segunda-feira 15 de agosto de 2022
Foto: Reprodução
Home / JUSTIÇA / Alexandre de Moraes não aceita arquivamento de inquérito que atinge Bolsonaro
sexta-feira 5 de agosto de 2022 às 15:44h

Alexandre de Moraes não aceita arquivamento de inquérito que atinge Bolsonaro

JUSTIÇA, NOTÍCIAS


O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou nesta sexta-feira (5) conforme o Estadão, o arquivamento do inquérito sobre o vazamento de dados pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), promovido pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

“Não conheço dos pedidos de reconsideração e impugnação da Procuradoria Geral da Republica, por impertinentes e intempestivos”, diz um trecho da decisão.

A investigação foi aberta para apurar se o presidente cometeu crime ao divulgar a íntegra de um inquérito da Polícia Federal (PF) sobre uma invasão ao sistema do TSE ocorrida em 2018. O material foi disponibilizado nas redes sociais em uma tentativa de colocar sob suspeita a segurança das urnas eletrônicas, embora o delegado responsável pela investigação vazada não tenha encontrado inícios de manipulação de votos ou fraudes eleitorais. O TSE também informou que o ataque não apresentou qualquer risco às eleições.

De um lado, a Polícia Federal apontou crime de violação de sigilo, mas deixou de indiciar Bolsonaro em razão do foro por prerrogativa de função. Do outro, o procurador-geral da República Augusto Aras pediu o arquivamento do caso, sem oferecer denúncia, sob o argumento de que o material divulgado não estava protegido por sigilo e que os atos públicos devem obedecer ao princípio da publicidade.

O rumo do inquérito gerou uma queda de braço entre Moraes e a PGR. Mesmo após o pedido de arquivamento da investigação, o ministro cobrou da PF a elaboração de um relatório sobre as mensagens obtidas a partir da quebra de sigilo do coronel Mauro Cid, ajudante de ordens do presidente Jair Bolsonaro e que também é investigado no caso. Em sua decisão, Moraes afirmou que o documento é “essencial para a completa análise dos elementos de prova”.

A PGR reagiu: reiterou o pedido de arquivamento e disse que o ministro “violou o sistema acusatório”. Desde então, a bola estava com Moraes, que nesta sexta retribuiu as críticas da Procuradoria ao dizer que houve uma tentativa “genérica” de “impedir” as apurações.

Em sua decisão, o ministro afirma que o Ministério Público tem a palavra final para decidir se oferece ou não denúncia, mas que a prerrogativa não vale para a fase de investigação. Moraes diz ainda que houve uma mudança de posicionamento da PGR e que esse recuo aconteceu fora do prazo.

“Não bastasse a ocorrência da preclusão temporal, comportamentos processuais contraditórios são inadmissíveis e se sujeitam à preclusão lógica, dada a evidente incompatibilidade entre os atos em exame, consubstanciados na anterior aceitação pela Procuradoria Geral da República com as decisões proferidas – tendo manifestado por cinco vezes sua ciência – e sua posterior irresignação extemporânea”, escreveu.

Veja também

Político dos EUA alerta para possível colisão de aviões com OVNIs

Um OVNI pode em breve colidir com uma aeronave na Terra, alertou um político dos …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!