terça-feira 16 de julho de 2024
O então deputado Paulinho da Força discursa na Câmara — Foto: Billy Boss/Câmara dos Deputados/03-08-2022
Home / NOTÍCIAS / Após prisão de presidente do Solidariedade por supostos desvios, Paulinho da Força volta ao comando da sigla
terça-feira 18 de junho de 2024 às 18:21h

Após prisão de presidente do Solidariedade por supostos desvios, Paulinho da Força volta ao comando da sigla

NOTÍCIAS, POLÍTICA


Após a prisão preventiva de Eurípedes Júnior, presidente do Solidariedade, a Executiva Nacional se reuniu e elegeu por unanimidade Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, como o novo dirigente da sigla. Em nota, a direção afirmou que a escolha “reflete a confiança do partido em sua capacidade de liderar a legenda de acordo com os pilares ideológicos”.

Como o jornal do O Globo, mostrou, Júnior foi alvo de um mandado de prisão da Polícia Federal durante a Operação Fundo no Poço, realizada na última quarta-feira. Ex-presidente do Partido Republicano da Ordem Social (PROS), o político é investigado por organização criminosa, lavagem de dinheiro, furto qualificado, apropriação indébita, falsidade ideológica e apropriação de recursos destinados ao financiamento eleitoral.

De acordo com a PF, a apuração teve início a partir de denúncia sobre o desvio de aproximadamente R$ 36 milhões. Segundo as investigações, foi identificado, por meio de Relatórios de Inteligência Financeira e da análise de prestações de contas de supostos candidatos, indícios que apontam para existência de uma organização criminosa estruturalmente ordenada com o objetivo de desviar e se apropriar de recursos dos fundos Partidário e eleitoral.

O inquérito apontou que o grupo utilizava candidaturas laranjas ao redor do país, de superfaturamento de serviços de consultoria jurídica e desvio de recursos partidários destinados à Fundação de Ordem Social (FOS) – fundação do partido.

Segundo o inquérito, Júnior teria esvaziado as contas do PROS na ocasião da sua destituição do cargo, transferindo valores para uma fundação onde ele e outros parentes tinham poderes de gestão e direção.

“Observou-se a transferência de R$ 100 mil em favor de empresa de turismo, com a descrição da nota crédito para ser utilizado em viagens nacionais e internacionais, locação de carro, hospedagem, salas de reunião e eventos, seguro viagem e bilhetes aéreos nacionais e internacionais”, informou a corporação, em relatório encaminhado à Justiça Eleitoral do Distrito Federal.

A PF afirma ainda que Júnior, ao vislumbrar seu afastamento da gestão do partido, buscou garantir um crédito com uma agência de turismo para custeio de suas viagens. No período da investigação, iniciada em 2017, percebeu-se intenso fluxo migratório, com o pagamento de despesas que incluíram passagens aéreas e hospedagens.

“A investigação sobressaltou que as viagens com destino a Miami e Orlando costumam possuir escalas prolongadas no Panamá, considerado paraíso fiscal, denotando, a esse respeito, a necessidade de maior profundidade no alcance das provas”, escreveu a PF, no documento.

O inquérito destaca também que Júnior teria, quatro dias antes de deixar o PROS, determinado o “desmonte” da sede do partido, retirando, por exemplo, equipamentos avaliados em mais de R$ 15 milhões que guarneciam o parque gráfico em Planaltina, Goiás.

Também teriam sido retirados do local dez veículos, um helicóptero, aparelhos de ar-condicionado, computadores, sistema de energia solar e diversos móveis, todos bens pertencentes ao partido.

Veja também

Alexandre de Moraes retira sigilo de áudio de “Abin paralela” de Bolsonaro; ouça

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (15) a …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!