segunda-feira 23 de maio de 2022
Foto: Marcia Foletto / Agência O GLOBO
Home / DESTAQUE / Menos de 10% dos hospitais municipais do Rio têm licença dos bombeiros
sábado 14 de setembro de 2019 às 07:02h

Menos de 10% dos hospitais municipais do Rio têm licença dos bombeiros

DESTAQUE, NOTÍCIAS


Das unidades de saúde administradas pela prefeitura, menos de 10% contam com certificado do Corpo de Bombeiros. O documento é uma espécie de alvará de nada consta para o local funcionar legalizado. A cidade tem 329 unidades, mas só 22, segundo a Secretaria municipal de Saúde, estão em dia com a papelada exigida pela corporação. O assunto passou a ser acompanhado pelo Ministério Público estadual.

As informações constam de documento encaminhado ao gabinete do vereador Paulo Pinheiro (PSOL), em resposta a um requerimento de informações protocolado na prefeitura no início do ano. Segundo o município, oito certificados de aprovação do Corpo de Bombeiros são de Clínicas da Família, e 12 se referem a Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs). Quanto aos hospitais, apenas dois têm o documento do Corpo de Bombeiros: o Ronaldo Gazolla (Acari) e o Pedro II (Santa Cruz).

“Isso revela a gravidade da situação. Não há segurança nas unidades de saúde do município. Ou seja: não foi seguido nenhum protocolo de segurança. É uma tragédia anunciada”, afirmou Paulo Pinheiro.

Em nota, a prefeitura informou que as “unidades mais novas da rede municipal de saúde já foram projetadas e equipadas dentro das normas vigentes de segurança contra incêndio e pânico”. Acrescentou que, embora nem todas estejam com os documentos de aprovação emitidos pelo Corpo de Bombeiros, “os projetos para obter a certificação estão em andamento”.

A falta de segurança nos hospitais será discutida em audiência pública na Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa.

“É importante saber se nas unidades de saúde há protocolo a ser seguido em casos de incêndio. Também é importante discutir o treinamento de funcionários e a atuação das brigadas de incêndios”, disse a deputada Martha Rocha (PDT), que preside a comissão.

Crivella: sabotagem

O prefeito Marcelo Crivella, que esteve na manhã desta última sexta-feira no Hospital Badim, disse que a hipótese de sabotagem como causa do incêndio precisa ser apurada. Ele confirmou que o prédio tinha todos os equipamentos necessários e previstos em lei contra incêndios.

“Na hora que eu vi todas as instalações, peço a Deus que esteja errado, mas é preciso ver se não houve sabotagem. Isso é uma coisa que precisa ser investigada. Um motor que gera energia pegar fogo? O fogo vem da imprudência das pessoas, que acendem a chama e não conseguem controlar, ou de algum circuito elétrico”, afirmou Crivella, que não acredita em falta de manutenção.

Veja também

“Se ACM Neto ganhar no primeiro turno, ele apoia quem para presidente?”

Apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), o vereador de Salvador e pré-candidato a deputado federal …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!