terça-feira 9 de agosto de 2022
Home / CURIOSIDADES / Conheça o metilfenidato, a pílula da inteligência usada por estudantes e concurseiros
sábado 30 de abril de 2022 às 14:18h

Conheça o metilfenidato, a pílula da inteligência usada por estudantes e concurseiros

CURIOSIDADES, NOTÍCIAS, SAÚDE


Uma pílula que promete turbinar sua inteligência e a capacidade de concentração. Quem não desejaria isso? Parece coisa de ficção científica, mas é justamente isso mostra reportagem de Roberto Peixoto, do portal g1, onde diz que muitos jovens, principalmente universitários e concurseiros acreditam que o metilfenidato, um psicoestimulante tarja preta indicado para tratar um transtorno psicológico, é capaz de fazer.

O uso indiscriminado dessa drogas traz riscos e, segundo especialistas ouvidos, não apresentam comprovação científica de que “aumente a inteligência”. Pode sim atuar sobre a capacidade de concentração, mas também ter como efeito colateral aumento da ansiedade, dores de cabeça, perda de apetite e até mesmo gerar alucinações ou piorar quadros de esquizofrenia ou transtorno bipolar.

Abaixo, entenda por quê.

O que é metilfenidato e como é o mecanismo de ação dele?

O cloreto de metilfenidato, vendido com os nomes comerciais de Ritalina e Concerta, faz parte de uma classe de medicamento chamada de psicoestimulantes, drogas que excitam o nosso sistema nervoso central. Isso quer dizer que, assim como a cafeína, nicotina, cocaína e até mesmo as anfetaminas, ele causa uma variação no nosso estado de humor, aumentando o estado de alerta e excitação do corpo.

Como os nossos neurônios se comunicam uns com os outros, esses medicamentos atuam justamente na parte do nosso cérebro que é o local de contato entre as células nervosas, as sinapses. São nessas regiões que as informações necessárias para o funcionamento do nosso organismo são transmitidas.

Esse processo todo de troca de informações acontece por meio dos chamados neurotransmissores, moléculas mensageiras que são liberadas de um neurônio para outro.

Depois que os neurotransmissores passam seu recado, eles são então degradados ou voltam para a célula nervosa. Mas diferente de outros medicamentos que aumentam o estoque dessas substâncias, como a adrenalina, o metilfenidato atua inibindo a recaptação dessas moléculas, estimulando cada vez mais os neurônios e, assim, os processos de concentração.

Qual a indicação do medicamento?

O metilfenidato é indicado para o tratamento de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) em crianças e adultos e também para o tratamento de narcolepsia.

O médico psiquiatria e professor do departamento de psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Amilton Santos Jr., explica que o precursor da droga começou a ser estudado nos anos 50, inicialmente como um remédio para enxaqueca, mas logo essa sua utilidade foi descartada porque os cientistas perceberam que ele piorava esses quadros.

Por outro lado, com o uso da medicação, algumas crianças que eram mais distraídas e agitadas ficavam um pouco mais concentradas e focadas. Por isso, o medicamento, que teve sua formulação aprimorada ao longo dos anos, hoje ele auxilia o tratamento do TDAH, mas não são todos os casos que precisam do uso do fármaco.

“Ele não é cura. Não é o único tratamento que existe. A gente sempre fala: em saúde mental nada prescinde de abordagens não farmacológicas”, ressalta o médico.

Impacto discutível no desempenho acadêmico

O cloridrato de metilfenidato é um medicamento que deve ser administrado conforme as necessidades de adaptação de cada paciente. Ou seja, é preciso uma avaliação caso a caso feita por um especialista sobre a posologia da droga. É ele que irá indicar a dosagem de acordo com períodos de maiores dificuldades escolares ou comportamentais de um paciente com TDAH.

“Os efeitos de melhora cognitiva do metilfenidato são claramente comprovados em pessoas com diagnóstico de TDAH”, diz Henrique Bottura, diretor clínico do Instituto de Psiquiatria Paulista.

Ele explica que, quando o medicamento é usado em doses terapêuticas e para as indicações adequadas, ele auxilia o tratamento dos sintomas relacionados ao transtorno, como a desatenção, inquietação e impulsividade, mas que em pessoas que não apresentam o problema, a eficácia no desempenho cognitivo é discutível.

Atualmente, faltam evidências de efeitos a longo prazo do metilfenidato no desempenho acadêmico. Bottura ressalta que alguns estudos chegaram até avaliar as implicações do medicamento no desempenho matemático de crianças e adolescentes, mas os resultados dessas pesquisas mostraram números de melhora muito baixos.

