segunda-feira 15 de julho de 2024
Sede das Olimpíadas de 2024, França reforçará segurança no país para evitar ataques terroristas - Foto: Reuters
Home / NOTÍCIAS / Olimpíada de Paris pode ser alvo de extremistas? 3 fatores-chave para entender os riscos
sexta-feira 21 de junho de 2024 às 16:02h

Olimpíada de Paris pode ser alvo de extremistas? 3 fatores-chave para entender os riscos

NOTÍCIAS


Nos últimos meses, o Estado Islâmico intensificou os seus apelos para atacar eventos esportivos na Europa. Os governos estão cada vez mais preocupados com a ameaça que o grupo representa para os próximos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Paris, na França.

Mas até que ponto devemos nos preocupar? Embora seja difícil obter respostas definitivas sobre os riscos, há três fatores importantes a serem considerados: intenção, capacidade e oportunidade.

Intenção

Um ataque aos Jogos Olímpicos certamente proporcionaria o impacto global que poucos alvos poderiam proporcionar. Mas permanece a questão de saber se o Estado Islâmico quer dedicar os recursos necessários para levar a cabo uma ação como essa.

Atualmente, a filial do Estado Islâmico com maior propensão para cometer ataques transnacionais é o Estado Islâmico-Província de Khorasan (EI-K), com sede no Afeganistão, que esteve por trás do recente massacre na sala de concertos em Moscou, na Rússia, no qual mais de 140 pessoas morreram.

Há também um aumento de conspirações terroristas islâmicas extremistas na Europa desde a eclosão da guerra em Gaza em outubro de 2023, várias delas com aparentes ligações ao EI-K. Um desses ataques foi contra torcedores suecos num estádio de futebol em Bruxelas.

Algumas declarações recentes do Estado Islâmico lembraram o massacre de Paris em 2015, no qual morreram 130 pessoas. O grupo apelou aos seus seguidores para “recriarem a glória do ataque a Paris em 2015 e organizarem cruzadas em massa”.

Mas embora o EI-K seja o afiliado do Estado Islâmico mais centrado no Ocidente, ele prioriza ataques contra regimes locais no Afeganistão, Paquistão, em países da Ásia Central como o Tajiquistão, o Uzbequistão e o Quirguizistão, e potências regionais como o Irã, Rússia e China.

Além disso, o Estado Islâmico não está na mesma posição que em 2014 e 2015. Então, a expansão territorial do grupo na Síria e no Iraque foi dificultada por uma coalizão militar liderada pelo Ocidente, que o levou a abordar os ataques na Europa como uma de suas principais prioridades.

Isso levanta a questão de saber se o Estado Islâmico poderia tentar criar pânico em torno dos Jogos Olímpicos como parte de uma estratégia mais ampla para cansar seus oponentes.

Há uma longa história de movimentos extremistas islâmicos que articulam abertamente uma estratégia para esgotar os recursos dos governos ocidentais, induzindo medidas de segurança exorbitantes para prevenir possíveis ataques.

Em 2010, por exemplo, a Al Qaeda plantou duas impressoras-bomba num avião de carga num plano batizado de “Operação Hemorragia”. Embora tenha fracassado, o grupo alegou que a ação custou apenas cerca de US$ 4.200 (R$ 22,9 mil) para ser executada, mas forçou os Estados Unidos a gastar bilhões em melhorias na segurança das companhias aéreas.

O Estado Islâmico pode adotar uma estratégia semelhante em torno dos Jogos Olímpicos de Paris, uma vez que tanto a provocação como o desgaste de recursos são estratégias terroristas comuns.

Capacidade

Policial em frente a Torre Eiffel, que está decorada com os arcos olímpicos

CRÉDITO,REUTERS

Legenda da foto, Há dúvidas sobre a capacidade do Estado Islâmico de atacar os Jogos Olímpicos

Também há dúvidas se o Estado Islâmico tem capacidade para organizar um ataque contra os Jogos Olímpicos.

O EI-K demonstrou a sua capacidade de realizar ataques terroristas transnacionais complexos, como o atentado suicida num comício político no Paquistão em julho de 2023, um duplo atentado suicida no Irã em janeiro de 2024 e o tiroteio em massa na sala russa de concertos em março.

