sexta-feira 19 de agosto de 2022
Home / NOTÍCIAS / Colegiado na AL-BA se solidariza com familiares de vítimas de feminicídio
quinta-feira 2 de setembro de 2021 às 12:33h

Colegiado na AL-BA se solidariza com familiares de vítimas de feminicídio

NOTÍCIAS, POLÍTICA


Às vésperas do julgamento dos cúmplices de assassinato da professora Élida Márcia, de Juazeiro, a Comissão dos Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa aprovou moção de solidariedade e pesar aos familiares da educadora, na reunião da última quarta-feira (1º). O crime ocorreu em 2019, e o executor e a mandante, ex-mulher do companheiro de Élida, continuam foragidos.

A comissão aprovou, também, moção de solidariedade à família da dentista Ana Luiza Dompsim, supostamente assassinada pelo marido, em março deste ano, em Divisa Alegre, entre Bahia e Minas Gerais. Os parlamentares decidiram, também, encaminhar ofício ao presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-Ba), solicitando celeridade no julgamento dos casos de feminicídio, com adoção de mutirão, e o acompanhamento dos casos pela presidente da Coordenadoria da Mulher do órgão, a desembargadora Nágila Brito.

Participaram do encontro virtual, a presidente do colegiado, Olívia Santana (PC do B), Mirela Macedo (PSD) e as petistas Maria del Carmen, Neusa Cadore e Fátima Nunes.

Trabalho escravo

A partir do relato do caso de Raiane Ribeiro – babá que caiu do 3º andar para se livrar de cárcere privado imposto pela patroa Melina França, no Imbuí, em Salvador – a comissão decidiu solicitar ao Ministério Público do Trabalho (MPT) garantia dos direitos integrais da trabalhadora doméstica e a punição cabível à patroa. À Secretaria Estadual de Políticas para a Mulher (SPM), o colegiado indicará a produção de campanhas publicitárias para o combate aos abusos praticados.

“E que sejam feitas operações e campanhas para o combate ao trabalho análogo à escravidão, sendo que o trabalho doméstico é o mais difícil de denunciar, por ser desenvolvido no âmbito inviolável do lar, e as trabalhadoras sofrem de maneira silenciosa”, explicou Olívia.

Outra reivindicação, oficiada à Secretaria de Segurança Pública (SSP), diz respeito à retomada dos cursos de capacitação dos agentes e delegados que atuam no atendimento de mulheres vítimas de violência.

Violência política

Solidariedade à prefeita Moema Gramacho e à vereadora Naide Brito, de Lauro de Freitas, e repúdio à violência política de que ambas tem sido vítimas, na Câmara de Vereadores local. Esse é o teor de mais duas moções consensuadas pelas parlamentares, nas quais defendem o respeito aos mandatos populares e manifestam aversão a qualquer tipo de intimidação às mulheres no exercício democrático da política.

Intolerância

A sexta moção aprovada pela comissão diz respeito às atitudes racistas e de intolerância religiosa, por parte do vereador de Feira de Santana, Paulão do Caldeirão (PSC), que atacou religiões de matriz africana, ialorixás e praticantes de candomblé de Cachoeira. O documento de repúdio ao comportamento do edil será encaminhado à Câmara de Vereadores de Feira de Santana, pedindo providências ao Conselho de Ética da Casa Legislativa local.

Veja também

STF decide que nova lei de improbidade deve alcançar casos em andamento

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu de acordo com Paulo Roberto Netto, do UOL, que …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!