa Secretaria da Saúde de Porto Seguro devido eleição 2022

O prefeito de Porto Seguro, Jânio Natal (PL) cumpriu nesta última quarta-feira (PL) importante papel …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!