Contudo, as capacidades do EI-K também não devem ser exageradas. No Afeganistão, o movimento pode ter enfraquecido desde a saída militar dos Estados Unidos em 2021 e o retorno dos talibãs ao poder. Os ataques reivindicados pelo grupo no Afeganistão diminuíram mais de 90% em dois anos: de 293, em 2021, para 145, em 2022, e chegaram a apenas 20, em 2023.

Isso ajuda a explicar porque o EI-K mudou o seu foco para o exterior nos últimos anos. Também é consistente com a investigação que mostra que as organizações insurgentes mais fracas têm maior probabilidade de se envolverem em atos terroristas transnacionais.

O objetivo dessas ações é normalmente compensar as perdas locais, expandir a sua luta e demonstrar determinação.

As capacidades atuais do EI-K permanecem obscuras. Apesar dos ataques na Rússia e no Irã, permanece incerto se ele poderá fazer um ataque em grande escala na Europa quando as autoridades estiverem em alerta máximo.

Oportunidade

Por último, podemos nos perguntar se os Jogos Olímpicos seriam vistos como uma oportunidade promissora para um ataque.

A propaganda extremista islâmica há muito que enfatiza o potencial dos eventos desportivos como alvos. Em 2012, a revista Inspire, da Al Qaeda, descreveu “estádios desportivos lotados” como alvos “muito fáceis”. Uma edição de 2014 da Inspire também recomendou atacar eventos esportivos com “multidões densas”, “visitados por […] pessoas de alto perfil”, garantindo uma cobertura mediática mundial.

Os apoiadores do Estado Islâmico na Europa – atuando sozinhos ou em pequenos grupos – poderiam ver os Jogos Olímpicos como uma boa oportunidade, com ou sem apoio direto de afiliados como o EI-K. As autoridades francesas prenderam recentemente um adolescente que planeava tal ataque “inspirado pelo Estado Islâmico”.

Ainda assim, as oportunidades de ataques em megaeventos esportivos diminuíram bastante nos últimos anos devido aos procedimentos de segurança cada vez mais rígidos que os organizadores estabeleceram.

De acordo com um relatório de investigação de 2014, os Jogos Olímpicos, em particular, “oferecem o planejamento de segurança mais meticuloso fora da guerra”. Hoje, os anfitriões olímpicos tomam rotineiramente medidas excepcionais para manter a segurança dos jogos, incluindo vigilância de alta tecnologia, coleta de informações, equipe extraordinária e uso de forças militares para proteger os locais.

A França, por exemplo, planeia enviar cerca de 45 mil policiais e forças de segurança, 20 mil membros da segurança privada e cerca de 15 mil militares todos os dias para proteger o evento.

Esses dispositivos excepcionais de segurança e vigilância geralmente permanecem por certo tempo após o evento e depois se normalizam. Isso levanta questões críticas sobre os custos econômicos e de liberdades civis para manter os Jogos Olímpicos seguros. E se este “imposto do terrorismo” poderia fazer parte da estratégia dos grupos para semear o medo e forçar os governos a gastar exorbitantemente em medidas de segurança.

Contudo, é inerentemente difícil saber o que um grupo terrorista pode considerar uma oportunidade.

Por exemplo, o Estado Islâmico poderia decidir atacar um alvo mais fácil na França ou em outro local da Europa durante os Jogos Olímpicos, vendo mais oportunidades de gerar publicidade em termos de timing do que de localização. A Austrália viveu esse tipo de conspiração durante as Olimpíadas de Sydney em 2000.

Isso também levanta a questão de quem mais poderá ver os Jogos Olímpicos como uma oportunidade para o terror. Como mostra a investigação histórica, as ameaças aos Jogos Olímpicos não se limitam a grandes grupos como o Estado Islâmico. O ataque aos Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996, perpetrado pelo terrorista doméstico americano Eric Rudolph, é um bom exemplo.

Indivíduos ou grupos semelhantes com motivações diversas também poderão ter intenções prejudiciais na França no próximo mês, embora com capacidade talvez limitada para a violência.

*Andrew Zamit é pesquisador de pós-doutorado em terrorismo e segurança, na Universidade de Vitória, no Canadá

Ramon Spaaj é professor do Instituto de Saúde e Esporte da Universidade de Vitória

Veja também

Alexandre de Moraes retira sigilo de áudio de “Abin paralela” de Bolsonaro; ouça

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (15) a …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!