domingo 21 de julho de 2024
Presidente Lula e os ministros Rui Costa e Fernando Haddad durante a reunião ministerial. Foto: Ricardo Stuckert / PR
Home / DESTAQUE / Com Haddad e Rui Costa, Lula faz reunião para tratar de agenda do governo no Congresso
segunda-feira 10 de junho de 2024 às 06:35h

Com Haddad e Rui Costa, Lula faz reunião para tratar de agenda do governo no Congresso

DESTAQUE, NOTÍCIAS, POLÍTICA


Dentro da tentativa de melhorar a relação com o Congresso, o presidente Lula da Silva (PT) realiza nesta segunda-feira (10) pela manhã de acordo com Sérgio Roxo, do O Globo, a segunda reunião de coordenação, com a participação dos principais ministros e dos líderes do governo no Legislativo. A prática de discutir na segunda-feira os principais assuntos, que existia nos dois primeiros mandatos do petista, foi retomada na semana passada, depois da série de derrotas do governo no dia 28, com derrubadas de vetos do presidente pelos parlamentares.

Vai dar certo? Lula retoma rotina de seus outros governos com reuniões de articulação política
Bela Megale: A alfinetada de Lula na reunião para melhorar a articulação política do governo

Esse deve será o primeiro com as presenças dos ministros da Casa Civil, Rui Costa, e da Fazenda, Fernando Haddad, que na semana passada estavam em viagem fora do país e foram representados pelos secretários-executivos de suas pastas.

Além de Lula, Haddad e Rui Costa, devem participar da reunião, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, e os líderes do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), e na Câmara,José Guimarães (PT-CE).

A reunião de coordenação política às segundas-feiras para planejar as ações da semana foi descartada por Lula no começo deste terceiro governo, numa decisão pouco compreendida inclusive pelos mais próximos.

No dia 28, o governo sofreu mais uma série de derrotas no Congresso. Os parlamentares derrubaram o veto presidencial ao ponto central da lei que restringe saídas temporárias de presos. Houve ainda manutenção da decisão, tomada ainda na gestão de Jair Bolsonaro, de dificultar a punição à disseminação de desinformação eleitoral. Foi derrubado também o veto a um artigo da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que desestimula a destinação de verbas do Executivo a ações favoráveis ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), ao aborto e à agenda LGBTQIA+.

Depois disso, foi decidido que as reuniões de coordenação serão realizadas e Lula também se comprometeu a participar mais da articulação política.

O governo vai ter que decidir, nos próximos dias, como se posicionar diante do projeto que proíbe delações premiadas de réus presos. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), líderes do Centrão e a bancada do PL, partido de Jair Bolsonaro, costuram a votação, a toque de caixa do texto poderia beneficiar o ex-presidente, que é implicado pela colaboração do ex-ajudante de ordens Mauro Cid.

O projeto foi apresentado em 2016 pelo então deputado Wadih Damous (PT-RJ), hoje Secretário Nacional de Defesa do Consumidor. Sem o apoio do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, o texto foi rejeitado pela Comissão de Segurança Pública da Casa naquele ano e remetido à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde ficou engavetado até a última semana. Damous vê um “motivo oportunista” para resgatar o tema agora e deputados do PT acha que o momento não é oportuno para colocar o projeto em votação para não haver o risco de que Bolsonaro seja beneficiado.

Veja também

Governo Milei expõe grave fraude na Argentina envolvendo pensões durante gestões anteriores; entenda

O recente governo argentino liderado por Javier Milei trouxe à luz uma série de irregularidades e fraude …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!