“Hoje em dia muitas pessoas utilizam esse medicamento para melhorar a atenção, até porque hoje ela é muito mais desafiada do que anos atrás. No entanto, o benefício [do metilfenidato] para isso não é comprovado”, destaca.
O médico psiquiatria Amilton Santos Jr. acrescenta que o medicamento pode até deixar uma pessoa acordada por mais tempo e, consequentemente, estudando mais. Mas o descanso depois do estudo, pontua, é igualmente importante nesses casos porque é nessas horas que o cérebro irá organizar as sinapses e armazenar toda informação que foi aprendida durante o período que esteve desperto.

“Mas [o metilfenidato] não aumenta a inteligência de uma pessoa. O que ele faz é, durante o seu período de atuação no organismo, aumentar a janela atencional, o período pelo qual a pessoa consegue ficar um pouco mais tempo concentrada”, ressalta.

O problema é que, em indivíduos que não têm TDAH e fazem o uso por conta própria, isso pode causar vários problemas, tendo em vista que não há um controle das doses adequadas do medicamento.

“E aí a hora que a pessoa fica sem o remédio, ela fica como se estivesse deprimida mesmo, ela fica para baixo, sem ânimo, sem energia, que é o estado que a gente chama de abstinência”, alerta o médico.

Quais são os principais efeitos colaterais após o uso sem prescrição médica?

A automedicação com o metilfenidato pode acabar não ajudando o desempenho acadêmico daqueles que buscam um ‘up’ nos estudos e, em alguns casos, até mesmo resultando em sérios problemas de saúde.

O pesquisador Fernando Freitas, do Laboratório de Saúde Mental e Atenção Psicossocial da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) aponta que, como esses medicamentos alteram a química do cérebro e provocam um efeito calmante, eles vão criando uma dependência psicológica que estimula a necessidade de aumento da dose.
“Ele ajuda você a concentrar. Você consegue ter mais foco naquilo, fica com mais atenção, mas isso é algo passageiro”, lembra.

O problema é que, se uma pessoa tinha níveis de atenção normais, é como se ela tomasse uma “overdose de cafeína”, explica Santos Jr.

Por isso, o uso indiscriminado do medicamento em doses não controladas pode resultar no aumento da ansiedade, dores de cabeça, perda de apetite e até mesmo, em alguns casos mais raros, alucinações e na piora de quadros de esquizofrenia ou transtorno bipolar.

A questão, defende o médico, é que os pacientes muitas vezes não sabem se têm predisposição a esses problemas até a ocorrência do primeiro episódio. Assim, ele acredita que a questão-chave tem a ver com o controle de acesso a esse medicamento e a necessidade do acompanhante médico.

“Mas [o metilfenidato] não aumenta a inteligência de uma pessoa. O que ele faz é, durante o seu período de atuação no organismo, aumentar a janela atencional, o período pelo qual a pessoa consegue ficar um pouco mais tempo concentrada”, ressalta.

O problema é que, em indivíduos que não têm TDAH e fazem o uso por conta própria, isso pode causar vários problemas, tendo em vista que não há um controle das doses adequadas do medicamento.

“E aí a hora que a pessoa fica sem o remédio, ela fica como se estivesse deprimida mesmo, ela fica para baixo, sem ânimo, sem energia, que é o estado que a gente chama de abstinência”, alerta o médico.

Quais são os principais efeitos colaterais após o uso sem prescrição médica?

A automedicação com o metilfenidato pode acabar não ajudando o desempenho acadêmico daqueles que buscam um ‘up’ nos estudos e, em alguns casos, até mesmo resultando em sérios problemas de saúde.

O pesquisador Fernando Freitas, do Laboratório de Saúde Mental e Atenção Psicossocial da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) aponta que, como esses medicamentos alteram a química do cérebro e provocam um efeito calmante, eles vão criando uma dependência psicológica que estimula a necessidade de aumento da dose.
“Ele ajuda você a concentrar. Você consegue ter mais foco naquilo, fica com mais atenção, mas isso é algo passageiro”, lembra.

O problema é que, se uma pessoa tinha níveis de atenção normais, é como se ela tomasse uma “overdose de cafeína”, explica Santos Jr.

Por isso, o uso indiscriminado do medicamento em doses não controladas pode resultar no aumento da ansiedade, dores de cabeça, perda de apetite e até mesmo, em alguns casos mais raros, alucinações e na piora de quadros de esquizofrenia ou transtorno bipolar.

A questão, defende o médico, é que os pacientes muitas vezes não sabem se têm predisposição a esses problemas até a ocorrência do primeiro episódio. Assim, ele acredita que a questão-chave tem a ver com o controle de acesso a esse medicamento e a necessidade do acompanhante médico.

“Todos os remédios têm indicações e contraindicações. Pessoas são mais sensíveis e menos sensíveis. Então o mais importante é não fazer o uso de forma aleatória e sem a supervisão de um médico especialista na área”.

Veja também

Estou com sintomas de varíola do macaco, o que devo fazer?

Agência Adventista lança campanha de orientação sobre doença No último dia 23 de julho, a …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!