terça-feira 21 de setembro de 2021
Foto: Leonardo Rattes/Saúde GOVBA
Home / NOTÍCIAS / Governo do Estado pode desistir de PPP para gestão do Hospital Metropolitano, diz site
terça-feira 14 de setembro de 2021 às 06:53h

Governo do Estado pode desistir de PPP para gestão do Hospital Metropolitano, diz site

NOTÍCIAS


Apesar de ter sido planejado para operar em um modelo de gestão de Parceria Público-Privada (PPP), a modalidade de administração do Hospital Metropolitano, em Lauro de Freitas, ainda não está definida, conforme matéria do site Bahia Notícias. A tentativa do governo da Bahia de definir uma organização social para gerir a unidade, em edital para concessão administrativa publicado em abril, teve resultado “deserto”, quando nenhuma empresa apresenta interesse no serviço.

De acordo com a secretária interina de Saúde da Bahia, Tereza Paim, no momento há uma tramitação para definir o modelo de gestão e existe a possibilidade de se manter como PPP ou gestão indireta.

Atualmente o Hospital Metropolitano está em operação como unidade de campanha exclusiva para tratamento de pacientes Covid-19. A Secretaria da Saúde (Sesab) sinaliza que ainda é necessária a operação neste molde para que o estado mantenha a taxa de ocupação de leitos Covid em torno de 30%.

“A gente está numa tramitação para ver qual vai ser a gestão. Ela pode ser PPP, pode ser uma gestão indireta. É essa tramitação que está acontecendo agora. A gente não tem ainda um prazo porque ainda necessita dele para o Covid-19. Então enquanto tivermos com ele tramitando ou Covid, nós vamos manter”, disse Tereza Paim nesta última segunda-feira (13) ao Bahia Notícias, durante a inauguração da Policlínica Regional de Saúde, em Serrinha.

Hospital Metropolitano

O Hospital Metropolitano foi organizado no Plano da Atenção Hospitalar do Estado como um hospital de referência estadual, especializado no atendimento de urgência e emergência, e nas áreas de alta complexidade em neurologia/neurocirurgia, traumato-ortopedia, tratamento da obesidade mórbida, cirurgia cardiovascular e transplante hepático, incluindo equipamentos de alta densidade tecnológica para realização de procedimentos cardíacos endoscópico e um centro de tratamento de hemorragia digestiva.

Conforme informado pela própria Sesab na página da unidade na internet, o alto custo do projeto, fez necessária uma modalidade de gestão “estável ao longo do tempo”, que prime pela eficiência e pelo controle dos processos técnicos e gerenciais. Diante disso, o entendimento foi que o modelo de gestão de Parceria Público-Privada garantiria a estrutura e qualidade necessárias ao atendimento de qualidade, comparável aos melhores hospitais privados.

Veja também

Capitão Alden endossa Marcos Pollon e volta a criticar secretário da SSP por declarações sobre armas lícitas

Em vídeo publicado nas redes sociais, o presidente do Pro Armas, Marcos Pollon, criticou as …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!