quinta-feira 9 de dezembro de 2021
Foto: Divulgação/MPF
Home / JUSTIÇA / Depois da Lava-Jato, outra força-tarefa tem demissão
sexta-feira 4 de setembro de 2020 às 16:34h

Depois da Lava-Jato, outra força-tarefa tem demissão

JUSTIÇA, NOTÍCIAS


O procurador Anselmo Lopes, responsável pela força-tarefa da Operação Greenfield, que investiga fundos de pensão, anunciou nesta sexta-feira (4) que vai deixar o cargo.

A decisão de Lopes veio após a Procuradoria-Geral da República (PGR) ter prorrogado a força-tarefa até o fim do ano, mas somente com um procurador em dedicação exclusiva – o próprio Lopes.

Os demais colegas dividiriam o trabalho com dezenas de outras investigações.

É a terceira força-tarefa envolvida em grandes investigações a sofrer mudanças na composição nesta semana.

Em Curitiba, Deltan Dallagnol deixou a coordenação da Operação Lava Jato, por problemas familiares. Depois, a Lava Jato em São Paulo sofreu debandada de sete procuradores, insatisfeitos com a gestão da coordenadora.

O modelo de força-tarefa sofre resistência na cúpula da PGR, que quer unificar as forças-tarefas e concentrar poderes sobre elas.

A Greenfield foi criada em julho de 2016 para apurar desvios nos maiores fundos de pensão do país.

Investigou desvios na Caixa, e foi a responsável pela apreensão das malas de dinheiro com R$ 51 milhões de Geddel Vieira Lima, ex-ministro do governo Michel Temer.

A operação também resultou nas denúncias de políticos como o próprio Temer e os ex-deputados Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha, além de Geddel e de Lúcio Funaro.

“Por maior que seja o espírito público e a vontade de lutar pela Justiça, permanecer como único membro de dedicação exclusiva à força-tarefa pareceu-me inaceitável”, afirma Lopes na carta de despedida aos colegas.

A decisão de deixar apenas um integrante exclusivo para a Greenfield foi do vice-procurador-geral, Humberto Jacques, que, em junho, fez duras críticas ao modelo de forças-tarefas.

Em agosto, o procurador Anselmo Lopes pediu a participação de mais uma procuradora para ajudá-lo. Ele obteve a autorização no Conselho Superior do Ministério Público, mas dependia ainda de um aval final da PGR, que nunca veio.

Veja também

Senado aprova volta da propaganda de partidos políticos em rádio e TV

O Plenário do Senado aprovou na noite desta última quarta-feira (8) o projeto de lei …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!