terça-feira 16 de agosto de 2022
O Alcorão de Sangue foi escrito completamente com o sangue de um dos presidentes do Iraque, Saddam Hussein, que encomendou comemorar seu aniversário
Home / Mundo / MUNDO / Alcorão de Sangue: o livro escrito com o sangue de Saddam Hussein
terça-feira 21 de junho de 2022 às 08:44h

Alcorão de Sangue: o livro escrito com o sangue de Saddam Hussein

MUNDO, NOTÍCIAS


O Alcorão é o livro sagrado da religião islâmica, escrito há cerca de 1400 anos, originalmente memorizado e recitado oralmente, e cujos fieis acreditam conter as palavras do arcanjo Gabriel, que as teria revelado ao profeta Maomé. O Alcorão de Sangue, por sua vez, é uma versão polêmica da escritura — essa cópia sangrenta está trancada em um cofre secreto, com a intenção de jamais ser visto pelo público novamente.

O Alcorão de Sangue foi escrito completamente com o sangue de um dos presidentes do Iraque, Saddam Hussein, que encomendou o livro em 1997 para comemorar seu aniversário de sessenta anos. O antigo presidente alegou ter doado entre 24-27 litros do seu próprio sangue para ser usado como tinta na escrita dos 6.000 versos e 336.000 palavras do Alcorão.

A origem do Alcorão de Sangue

Saddam Hussein contou em 2000 que a encomenda do livro foi uma forma de agradecer a Deus por ajudá-lo a superar tantas conspirações e perigos. “Minha vida tem sido cheia de perigos, nos quais eu deveria ter perdido muito sangue… Mas como eu sangrei apenas um pouco, pedi a uma pessoa para escrever as palavras de Deus com o meu sangue em agradecimento”, disse ele.

Desde o início, o Alcorão de Sangue originou uma controvérsia tanto política como religiosa. De acordo com a lei Sharia islâmica, sangue humano é considerado como algo sujo em termos ritualísticos. Assim, escrever a palavra sagrada da divindade com sangue impuro é absolutamente proibido.

Contudo, destruir o livro sagrado também é

Depois do livro ser entregue a Saddam numa cerimônia no mês de setembro de 2000, ele foi colocado na mesquita Umm al-Ma’arik (“Mãe de Todas as Batalhas”). As páginas sangrentas foram dispostas numa construção hexagonal de mármore localizada num lago artificial dentro do complexo da mesquita, e somente convidados poderiam vê-las.

O Alcorão de Sangue de Saddam foi denunciado em 2000 pelas autoridades religiosas dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita e, depois da queda de Hussein em 2003, o Alcorão foi removido da exibição pública.

Os responsáveis pela mesquita guardaram o Alcorão de Sangue para mantê-lo seguro antes dos clérigos e políticos decidirem o que fazer com a relíquia polêmica.

Veja também

Ciro Gomes é intimado a pagar multa com a Justiça Eleitoral

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) intimou o candidato à presidência da República Ciro Gomes (PDT) …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!