domingo 26 de junho de 2022
Foto: Sesab/Gov da Bahia
Home / NOTÍCIAS / Covid grave pode causar impacto cognitivo equivalente a 20 anos de envelhecimento, aponta estudo
domingo 8 de maio de 2022 às 06:55h

Covid grave pode causar impacto cognitivo equivalente a 20 anos de envelhecimento, aponta estudo

NOTÍCIAS, SAÚDE


Um estudo britânico recente revelou segundo o Gazeta Brasil, que pessoas que sofreram de casos graves de COVID-19 na medida em que receberam cuidados intensivos sofreram impactos cognitivos equivalentes a cerca de 20 anos de envelhecimento ou perda de 10 pontos de QI.

O estudo foi conduzido por pesquisadores da Universidade de Cambridge e do Imperial College London e envolveu 46 pacientes que receberam cuidados intensivos para COVID-19 em um hospital de Cambridge entre março e junho de 2020.

Os participantes do estudo participaram de uma “bateria de avaliação cognitiva computadorizada personalizada”, na qual completaram oito tarefas com um iPad. Em média, os participantes participaram dessas avaliações cerca de 179 dias – quase seis meses – após o início do COVID.

“Os participantes que foram hospitalizados devido ao COVID-19 pontuaram significativamente mais baixo e foram mais lentos em suas respostas do que o esperado, dada a população de controle”, diz o estudo.

De acordo com os pesquisadores, os participantes exibiram um “padrão consistente de desempenho cognitivo inferior” em relação à precisão e tempo de processamento ao concluir as tarefas dadas. Eles notaram que o impacto cognitivo parecia ser mais forte em pacientes que necessitavam de ventilação mecânica.

Os pesquisadores compararam o impacto observado com o declínio cognitivo normal que as pessoas experimentam ao longo dos 20 anos de envelhecimento entre 50 e 70 anos. No entanto, uma melhora nos resultados dos testes cognitivos e nos tempos de reação foi observada nos participantes do estudo, embora a recuperação tenha sido descrita como “na melhor das hipóteses” gradual.

“Dezenas de milhares de pessoas passaram por terapia intensiva com COVID-19 somente na Inglaterra e muitas outras ficaram muito doentes, mas não foram internadas no hospital”, disse Adam Hampshire, autor do estudo e professor do Departamento de Ciências do Cérebro no Imperial College London.

“Isso significa que há um grande número de pessoas por aí ainda enfrentando problemas de cognição muitos meses depois. Precisamos urgentemente ver o que pode ser feito para ajudar essas pessoas”, disse Hampshire.

Uma limitação do estudo que os pesquisadores reconheceram foi que ele se baseou no autorrelato de déficits cognitivos em vez de avaliações objetivas. Eles também reconheceram que condições como depressão, ansiedade, fadiga e estresse pós-traumático que seguem uma infecção por COVID-19 podem ter contribuído para os impactos cognitivos observados.

Os efeitos do envelhecimento da pandemia de COVID-19 em geral foram observados anteriormente por especialistas em saúde. Sabe-se que fatores como doenças graves, estresse crônico e solidão contribuem para o envelhecimento acelerado.

Outro estudo publicado no mês passado na China descobriu que a infecção por COVID-19 pode contribuir para o envelhecimento acelerado em pacientes, embora os pesquisadores tenham observado que esses efeitos eram reversíveis em alguns pacientes.

Veja também

Revelada nova bateria de automóvel com 1.000 km de alcance e recarga em 10 minutos

A gigante chinesa CATL está pronta para a produção em larga escala deste acumulador de …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!