terça-feira 30 de novembro de 2021
Alto Comando do Exército Foto: Divulgação/Arquivo
Home / DESTAQUE / Como militares do governo Bolsonaro prometem reagir se Lula vencer em 2022
segunda-feira 18 de outubro de 2021 às 07:36h

Como militares do governo Bolsonaro prometem reagir se Lula vencer em 2022

DESTAQUE, MILITARES, NOTÍCIAS


Integrantes da ala militar do governo Bolsonaro afirmaram para a colunista Bela Megale, do O Globo, que, em um eventual cenário de vitória de Lula em 2022, a chance de as Forças Armadas não respeitarem o resultado das eleições é “nula”.

Ao falar sobre a hipótese de uma ruptura institucional, auxiliares de Bolsonaro rememoram a ditadura militar e falam que o período trouxe “muitos prejuízos” à caserna. Questionados se haveria resistência dos mais de 6 mil militares empregados no governo em aceitar uma vitória petista, ministros da ala militar garantem que esse grupo também respeitará os resultados das urnas.

A relação com os militares é um tema que preocupa o entorno de Lula, inclusive com questionamentos frequentes de aliados sobre o assunto. Interlocutores do ex-presidente têm trabalhado para se aproximar de lideranças das Forças Armadas. O foco é diminuir a resistência dos militares a Lula e ao PT.

Ministros da ala militar de Bolsonaro se dizem confiantes na vitória do capitão reformado em 2022, mas confessam que, para que a reeleição se concretize, a economia precisa melhorar.

Veja também

Barbados celebra nascimento de uma república e rompe com monarquia britânica

Ao soar da meia-noite, Barbados cortou seus últimos laços remanescentes com a monarquia britânica após quase 400 anos. Em …

um comentário

  1. Numa democracia genuína, quem tem os canhões não pode ter a pretensão de determinar os rumos da política. Os generais têm os canhões; os deputados, as palavras. Aos militares cabe a defesa das instituições do Estado Democrático de Direito; cumprir as leis e a Constituição.
    É uma lástima ter que ver nossos militares se arrogarem o papel de tutores da República.
    Basta-lhes o respeito à vontade popular expressa nas urnas. Ninguém questionou os humores da caserna quando Bolsonaro foi eleito.
    Infelizmente, parte dos nossos militares, por miopia política ou por puro oportunismo impatriótico, aderiu a esse projeto antipopular… E a discussão, por si, é tendenciosa e antirrepublicana numa Democracia …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!