terça-feira 19 de outubro de 2021
Foto: BolsonaroSP/Twitter/Reprodução
Home / DESTAQUE / Ataque de Bolsonaro a Alexandre de Moraes surpreendeu parte do governo
sábado 11 de setembro de 2021 às 12:00h

Ataque de Bolsonaro a Alexandre de Moraes surpreendeu parte do governo

DESTAQUE, NOTÍCIAS, POLÍTICA


Em sua “declaração à Nação” divulgada na quinta-feira (9) Jair Bolsonaro tentou amenizar o impacto das ameaças que fez no feriado de 7 de Setembro, quando declarou a manifestantes em Brasília e São Paulo que poderia fechar o Supremo Tribunal Federal (STF) e desrespeitar decisões judiciais. No texto, o presidente afirma que “nunca teve a intenção de agredir quaisquer poderes” e alega que as palavras ditas por ele sobre o ministro do STF Alexandre de Moraes “decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”. Como se sabe, foram palavras duras. Num de seus arroubos, Bolsonaro declarou: “Acabou o tempo dele. Sai, Alexandre de Moraes. Deixa de ser canalha”, conforme publicou a revista Veja.

A insatisfação com Moraes é notória e levou Bolsonaro a apresentar ao Senado um pedido de impeachment do ministro, que já foi devidamente indeferido pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco. A animosidade cresceu pouco a pouco, começou quando Moraes suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal e chegou ao paroxismo quando o magistrado, que toca investigações sobre dois filhos do presidente (Eduardo e Carlos), também incluiu o próprio Jair Bolsonaro num inquérito, além de determinar a prisão de bolsonaristas próximos ao mandatário.

Antes do feriado, o presidente se reuniu com assessores para discutir o tom de sua fala. Para a ala política do governo, ele prometeu que criticaria o Supremo, mas sem chamar nenhum ministro específico para a briga. Acreditou quem quis, e o presidente não cumpriu a palavra. A VEJA, um ministro disse acreditar que a quantidade de gente nas ruas inflamou o ânimo do chefe, que, por isso, não seguiu o roteiro acordado previamente. “Ele se sentiu forte, amparado, para fazer aquele discurso”. A adesão às manifestações surpreendeu positivamente os políticos do entorno presidencial. Um deles disse que até em regiões nas quais Bolsonaro tem altos índices de rejeição o público presente foi bem acima do esperado.

“O bolsonarismo tem organicidade, vida própria, ideias próprias, e o presidente eventualmente adere. Ele foi influenciado por essa movimentação. O presidente saiu fortalecido do episódio. O recado foi dado não por ele, mas pelos que foram às ruas apoiá-lo e dizer que cada poder se mantenha em seu quadrado”, disse o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, antes de Bolsonaro divulgar a sua declaração à Nação. A nova tentativa de diminuir a temperatura da crise partiu, como de costume, da ala política do governo. Quando o assunto é o Judiciário, os militares do Planalto tendem a apoiar o discurso mais radical do presidente.

Hoje ministro da Secretaria-Geral da Presidência, o general Luiz Eduardo Ramos foi o primeiro a dizer, ainda no ano passado, que o outro lado não deveria esticar a corda. O general Fernando Azevedo e Silva, quando chefiava o Ministério da Defesa, sobrevoou com Bolsonaro de helicóptero uma manifestação de pauta golpista. Quando atacou o Supremo em Brasília, em 7 de Setembro, o presidente tinha a seu lado o atual ministro da Defesa, general Braga Netto. Essa turma, com certeza, não ousa dizer que foi pega de surpresa.

Veja também

‘Serão tomadas todas as providências’, diz Aras sobre relatório da CPI da Covid

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou neste último domingo (17), em entrevista ao Canal …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!