domingo 19 de setembro de 2021
Foto: Marcos Corrêa/PR
Home / DESTAQUE / Bolsonaro percebe que a política é o principal pilar para proteger sua gestão
quarta-feira 28 de julho de 2021 às 06:33h

Bolsonaro percebe que a política é o principal pilar para proteger sua gestão

DESTAQUE, NOTÍCIAS, POLÍTICA


“Eu sou do Centrão.” A exposição do pertencimento a essa controversa entidade da política brasileira é do próprio presidente Bolsonaro, com vistas a reduzir o custo da aproximação com a “política tradicional”. O choque dessa estratégia em relação ao discurso eleitoral do presidente já virou lugar comum e não surpreende ao observador minimamente atento das movimentações palacianas. O ponto mais relevante da reforminha ministerial é justamente a escolha de um nome da política tradicional em substituição de um nome oriundo das Forças Armadas, já que o próprio presidente reiteradamente legitima seu governo pela ligação com os militares e recentemente promoveu trocas em postos militares em nome de maior aproximação política com a instituição.

Conforme Rafael Cortez no Estadão, a reforma tem fundamentalmente o objetivo de proteger o mandato presidencial, ou a busca pelo “equilíbrio”, nas palavras do novo ministro, Ciro Nogueira. Não por um acaso, o escolhido vem do Senado, casa que irá julgar as indicações no campo jurídico feitas pelo presidente e, no limite, irá definir o grau de pressão política, quando da votação do relatório da CPI da pandemia, possivelmente responsabilizando o presidente por crimes de responsabilidade.

O equilíbrio citado depende do mínimo de estabilidade política, o que significa conter os choques decorrentes do próprio estilo presidencial e dos constrangimentos oriundos da politização das Forças Armadas. A desconfiança entre militares e políticos ajuda a preservar o mandato. O eventual impeachment representaria a transferência de poder justamente para os militares, que ameaçam esse espaço da política tradicional.

O presidente parece ter percebido que, no limite, é a política o principal pilar de proteção à sua administração, especialmente diante da proximidade do calendário eleitoral. O sucesso desse novo desenho está condicionado à transformação de uma coalizão de governo em apoio eleitoral. A rejeição elevada do presidente é uma eterna porta de saída do governo, mesmo sem o impeachment.

As chances de proteção do mandato são relevantes, mas a construção da base eleitoral esbarra no jogo de interesses entre os partidos do Centrão, campo que é homogêneo apenas no imaginário político.

Veja também

Mortes por Covid nos EUA são de pessoas não vacinadas, diz Biden

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou neste último sábado (19) que as mortes recentes …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!