domingo 7 de agosto de 2022
Home / DESTAQUE / ‘Eleição representa maior risco para economia em 2018’, diz economista

‘Eleição representa maior risco para economia em 2018’, diz economista

Foto: Reprodução/TSE
sábado 16 de junho de 2018 às 12:30h

Segundo o economista, o receio do mercado é a escolha de 1 candidato que não dê continuidade a agenda de reformas no país. “A questão fiscal precisa vir em 1º lugar, para garantir que o endividamento público não vá explodir”, disse.

Acredita que serão 4 altas dos juros nos EUA neste ano?

Luiz Castelli: Isso ficou mais provável. Os dados da atividade econômica dos EUA continuam vindo positivos, a inflação segue acelerando, convergindo para a meta. Então, tudo sugere que, de fato, essa normalização da política monetária vá ser menos gradual do que se imaginava, o que implicaria nessas 4 altas dos juros. Esse é o cenário-base hoje.

Como isso afeta a economia brasileira?

Boa parte dessa sinalização já estava precificada. Houve ruído no câmbio e na bolsa brasileira logo após o anúncio da alta dos juros, na 4ª feira (13.jun.2018), mas depois que o presidente do Fed, Jerome Powell, se pronunciou, até em 1 tom mais tranquilo do que o do comunicado, o mercado se acalmou e terminou o dia estável. Então, a princípio, o impacto foi pequeno.

Outros fatores devem aumentar a pressão sobre o câmbio?

O que poderia aumentar a volatilidade seria a sinalização de uma 5ª alta neste ano, algo que parece pouco provável, ou uma deterioração mais forte no comércio internacional, então é preciso acompanhar a questão da guerra comercial, principalmente entre EUA e China. Mas boa parte disso já está precificado. O que, de fato, deve pressionar é a questão política. Essa é a maior preocupação do mercado.

Qual a projeção da Go para o câmbio em 2018?

Estamos, por enquanto, trabalhando com R$ 3,50, mas há 1 viés de alta.

Há espaço para aumento de juros na reunião do Copom nesta semana?

Acho que, por enquanto, é cedo. A gente tem uma inflação ainda baixa, até abaixo do piso da meta, de 3%, a ociosidade na economia ainda é muito grande. Por outro lado, você tem o câmbio, que deve gerar pressão em alguns itens na inflação, mas, por ora, é cedo para pensar em alta dos juros. Tudo vai depender do que acontecer nas eleições. Talvez mais para o fim do ano.

O que indicaria que é hora de subir os juros?

O risco eleitoral e o câmbio. Se o real continuar se desvalorizando muito, vai ser inevitável, em algum momento, o Banco Central voltar a subir os juros. Mas, se ele se estabilizar na casa dos R$ 3,70, dá para manter.

Estamos preparados para essa mudança no cenário internacional?

O Brasil perdeu nos últimos 2 anos uma grande oportunidade de avançar nas reformas, principalmente na previdenciária. De 1 ano para cá, o governo praticamente ficou parado, não viu a agenda econômica andar. Perdemos essa janela de oportunidade que o mercado tinha dado, que era de 1 cenário externo mais tranquilo para colocar a casa em ordem. Infelizmente, hoje somos o 3º país emergente mais vulnerável a essa situação, ficando atrás apenas de Argentina e Turquia.

O que o mercado espera do próximo presidente?

Justamente que a agenda reformista continue. É bem pragmático nesse sentido. A questão fiscal precisa vir em 1º lugar para dar uma tranquilidade e garantir que o endividamento público não vá explodir.

 

 

Por Mariana Ribeiro

Veja também

Datafolha: Bolsonaro avança entre ‘vulneráveis’ de renda, e Lula reage entre ‘seguros’

O presidente Jair Bolsonaro (PL) avançou no último mês entre o segmento do eleitorado mais “lulista”. As intenções …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!